Maio 21, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Diretor diz que movimentos de mercado de curto prazo não devem assustar o Banco Central do Brasil

Diretor diz que movimentos de mercado de curto prazo não devem assustar o Banco Central do Brasil

SÃO PAULO (Reuters) – O diretor do Banco Central do Brasil, Gabriel Gallipoli, disse nesta quarta-feira que a autoridade monetária não deveria se deixar intimidar pelas flutuações de mercado de “curto prazo” e que precisaria de tempo para entender como as mudanças recentes afetam seus mandatos.

As moedas dos mercados emergentes, incluindo o real do Brasil, caíram nos últimos dias, à medida que o dólar subia em meio às crescentes tensões geopolíticas e ao desvanecimento das esperanças de um corte nas taxas de juros do Federal Reserve dos EUA.

Gallipoli reconheceu que países como o Brasil, que começaram a cortar as taxas à medida que a inflação diminuiu, foram os mais afectados pela recente reavaliação da curva de rendimentos dos EUA e pelo fortalecimento do dólar.

No entanto, num evento em São Paulo, ele pediu “parcimônia e calma” enquanto os legisladores reagem às medidas.

“O perigo que enfrentamos é esperar demais e nos conter para reagir”, disse Gallipoli. “(Mas) queremos dar tempo para entender como o ajuste na curva de taxas de juros dos EUA influencia nosso mandato de inflação.”

O banco central do Brasil realizou cortes nas taxas de juros de 50 pontos base em cada uma de suas últimas seis reuniões e no mês passado sinalizou outro corte do mesmo tamanho em sua reunião de maio, ao mesmo tempo em que disse que uma decisão de junho seria mais baseada em dados.

No entanto, devido às crescentes incertezas globais e locais, o governador Roberto Campos Neto abriu a porta para abrandar esse ritmo de flexibilização e os intervenientes no mercado, como o JP Morgan, já esperam um corte de 25 pontos base no próximo mês.

READ  Fred, do Manchester United, em seu papel, Eric Den Haag e as esperanças do Brasil na Copa do Mundo

(Reportagem de Fernando Cardoso; edição de Jonathan Otis)