Julho 2, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Biden sedia o primeiro encontro em Bolzano, Brasil

O presidente Joe Biden estava preocupado que seu enviado brasileiro pudesse pular a cúpula desta semana em Los Angeles, então ele enviou pessoalmente um conselheiro próximo a Jair Bolzano para estender um convite.

O gesto foi aprovado com um pedido, segundo os três ministros do gabinete do líder brasileiro.


O que você precisa saber

  • O presidente Joe Biden e o presidente brasileiro Jair Bolsanaro devem se encontrar pessoalmente pela primeira vez.
  • Bolsanaro disse que participaria da cúpula dos EUA apenas se Biden evitasse confrontá-lo em algumas questões controversas, incluindo questionar a credibilidade do sistema eleitoral brasileiro.
  • Analistas e parlamentares da oposição estão preocupados que Bolzano prepare as bases para sua rejeição dos resultados das eleições se ele não concorrer a um segundo mandato.
  • Ele foi um dos últimos chefes de Estado do mundo a reconhecer a vitória eleitoral de Bolsanaro Biden, aliado de extrema direita do ex-presidente Donald Trump.

Autoridades disseram à Associated Press que Bolzano participaria da cúpula dos EUA apenas se Biden lhe oferecesse uma reunião privada e evitasse confrontá-lo sobre algumas questões controversas entre os dois homens.

Autoridades disseram que ele não queria nenhuma crítica ao desmatamento na Amazônia ou advertências de que estava questionando a credibilidade do sistema eleitoral brasileiro. Um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA não respondeu a um pedido de comentário.

Quer Biden morda a língua ou não, o pedido é um lembrete da lacuna entre os dois líderes enquanto se preparam para seu primeiro encontro, que deve ocorrer na quinta-feira entre dois ministros do governo de Bolzano. A Casa Branca não informou quando a reunião acontecerá.

A participação de Paulsonaro na cúpula pode ajudar a evitar o constrangimento de Biden pela retirada de alguns líderes da controvérsia por não convidar todos os países da região para uma conferência organizada pelos Estados Unidos pela primeira vez desde a cerimônia de abertura de 1994.

Mas a aparência de Bolsanaro também pode ser uma fonte de atrito. Ignorar a enxurrada implacável de críticas de Bolsanaro ao sistema eleitoral brasileiro pode não ser aceitável para Fiden, que diz que melhorar as instituições democráticas no país e no exterior é uma parte fundamental de seu governo.

READ  Ofi faz parceria com a GEA para expandir a produção de café solúvel no Brasil

“Acho que não há maneira de contornar isso”, disse Ted Piccone, um não-residente sênior da Brookings que trabalha em questões na América Latina. “Se Fiden não dissesse nada sobre esta questão, seria prejudicial para ele e sua agenda democrática regional e doméstica.”

Como aliado da extrema direita do ex-presidente Donald Trump, Bolzano foi um dos últimos chefes de Estado do mundo a reconhecer a vitória eleitoral de Biden. Mais recentemente, em uma cúpula de líderes mundiais em Roma no ano passado, Bolzano acusou Biden de traí-lo: “Ele foi como se eu não estivesse lá”.

Quando Biden concorreu à presidência há dois anos, ele criticou o Brasil pelo crescente desmatamento na Amazônia. Após a posse da Fiden, o governo de Bolsanaro trabalhou para demonstrar seu compromisso com o controle da devastação. Os esforços incluem aumentar seu compromisso com as negociações climáticas da ONU em Glasgow e reuniões bilaterais regulares com autoridades dos EUA.

Mas essas conversas pararam porque os dados mostraram o desmatamento contínuo. A última leitura anual foi a pior em 15 anos.

“Isso realmente vai na direção errada”, disse Picon. “Se Pittsburgh conseguir que Bolzano evite danos, será uma vitória.”

O Brasil é a segunda democracia mais populosa do hemisfério depois dos Estados Unidos.

Ele concorrerá contra seu rival político, o ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva. Pesquisas preliminares sugerem que Lula está na liderança antes das eleições de outubro, apesar de Bolzano ter forte apoio em sua base. Embora Bolzano e Da Silva já tenham se manifestado, a campanha começa oficialmente em agosto.

Bolsanaro insiste que o referendo não refletiu o verdadeiro propósito de seu apoio e colocou em dúvida as urnas eletrônicas usadas em todas as eleições brasileiras desde 1996. Ele acusou a Comissão Eleitoral de falta de transparência e que alguns de seus membros eram tendenciosos contra ele. .

READ  A alta da bolsa brasileira sairá no início de 2022 por causa de preocupações eleitorais

Analistas e parlamentares da oposição estão preocupados que, se Bolzano não concorrer a um segundo mandato, eles lançarão as bases para rejeitar os resultados das eleições e seguirão o exemplo de Trump ao encorajar os apoiadores a apoiar a versão tropical do levante no Capitólio dos EUA. Ele disse repetidamente que só Deus pode removê-lo da presidência.

Em entrevista a correspondentes estrangeiros na terça-feira, o chefe da Comissão Eleitoral, Louis Edson Fach, disse: “A democracia no país não é apenas uma questão doméstica. “A democracia brasileira interessa não apenas ao Brasil, mas à América do Sul, à América Latina e a todas as democracias do mundo.”

Em uma reunião na embaixada dos EUA em Brasília em julho passado, o diretor da CIA, William Burns, disse a dois ministros de Bolsanaro que parassem de atacar o sistema eleitoral presidencial, dois funcionários que participaram da reunião e falaram anonimamente.

A presidência brasileira não respondeu a um pedido de comentário. A CIA se recusou a comentar.

Burns avisa que Bolsanaro, dois meses depois, não parou de levar o Brasil à beira de uma crise institucional, reuniu apoiadores contra a Suprema Corte e disse à multidão reunida que não vai mais acatar os veredictos de um de seus juízes. . Eventualmente, ele recuou e disse que seus comentários vieram no calor do momento.

Meses se passaram sem novos ataques. Recentemente, porém, ele voltou à sua retórica quente.

“Se necessário, iremos à guerra”, disse o presidente à multidão durante discurso no Paraná na sexta-feira. “As pessoas precisam estar do meu lado e perceber o que estão fazendo e por quem estão lutando.”

“Ele está se preparando para um golpe”, disse o senador. Renan Calheroes disse à AP por telefone. “Os partidos políticos devem estar preparados para apoiar a Suprema Corte, que é o reduto da nação, e para manter as empresas fortes o suficiente para atrair a atenção do mundo.”

READ  No Brasil a linha idiota torna-se política

Calheros foi um dos oito senadores que participaram de uma vigilância informal este ano para discutir os comentários de Bolsanaro e a tração que eles recebem entre o público, a polícia e os militares. Calheros disse que o painel incluirá juízes da Suprema Corte e membros da Comissão Eleitoral.

Juan Gonzalez, diretor sênior do Hemisfério Ocidental do Conselho de Segurança Nacional, disse a repórteres na quarta-feira que os Estados Unidos têm confiança no sistema eleitoral brasileiro.

Mas ele não disse se a questão será levantada quando Biden e Bolsanaro realizarem uma reunião bilateral. Ele disse que eles abordariam questões globais, citando o potencial de segurança alimentar, assistência médica e ação econômica em resposta à epidemia.

Se Biden não pressionasse Bolsonaro a respeitar os resultados das eleições, ele legitimaria o recente desafio do líder brasileiro às autoridades, disse o analista político brasileiro Thomas Traman.

“Só vejo o negativo para o Python”, disse Truman, que era o principal assessor do Python, ao telefone.

Ele observou que a cúpula dos EUA promoveria a democracia, acrescentando que “Biden vai estar em uma foto com o presidente Bolsanaro e não garante que ele aceitará os resultados das eleições”.

Paulsonaro, por sua vez, poderia aproveitar o encontro para evitar críticas internas de que Rubens Barbosa, ex-embaixador brasileiro em Washington para relações internacionais e chefe de uma agência internacional, está isolado internacionalmente e não tem acesso ao presidente norte-americano. Business, think tank com sede em São Paulo.

Paulsonaro não realizou muitas reuniões bilaterais durante seus três anos como presidente. Ele se encontrou com Trump durante suas visitas a Washington e Mar-a-Lago em 2019 e 2020, e algumas semanas antes de a Rússia invadir a Ucrânia, Bolsanaro se encontrou com Vladimir Putin em Moscou e o então líder húngaro Victor Arban em Budapeste.