Julho 2, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Crescimento do emprego no Brasil em fevereiro supera facilmente as expectativas

BRASÍLIA, 29 Mar (Reuters) – O Brasil criou 328.507 empregos formais líquidos em fevereiro, mostraram números do Ministério do Trabalho nesta terça-feira, bem acima das expectativas do mercado, em meio a dados positivos em todos os setores e uma contribuição substancial das atividades de serviços.

Economistas em uma pesquisa da Reuters previram que 210.000 empregos seriam criados na maior economia da América Latina no mês passado.

O número, no entanto, ficou abaixo dos 397.463 empregos criados em fevereiro de 2021, segundo dados ajustados.

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

O Ministério da Economia vem dizendo que a criação de empregos ajudaria a melhorar a economia em 2022, embora os analistas continuem prevendo um impacto negativo severo na atividade das taxas de juros de dois dígitos e da inflação alta.

Foram criados 215.421 empregos líquidos no setor de serviços em fevereiro, com a indústria ganhando 43.000. Foram criados 39.453 empregos líquidos na construção, 17.415 na agricultura e 13.219 no comércio.

Os números não incluem os quase 40 milhões de trabalhadores indocumentados do país, que não possuem registro formal de emprego.

O número de trabalhadores com carteira assinada subiu para 41,2 milhões em fevereiro, um aumento de 0,8% em relação ao mês anterior, informou o ministério.

Nos dois primeiros meses deste ano, foram criados 478.862 empregos líquidos, ante 651.756 no mesmo período do ano passado.

O salário médio mensal para novos empregos criados caiu 3,15% de janeiro para 1.879 reais (US$ 395,41), informou o governo.

($ 1 = 4,7520 reais)

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

READ  [PNC 2022] Brasil lidera ranking com 3 WWCDs no geral após o dia 2

Reportagem de Marcela Ayres; edição por Ed Osmond e Paul Simão

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.