Maio 22, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Brasil Potash diz que Mura aceita mineração na Amazônia, advogados discordam

Brasil Potash diz que Mura aceita mineração na Amazônia, advogados discordam

BRASÍLIA (Reuters) – A empresa canadense Brazil Potash Corp, que planeja construir a maior mina de fertilizantes da América Latina na selva amazônica, diz que a tribo local Mura concordou com o plano, mas promotores federais estão insistindo com a comunidade. Ainda dividido.

A Brasil Potash na terça-feira, um dia depois de uma reunião entre executivos da empresa, líderes do Mura, políticos locais e o governador Wilson Lima, apoiou a mineração de investimentos e empregos no estado do Amazonas.

“Este é um marco importante no desenvolvimento do projeto, pois demonstra claramente o respeito pelos desejos dos Mura”, afirmou a empresa em comunicado, citando consultas com a tribo.

No entanto, os procuradores federais em Manas disseram que o apoio à mina não era unânime e forneceram uma carta de uma aldeia Mura, dizendo que os líderes comunitários foram induzidos em erro ao assinarem actas de reunião, que a empresa considerou aprovação para a mina.

“Não houve consenso entre Mura em relação ao projeto de mineração”, afirmou a promotoria em comunicado. Acrescentou que continua em vigor uma ordem judicial suspendendo a licença da mina.

O Brazil Potash, um banco comercial com sede em Toronto focado em recursos naturais de propriedade do Forbes & Manhattan Group de Stan Barthy, disse que Mura decidiu realizar o referendo e que mais de 60% das 36 comunidades votaram a favor.

“Há algumas pessoas que decidiram não apoiar o projeto, mas elas são minoria”, disse o presidente-executivo da Brazil Potash, Matt Simpson, em entrevista.

READ  Motorola Edge 30 será lançado no Brasil

“As pessoas que não aceitam o resultado do referendo queixam-se agora a um advogado que está claramente a abusar do seu poder”, acrescentou.

A juíza federal Jaysa Froggs reiterou no mês passado sua decisão de 2016 que suspendeu o projeto enquanto se aguarda consulta com Mura e exigiu uma licença da agência ambiental federal IBAMA, em vez da agência estadual IPAAM, que concedeu a licença em 2015.

Em sua decisão de 25 de agosto, o juiz disse em sua decisão de 25 de agosto que se a agência de assuntos indígenas FUNAI concedesse a reivindicação de Mura de status de reserva protegida para a aldeia onde o projeto de mineração se sobrepõe, o projeto precisaria da aprovação do Congresso. A mineração em terras indígenas é proibida pela constituição do Brasil.

A mina em Autazes, 120 km a sudeste da capital do estado do Amazonas, Manas, reduzirá a dependência dos agricultores brasileiros das importações de 95% do seu atual fertilizante potássico.

Espera-se que o projeto de potássio de US$ 2,5 bilhões produza até 2,4 milhões de toneladas por ano, cerca de um quarto da demanda brasileira, e levará três anos para ser desenvolvido depois de aprovado.

A Brasil Potash disse que a FUNAI ainda precisa concluir uma revisão do “estudo de consulta indígena” da empresa antes de emitir a licença de instalação necessária para iniciar a mineração.

A empresa tem insistido que seu projeto não está em terras indígenas porque a reivindicação de Soares não foi formalmente reconhecida pela FUNAI. Os defensores dizem que a mina afetará a subsistência de cerca de 15 mil pessoas de Mura.

Algumas pessoas em Mura temiam que a mineração poluísse os rios e afugentasse a caça e os peixes que neles vivem. A Brasil Potash afirma que a mina causará pouco impacto ambiental porque o sal separado do potássio em uma planta de processamento é devolvido ao subsolo.

READ  O CEO de um banco bilionário brasileiro corrupto perdeu o emprego, mas não o controlou

Reportagem de Anthony Bodle em Brasília e Ana Mano em São Paulo Edição de Brad Haynes e Nick Zieminski

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba

Anthony cobre a política brasileira desde 2012, quatro anos do presidente de direita Jair Bolsonaro, seguidos pela eleição apertada do presidente de esquerda Lula em 2022, e a turbulência que a democracia brasileira enfrenta. Ele fez reportagens do Chile sob o comando do general Pinochet e de Havana sob o comando de Fidel Castro. Ele também cobriu assuntos EUA-América Latina em Washington 1995-2002. Anthony possui mestrado em Política pela Universidade de Essex. Contato: 55 61 98204-1110