Maio 20, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Brasil propõe mega fundo para proteger florestas na cúpula climática COP28

Brasil propõe mega fundo para proteger florestas na cúpula climática COP28

Uma árvore caída fica em uma área da floresta amazônica desmatada por madeireiros e agricultores perto de Porto Velho, província de Rondônia, Brasil, em 14 de agosto de 2020. REUTERS/Wesley Marcelino/Foto de arquivo Obtenha direitos de licenciamento

SÃO PAULO (Reuters) – O Brasil planeja propor um “grande” fundo para proteger as florestas tropicais na cúpula das Nações Unidas sobre mudanças climáticas COP28, que começa no final deste mês em Dubai, disse o principal negociador climático do país nesta quinta-feira. .

Esse potencial mecanismo de financiamento, anteriormente não anunciado, seria o mais recente numa proliferação de fundos ambientais multilaterais. No ano passado, os países concordaram em estabelecer um fundo gigante dedicado à biodiversidade e outro fundo para pagar pelos danos causados ​​pelas alterações climáticas.

O fundo canaliza dinheiro dos países ricos para os países pobres em desenvolvimento que, de outra forma, teriam dificuldade em pagar as suas iniciativas ambientais.

O Brasil é o maior país com floresta tropical do mundo e contém 60% da floresta amazônica. É considerado essencial para prevenir as alterações climáticas e proteger espécies vegetais e animais únicas.

De acordo com Andre Correa do Lago, principal diplomata climático do Brasil, o Brasil apresentou a ideia de um fundo de conservação da floresta tropical em uma reunião com ministros de outros sete países com floresta amazônica na quinta-feira.

“Esta é uma proposta conceitual que visa criar um fundo para ajudar a proteger as florestas tropicais em todo o mundo. Em 80 países”, disse Correa do Lago.

Ele disse que o plano não foi finalizado e que o Brasil está buscando apoio e aconselhamento de outros países com florestas tropicais.

READ  Futebol, comida, cultura: o atacante brasileiro do Real Caxemira, Tiago Adan, fala sobre a vida na Índia e jogando na I-League | Notícias de futebol

Questionado sobre se o fundo rivalizaria com os 100 mil milhões de dólares em financiamento anual anteriormente prometidos pelos países ricos no financiamento climático, Correa recusou-se a revelar o tamanho proposto do fundo de Lagos, mas disse que era “enorme”.

Tal como muitos programas existentes, o fundo não valorizará a protecção das florestas em termos de carbono, porque a protecção das florestas evitaria mais emissões de gases com efeito de estufa, em vez de absorver dióxido de carbono adicional já existente na atmosfera, disse Correa do Lago.

Ele disse que o valor estaria vinculado à área florestal medida em unidades de hectares ou 0,01 quilômetros quadrados (0,0039 milhas quadradas).

Uma proposta internacional para a conservação florestal será associada a um plano nacional para reflorestar áreas desmatadas.

Brasil lançará projetos do “Arco da Restauração” na COP28 para combater o desmatamento na Amazônia

O Banco Nacional de Desenvolvimento BNDES irá operar o esquema, disse ele.

O Brasil está de volta

Pouco depois de vencer as eleições, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou na cimeira climática da ONU do ano passado, COP27, que “o Brasil está a regressar” como líder ambiental internacional.

Este ano, ele apresentará como o Brasil está progredindo em todas as frentes ambientais, disse Correa do Lago, incluindo a redução do desmatamento da Amazônia ao seu nível mais baixo desde 2018 nos 12 meses até julho.

Oito países amazônicos estão debatendo um plano sobre a possibilidade de assumir um compromisso conjunto para acabar com o desmatamento até 2030, que já foi endossado pelo Brasil e outros.

Correa do Lago disse que o projeto está avançando, mas não quis dizer se o acordo poderia ser anunciado na COP28.

READ  Colômbia x Brasil Transmissão ao vivo: Como assistir às eliminatórias da Copa do Mundo online e na TV hoje à noite

Ele disse que Lula pressionaria fortemente para que o mundo redobrasse os esforços para limitar as mudanças climáticas a 1,5 graus Celsius (2,7 Fahrenheit) de aumento de temperatura, embora muitos analistas digam que é improvável que a meta seja alcançada. As temperaturas globais já aumentaram em média 1,2 graus Celsius.

Correa do Lago se recusou a dizer se o Brasil apoiaria a decisão da COP28 de “eliminar gradualmente” totalmente os combustíveis fósseis. Na última cimeira da COP, a China e a Índia, onde participaram quase 200 países, bloquearam essa linguagem, apelando apenas a uma “redução progressiva” dos combustíveis fósseis.

Reportagem de Jake Spring; Reportagem adicional de Lisandra Paraguassu; Edição de Diane Croft

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licenciamentoAbre uma nova aba

Jake Spring reporta principalmente sobre florestas, diplomacia climática, mercados de carbono e ciência climática. Baseado no Brasil, seu relatório investigativo sobre a destruição da floresta amazônica sob o ex-presidente Jair Bolsonaro ganhou o prêmio de Melhor Relatório na América Latina de 2021 do Overseas Press Club of America (https://opcofamerica.org/Awardarchive/the-robert-spiers -prêmio benjamin -2021/). Suas reportagens incisivas sobre a destruição ambiental do Brasil ganharam o prêmio Covering Climate Now e foram homenageadas pela Associação de Jornalistas Ambientais. Ele ingressou na Reuters em 2014 na China, onde atuou anteriormente como editor-chefe da China Economic Review. Ele é fluente em mandarim e português brasileiro.