Março 3, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

As soluções de classificação baseadas em sensores STEINERT ajudam a Ferbasa a seguir as práticas ESG no Brasil

As soluções de classificação baseadas em sensores STEINERT ajudam a Ferbasa a seguir as práticas ESG no Brasil

O uso da tecnologia de classificação baseada em sensores (SBS) permite que a Companhia de Ferro Ligas da Bahia (Ferbasa) evite processamento desnecessário ao pré-separar uma porção de material de alta qualidade da alimentação do processo metalúrgico, revelou um estudo de caso recente da STEINERT .

A Ferbasa está localizada em Ibueira, município do estado da Bahia, nordeste do Brasil. Opera uma das maiores minas de cromita do Brasil e é considerada pioneira no uso da tecnologia SBS, afirma a STEINERT. A empresa processa cromita obtida em mineração subterrânea, o material extraído é pré-concentrado por meio de tecnologia de triagem que utiliza sensores e depois utilizado na produção de ligas de aços especiais.

Com capacidade de processamento de 12 Mt/ano, a empresa utiliza triagem baseada em sensores há 10 anos, em um processo completamente seco que separa resíduos de cromita de alto teor.

O Diretor de Mineração da Ferbasa, Eriberto Nascimento Light, disse que a capacidade de evitar processamento desnecessário, separando antecipadamente uma porção do material de alta qualidade da alimentação do processo metalúrgico usando SBS, elimina a necessidade de qualquer processamento adicional. Dessa forma, partículas economicamente inviáveis ​​e apenas materiais valiosos submetidos a etapas de concentração subsequentes são removidos precocemente do processo.

Na Ferbasa, o uso da tecnologia SBS aumentou a produtividade, além de reduzir custos nos processos subsequentes.

“Hoje, na Ferbasa, a tecnologia de triagem baseada em sensores nos permite adotar práticas ESG, reduzir desperdícios, aumentar a produtividade e contribuir para a conservação dos recursos naturais”, afirma Nascimento.

Hoje em dia não só o minério é extraído, mas também as reservas contêm quantidades significativas de cromo. O tratamento dessas reservas se dá graças à automação do processo e aos seus altos níveis de eficiência, que chegam a até 180 t/h. O tratamento de estoques tem potencial para aumentar a produtividade na mineração. Em termos de utilização de recursos, existe potencial para redução do consumo de água, energia e reatores químicos porque o SBS é um processo de separação a seco, ao contrário de outros processos de pré-concentração, como a separação de meios densos.

READ  Leonardo DiCaprio e Cate Blanchett vão ao Green Carpet Fashion Awards

A Ferbasa sempre utiliza um processo de pré-concentração com o objetivo de separar o minério granulado com alto teor de cromita do minério de baixo teor que vai para a planta de concentração. No entanto, este foi um processo de separação manual. Bartolomeu Fonseca, ex-gerente de implementação da Ferbasa, descobriu um artigo sobre tecnologia de classificação baseada em sensores da STEINERT. Em 2012, ele produziu materiais para serem enviados para testes no Centro de Testes e Desenvolvimento da STEINERT na Alemanha, e estes foram considerados bem-sucedidos.

em um sistema de pré-concentração de cromita STEINERT KSS XT L

Há dez anos, quando o primeiro equipamento foi instalado, os funcionários da Ferbasa estavam céticos quanto à sua capacidade de suportar condições adversas na mina. É por isso que a STEINERT Latinoamericana, uma subsidiária da STEINERT GmbH na Alemanha, ofereceu um “contrato de teste e compra”. Ao longo dos anos, foi verificado o alto nível de confiabilidade do equipamento, resultando na primeira unidade ainda hoje em operação, com um total de 34 mil horas de operação.

“Em retrospectiva, utilizar a tecnologia não foi fácil, mas decidi ir em frente porque acreditava que a tecnologia seria útil”, diz Fonseka. “Agora que já me aposentei, tenho muito orgulho do legado que deixei para a empresa. Tive total apoio do Wanderley Linz, diretor da mina na época, mas era minha responsabilidade executá-lo.

Em 2014, durante a operação do primeiro sistema de triagem, um STEINERT XSS-T, a STEINERT Latinoamericana iniciou uma parceria com a Ferbaza.

Além disso, a STEINERT conta atualmente com uma equipe de 30 colaboradores atendendo diversos clientes de mineração na América Latina e um centro de testes próximo ao escritório no Brasil, ajudando os clientes locais a realizar testes com maior comodidade e eficiência.

READ  A Glencore resolveu acusações de corrupção e suborno nos Estados Unidos, Reino Unido e Brasil.

A Ferbasa iniciou a operação de seus primeiros equipamentos em 2014. Em 2019, já foram instaladas seis unidades para processamento de minas e reservas de baixo teor.

A produção se beneficia da flexibilidade dos sistemas de classificação que produzem resíduos, materiais pré-concentrados e materiais de alta qualidade. As capacidades de processamento são de até 120 t/h para partículas de 1-3 (25-76 mm), chegando a até 180 t/h para partículas de 2-5. Com base nos tamanhos processados, a combinação de sensores permite a separação de partículas de até 5 polegadas; Um recurso que a STEINERT afirma reforçar a resistência e a eficiência das ferramentas para detectar e evacuar partículas muito grossas. No geral, as recuperações atingem valores de até 90%, com melhorias que variam de 1,5 a 3 vezes a dose de ração.

Atualmente, a Ferbasa utiliza a tecnologia SBS para processar 100% das minas, utilizando duas unidades, o STEINERT XSS T e o STEINERT KSS. XT L, em um processo de duas etapas. Na primeira etapa, são descartados os resíduos e, na segunda, são criados produtos pré-concentrados e de alta qualidade. O material de alta qualidade atende às especificações de conteúdo para ser enviado a uma planta metalúrgica, enquanto o material pré-concentrado é enviado para outra planta para passar por outros procedimentos de concentração. Além disso, a tecnologia é utilizada no processamento de reservas de baixo teor por meio de dois STEINERT KSS | Unidades XL – que combinam um sensor de transmissão de raios X com três opções de sensores adicionais (indução, laser 3D e colorido) – separam resíduos, material pré-concentrado e material de alta qualidade em duas etapas. Como resultado, as reservas de baixo teor são processadas de forma economicamente viável e com maiores ganhos de sustentabilidade.

READ  EOLOS e OceanPact unem forças para energia eólica offshore no Brasil