Maio 24, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Novos Horizontes da Telemedicina no Brasil

À medida que surgem novos caminhos para a telemedicina no Brasil, apenas médicos e empresas devidamente credenciados no país podem aproveitar esse mercado crescente. Em 5 de maio de 2022, o Conselho Federal de Medicina (“CFM”) editou a Resolução 2.314/22 (“Regra”) para atualizar as regras sobre telemedicina no Brasil. Antes da promulgação da regra, a telemedicina era permitida no país com base em regras extraordinárias que foram desenvolvidas um pouco durante a crise do Govt-19.

A norma reconhece sete tipos de telemedicina: (i) visão; (ii) telediagnóstico; (iii) Telecomunicações; (iv) Consultoria em telecomunicações; (v) cirurgia remota; (vi) tele-triagem; E (vii) Tele-Visitas. Os médicos e empresas estrangeiras só podem realizar tele-interconsultas e tele-visitas, de acordo com as normas e regulamentos do CFM relacionados. Todos os outros tipos de telemedicina exigem médicos e empresas certificados pelo CFM. Os médicos estrangeiros obtêm a certificação por meio de um processo demorado e complexo que visa reconhecer a igualdade de seu diploma universitário. Da mesma forma, as empresas estrangeiras devem estar arquivadas no registro médico estadual brasileiro relevante.

A regra deve estar em conformidade com a Lei Brasileira de Proteção de Dados Públicos (“LGPD”). Em particular, o manuseio e armazenamento dos dados do paciente (incluindo informações e imagens) deve obedecer às normas do CFM e da LGPD quanto à integridade, autenticidade, confidencialidade, privacidade e confidencialidade inegável e profissional. A LGPD também garante o direito do paciente de saber como usa seus dados, ao mesmo tempo em que exige seu consentimento. Para esse fim, médicos e organizações devem divulgar como os dados do paciente podem ser compartilhados e podem se recusar a compartilhar dados e imagens do paciente, exceto em emergências médicas.

Os serviços de telemedicina são fornecidos com base no consentimento dos pacientes ou de seus representantes após o médico certificado pelo CFM ter explicado os prós, contras e riscos associados ao paciente. Os pacientes ou seus representantes, apesar da popularidade da telemedicina, ainda podem retirar tal consentimento se desejarem consultar pessoalmente.

READ  Brasil reconhece Coronavac da Sinovak para jovens de 6 a 17 anos

A norma também rege prescrições dispensadas remotamente que exigem assinatura eletrônica profissional sob os padrões da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil). A prescrição inclui negação de telemedicina padrão e informações do paciente necessárias.

De acordo com o CFM, os médicos e empresas estrangeiras são obrigados a aderir a rigorosos parâmetros éticos, técnicos e legais. Essa abordagem vai ao encontro da tradicional oposição do CFM à prática médica de estrangeiros no Brasil. Especialistas estão divididos sobre se essa regra e suas regras protecionistas vão incentivar ou atrasar o desenvolvimento da telemedicina em todo o Brasil.