Maio 21, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Ondas de calor e desigualdades socioeconômicas no Brasil

Ondas de calor e desigualdades socioeconômicas no Brasil

Um novo estudo sugere que as ondas de calor agravam as disparidades socioeconômicas no Brasil, com mulheres, idosos, negros, pardos ou aqueles com menos escolaridade enfrentando um risco maior de morrer durante as ondas de calor. Jacinto Montero dos Santos, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil, e colegas apresentam as descobertas na revista de acesso aberto PLOS ONE em 24 de janeiro de 2024.

À medida que as mudanças climáticas avançam, as ondas de calor estão se tornando mais quentes, mais longas e mais frequentes em muitas áreas ao redor do mundo, incluindo o Brasil. As ondas de calor podem aumentar o risco de morte por doenças crónicas, como doenças cardíacas ou pneumonia. Pesquisas anteriores relacionaram as ondas de calor no Brasil a um risco aumentado de morte. No entanto, poucos estudos investigaram o papel dos fatores socioeconômicos e demográficos nas mortes relacionadas ao calor no Brasil.

Para ajudar a esclarecer, Monteiro dos Santos e colegas analisaram as taxas de mortalidade durante ondas de calor entre 2000 e 2018 em 14 grandes áreas urbanas do Brasil, representando um terço da população nacional.

Em linha com pesquisas anteriores, eles descobriram que o Brasil experimentou de três a 11 ondas de calor por ano na década de 2010, passando de zero na década de 1970 para três por ano. Entre 2000 e 2018, 48.075 mortes foram atribuídas a ondas de calor, sendo as causas de morte mais frequentes as doenças circulatórias, as doenças respiratórias e o cancro.

As taxas de mortalidade relacionadas às ondas de calor diferem entre as regiões geográficas do Brasil, o que está relacionado às conhecidas disparidades norte-sul relacionadas aos indicadores socioeconômicos e de saúde, incluindo a expectativa de vida. As taxas de mortalidade relacionadas às ondas de calor foram maiores entre mulheres, idosos, negros, pardos ou com menor escolaridade.

READ  Corporação Mirae Asset Global Investments Brazil muda seu nome para Global X Brazil

Os investigadores também descobriram que uma técnica chamada análise de vigilância baseada em eventos, que procura sinais emergentes em rumores nas redes sociais ou outras fontes, pode não ter conseguido fornecer um alerta precoce sobre elevadas taxas de mortes relacionadas com ondas de calor. Desastres negligenciados no Brasil.

As descobertas podem ajudar a informar os esforços para reduzir as mortes durante futuras ondas de calor. Mais pesquisas poderiam abordar algumas das limitações deste estudo, abrangendo um período de tempo mais longo, incorporando indicadores socioeconómicos e utilizando dados de mais de uma estação meteorológica para cada área urbana.

Os autores acrescentam: A onda de calor foi responsável por mais de 48 mil mortes em áreas urbanas do Brasil. As mulheres, as pessoas negras e pardas, os idosos e aqueles com baixos níveis de escolaridade são particularmente vulneráveis, reforçando a forma como as alterações climáticas induzidas pelo homem agravam as desigualdades socioeconómicas no país.

Nota do diário:

  1. Monteiro dos Santos D, Libonati R, Garcia BN, Geirinhas JL, Salvi BB, Lima e Silva E, et al. (2024) Desigualdades demográficas e sociais do século XXI na mortalidade relacionada ao calor em áreas urbanas brasileiras. PLoS UM 19(1): e0295766. DOI: 10.1371/journal.pone.0295766