Julho 2, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

‘Furacão de tragédia’: busca continua por casal desaparecido no Brasil apesar da esperança de evaporação | Brasil

Ao amanhecer, os homens se reuniram ao redor de uma fogueira, com membros de diferentes grupos tribais unidos na determinação de encontrar Bruno Pereira e Dom Phillips.

“Faremos todo o possível para encontrá-los. Não vamos desistir”, disse Fabrizio Ferreira Amorim, um dos advogados tribais que coordenam a última busca pelos dois desaparecidos.

Entre as duas dúzias de voluntários que se reuniram na selva naquela manhã estavam quatro povos indígenas da região Javari da Amazônia brasileira: Mayuruna, Marupo, Kanamari e Madis.

Cristova Negros, um guarda tribal sênior que trabalha com Pereira e deve ter viajado com eles no dia do desaparecimento, pediu aos voluntários que não perdessem a esperança.

“Estamos aqui para lutar pelo Bruno e para que não volte a acontecer”, disse Negro, acrescentando que o grupo se preparava para zarpar para o sétimo dia às margens do rio Itakui em busca da verdade sobre o que aconteceu ao jornalista britânico e brasileiro. Advogado tribal quando eles desapareceram na manhã de domingo passado.

Procure por Dom Phillips e Bruno Pereira na Amazônia brasileira. Foto: Tom Phillips / The Guardian

Armados com facas e rifles de caça, eles se dividiram em seis pequenas lanchas e seguiram para o sul, atravessando o rio, em direção ao local onde se acredita que os dois foram vistos pela última vez.

“Bruno queria nos proteger e nos ensinar como proteger nossos territórios”, disse Pinin Madis, um voluntário de 31 anos que colocou Pereira sob suas asas. “Agora queremos encontrar algo e protegê-lo.”

Uma semana depois do desaparecimento de Pereira e Phillips, quando eles voltaram de uma viagem de quatro dias para reportagem, todas as esperanças de Itakui de que eles estariam vivos haviam evaporado.

“Eles não estão mais conosco”, escreveu a sogra brasileira de Phillips, colaboradora de longa data do Guardian, no Instagram no sábado. “Suas almas estão entrelaçadas com as de muitos que deram suas vidas para proteger as florestas tropicais e os povos indígenas.”

Há também um entendimento crescente entre os grupos de voluntários indígenas de que Pereira e Phillips não podem ser trazidos vivos para casa.

Mapa

Nos últimos dias, à medida que o Guardian os persegue nas selvas da região, mais e mais voluntários se apresentam para se referir àqueles que desapareceram no passado.

No domingo, equipes de resgate anunciaram a descoberta de uma bolsa, laptop e um par de sandálias perto da casa ribeirinha de Amarildo da Costa de Oliveira, enquanto a Polícia dos Pescadores detinha e investigava os desaparecimentos.

“Foi um turbilhão de raiva e tristeza”, disse Luis Fernandez de Oliveira Neto, um especialista doméstico de 39 anos que fez parte da operação de busca.

No entanto, esse mal-estar não fez nada para entorpecer a determinação dos membros da equipe de busca. Todos conheciam Pereira e muitos conheceram Phillips nos dias anteriores ao desaparecimento.

“Ele me entrevistou e me perguntou o que estava acontecendo em Javari para que pudesse contar ao mundo sobre isso”, disse Tumi Madis, que faz parte do grupo de vigilância ambiental local conhecido pela sigla em português “Eve”.

A partir das 8h de sábado, a equipa partiu da sua “Base Eve” à beira-rio para explorar a sua mais recente zona de busca: as águas conhecidas como Lago do Priguisa ou Lago das Preguiças.

Ao longo do caminho, eles foram bombardeados com exemplos da imensa beleza natural que atraiu Pereira e Phillips para a Amazônia. As águas escuras, cheias de brincalhões botos cor-de-rosa, sobem de tempos em tempos à medida que os peixes perseguem. A riqueza das aves em espetaculares tons de branco, azul e vermelho.

Cerca de uma hora depois, um dos barcos desligou o motor quando viu algo estranho flutuando na água. “Cabete! Cabete!” Ele gritou para o barco – a palavra crocodilo na língua bano falada por seu povo.

A dez metros de distância, um jacaré morto jazia de bruços. As águias da festa atravessaram os galhos acima, assustadas ou talvez irritadas com a interrupção de sua comida.

A equipe procura Pereira e Phillips através de fita policial.
A equipe que procura Pereira e Phillips está perto da fita policial. Foto: Tom Phillips / The Guardian

Meia hora depois, dois policiais militares que viajavam com um grupo de indígenas para fazer a segurança encontraram outra coisa suspeita: um barco vermelho afundado. As autoridades examinaram para ver se havia algum vestígio dos dois, mas novamente nada foi encontrado.

Por mais três horas, a tripulação empurrou os igarabases para baixo – os canais estreitos e tortuosos só podiam ser acessados ​​por barcos ou outros pequenos barcos. Na floresta inundada, eles cortaram trepadeiras grossas e galhos espinhosos e apararam as unhas. Mas, de vez em quando, não há sinal de movimento humano além da rede de pesca, muito menos das duas que faltam.

A tarde trouxe notícias chocantes para a equipe de busca local de que eles passaram sete dias exaustivos procurando rios e florestas na área.

Enquanto se dirigiam para o rio para continuar a caçada, Pereira e Phillips emboscaram equipes forenses da Polícia Federal que vieram cobrir parte da margem do rio onde se acredita que o ataque tenha ocorrido.

Um investigador forense puxou uma fita amarela brilhante em torno dos espinhos de uma árvore semi-submersa. Atrás dela, os policiais tiraram uma foto de algo – talvez uma trilha ou objeto – na floresta.

No rio, batedores tribais grunhiram no local, onde a linha amarela brilhante da polícia atrás contrastava com os frutos vermelhos das árvores Munguba na floresta.

Leia a mensagem na aba “Polícia Federal”. “Não envie.”

Foi lançada uma campanha de crowdfunding em apoio às famílias de Dom Phillips e Bruno Pereira. Doar Aqui Em inglês ou Aqui Na língua portuguesa.

READ  Brasil está em negociações para comprar 150 milhões de vacinas Pfizer Covit-19 até 2022