Novembro 27, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Quanto o presidente Bolzano está contribuindo para os problemas de saúde do Brasil? – BRINK – Conversas e percepções sobre negócios globais

O presidente brasileiro Jair Bolzano chegou ao poder como um político não convencional e “diferente”. Há alguns anos, muitos brasileiros o viam como um maluco engraçado, acusando-o de ser contra uma classe política corrupta.

Frequentemente chamado Tropical TrumpSua conduta não foi firmemente presidencial, insultou a mídia e os oponentes, questionou os princípios científicos básicos e colocou suas crenças religiosas conservadoras em sua camisa.

Na semana passada, no início da conferência da COP, seu governo anunciou Promessa de acabar com o desmatamento ilegal na Amazônia até 2028 E reduzir pela metade as emissões até 2030. Embora isso tenha atraído algumas manchetes positivas em Glasgow, sua reputação doméstica está em declínio. Três anos depois de ser eleito, o brilhantismo do presidente Bolzano se foi. O Brasil está mergulhado em uma profunda crise econômica e social, em grande parte desencadeada pela inação do governo na luta contra o Govt-19 e o vírus.

Acusado de crimes contra a humanidade

O Senado brasileiro aprovou recentemente um relatório recomendando que o presidente seja acusado de crimes contra a humanidade por seus maus tratos à epidemia de COVID-19. No cerne do relatório está o fato de a epidemia ter causado 600 mil mortes no Brasil, instigadas pelo presidente por não seguir até mesmo políticas simples e de bom senso para controlar a epidemia e contornar as crenças científicas aceitas. O presidente recusou ordens de máscara, muitas vezes expressando-se em grandes reuniões sem máscara.

No ano passado, ele ligou Brasileiras “maricas” Por medo do vírus, “vamos todos morrer um dia”. Alguns dias atrás, ele passou a mencioná-lo As vacinas COVID-19 podem causar AIDS em indivíduos.

Além do COVID, o outro motor da negação do presidente Bolsanaro é a economia.

A inflação atingiu dois dígitos, Atingiu 10,25% nos últimos 12 meses Pode piorar até setembro de 2021, quando os preços dos combustíveis em todo o mundo aumentarem. Apesar das mudanças sociais significativas implementadas pelo governo durante as epidemias, a economia recentemente encolheu novamente após alguma melhora em 2021, criando uma aceleração impressionante da pobreza. Existem 20 milhões de novos brasileiros pobres.

Para muitos, o show do Bolsanaro está desatualizado.

A inflação e a pobreza estão em alta

Apesar das grandes somas de dinheiro do governo em 2020 – US $ 55 bilhões fornecidos a 68 milhões de pessoas em programas governamentais – o ministro das finanças do governo, o conservador ministro da Fazenda Paulo Goodes, decidiu cortar pagamentos adicionais por medo de uma crise financeira. À medida que o número de brasileiros para comer aumentou, também aumentaram as cidades caseiras de Goa.

Estima-se que existam cerca de 19 milhões de pessoas Sofreu de fome No Brasil, no ano passado, o número foi duas vezes maior do que em 2018. Foto de brasileiros limpando carcaças de animais em busca de comida Chocou o país Também se tornou um símbolo da crise econômica.

Como sempre fazia, o presidente Bolzano fez dos militares sua muleta política. Em agosto, ele liderou uma parada militar geral para enviar um sinal de que as Forças Armadas estavam em suas costas. Alguns temiam que um golpe de estado estivesse em andamento. Mas nem tudo dentro do exército é uma rosa; O desacordo entre os militares está crescendo. No início do ano, Três líderes militares importantes renunciaram Após a reunião com o novo Ministro da Defesa.

O ex-presidente Lula está voltando?

Os brasileiros sentem que o país continua turbulento e os eleitores estão se voltando contra ele. Para muitos, o show do Bolsanaro está desatualizado. Sondagem de opinião pública O presidente Bolzano mostra seu oponente sendo esmagado pelo ex-presidente Lula de Silva antes da próxima eleição.

Uma pesquisa recente mostrou o ex-presidente Lula derrotando o atual presidente, 56% a 31%, em uma disputa fictícia no segundo turno. A ressurreição política nas proximidades da morte do ex-presidente Lula é interessante. O ex-presidente Lula e seu Partido Trabalhista (PT) caíram em desgraça há alguns anos, quando um governante e um político do PT foram condenados um após o outro pelo escândalo “Lava-Carros”. Como resultado, o ex-presidente Lula pode não ser o favorito dos eleitores brasileiros, com índices de rejeição de cerca de 40%. Mas são números melhores do que a negação do presidente Bolsanaro, que é superior a 50%.

À medida que o confronto desses dois Titãs se aproxima, fica cada vez mais difícil para os candidatos confiáveis ​​da terceira via frustrá-lo. O ex-presidente Lula parece ser o melhor na competição direta com o presidente Bolzano. As alternativas para esses dois centros de poder político estão espalhadas. Entre eles estão Eduardo Light, governador da província do Rio Grande do Sul; Syro Gomes, do Partido Democrático dos Trabalhadores; João Toria, Governador de São Paulo; E o advogado anticorrupção Sergio Moro, que foi demitido do cargo de presidente pelo ministro Bolzano. Mas até agora nem eles nem os outros candidatos pegaram fogo.

A polarização entre o ex-presidente Lula e o presidente Bolsanaro, embora odiosa para grande parte do Brasil, parece estar ganhando o dia. É isso que o presidente Bolzano quer – polarizar a eleição entre ele e Lula. Na verdade, até que a próxima eleição perca o interesse do eleitorado brasileiro, um novo candidato não poderá derrotá-la.

Embora o presidente Bolzano tenha perdido muitos apoiadores centristas, muitos brasileiros ainda o adoram – ele é especialmente popular com o crescente eleitorado evangélico do país. Principal analista e comentarista político brasileiro, Mauricio mauraRecentemente, disse: “Metade das pessoas no país está dizendo: ‘Se houver uma eleição hoje, quem você vai votar para presidente?’ “Não sei”, acrescentou: “Se houver uma escolha entre o presidente Bolsanaro e o ex-presidente Lula, o elemento chave para entender a eleição é realmente quem deve votar”. Portanto, como muitas vezes é perguntado nas eleições nos EUA, a capacidade de sair das urnas será crucial.

Atacando o sistema de votação

Os brasileiros gostam de chamar seu país de “o país de amanhã”. Mas hoje, amanhã está mais longe do que nunca. Ao longo dos anos, os brasileiros têm sido um presidente catastrófico que descobre um após o outro os escândalos de corrupção que corroeram a confiança do público no governo, o uso indevido do COVID-19 e a fragmentação da sociedade.

Recentemente, o presidente Bolzano tirou um capítulo do manual do ex-presidente Donald Trump e derrotou o prestigioso tribunal eletrônico de votação do Brasil, que dura duas décadas, uma agência governamental independente que há muito é respeitada no país.

Este recente debate sobre as urnas é uma amostra da tensão que persistirá até a eleição presidencial em outubro próximo. O Brasil tem questões-chave para resolver – reformas econômicas, redução da pobreza e melhorias na infraestrutura são três exemplos – mas o progresso nessas questões importantes será melhor interrompido. Não espere que o presidente Bolzano preste muita atenção a seu estimado ministro da Fazenda. Em vez disso, ele buscará questões para dividir e polarizar ainda mais o Brasil já afetado.

READ  Mercados emergentes - declínio real do Brasil à medida que a inflação sobe, Latham FX cai