Maio 24, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Acionistas da mineração protestam contra a reforma tributária do Brasil

Acionistas da mineração protestam contra a reforma tributária do Brasil

A reforma tributária recentemente aprovada pelos legisladores brasileiros e que será implementada em breve não recebeu aplausos das partes interessadas do setor de mineração.

Embora o governo federal e alguns sectores industriais argumentem que a reforma irá simplificar a complexa estrutura fiscal do país, as preocupações crescem entre os municípios que actualmente beneficiam das operações mineiras. Estes municípios temem uma potencial perda de receitas, enquanto as próprias empresas mineiras temem a possibilidade de as autoridades estatais imporem impostos adicionais.

De acordo com a Associação dos Municípios Mineiros de Minas Gerais (AMIG), as cidades que atualmente dependem das receitas das operações de mineração correm o risco de perder 2,5 mil milhões de reais (510 milhões de dólares) anualmente devido a alterações no imposto sobre o valor acrescentado a nível estadual, o ICMS.

“De acordo com nossa pesquisa na AMIG, nos municípios envolvidos, as mudanças propostas podem resultar em uma perda de até 90% da receita tributária do ICMS”, disse Rosien Seebra, consultor tributário da AMIG, em comunicado.

Apesar destes desafios, a associação continua confiante em persuadir os legisladores a apoiar alterações específicas à reforma fiscal que foram aprovadas. Vários aspectos da reforma deverão ser esclarecidos em regulamentos específicos a serem aprovados nos próximos meses.

“A reforma fiscal, se aprovada tal como está, impossibilitaria a governação destes municípios, criaria um verdadeiro caos económico e social, teria consequências muito negativas para o sector mineiro e aumentaria a pressão internamente. [municipalities] Até a facilidade de exploração do seu território pode ser questionada”, disse José Fernando Aparecido de Oliveira, presidente da AMIG e prefeito da cidade de Conceição do Mato Dendro, em nota.

Mas os municípios não são os únicos preocupados com as consequências da reforma; Existem vários aspectos nas alterações legislativas que aumentam o risco de os governos estaduais imporem impostos adicionais ao sector mineiro.

READ  As pessoas mais ricas do Brasil (9 de abril de 2023)

Paulo Honório de Castro Júnior, chefe de assuntos tributários do escritório William Freire Advocados e presidente da associação mineira de direito tributário IMDT, conversou com o BNamericas sobre alguns aspectos específicos da reforma tributária na perspectiva dos stakeholders da mineração.

BNamericas: O governo e alguns setores da economia afirmam que o principal mérito da reforma tributária é a redução da burocracia e o menor valor que as empresas gastam no tratamento de questões tributárias, mas afirmam que não há indícios de tributação. reduções. Você concorda com essa afirmação?

Castro Jr.: Considerando todos os setores da economia, de forma geral, estamos falando de quatro tributos, PIS/Cofins, IPI, ICMS e convertidos em ISSQN, IBS, CBS e tributos selecionados. Impostos.

Especialmente para os produtores de mercadorias em alguns estados, estamos a falar de uma troca de quatro por quatro porque, juntamente com os novos impostos, os estados também têm novos poderes para criar impostos sobre bens primários e semiprocessados ​​destinados a infra-estruturas. Finanças e Habitação.

Por um lado, essas mudanças reduzirão a burocracia com obrigações adicionais. Por outro lado, teremos, sem dúvida, grandes disputas sobre a interpretação de vários pontos, que encherão os tribunais de novos casos.

Ou seja, sim, deveria haver uma melhoria no tempo necessário para cumprir as obrigações, mas não, isso não significa simplificação porque haverá mais complexidade devido a novas disputas de interpretação.

BNamericas: Na sua opinião, quais são os setores que vão ganhar e perder com esta reforma tributária?

Castro Jr.: Sem dúvida, o perdedor é o sector mineiro, que aumentará os impostos com um imposto selectivo sobre a extracção e impostos estatais sobre produtos primários e semi-acabados, ambos os quais podem ser cobrados sobre as exportações. O sector do petróleo e do gás também sairá a perder pelas mesmas razões.

READ  Fabinho ajuda a estabelecer novo recorde com Alisson de fora para o Brasil - Liverpool FC

Para o sector agrícola, dependendo se os mesmos impostos – imposto selectivo sobre a extracção e imposto estatal sobre bens primários e semi-processados ​​- são cobrados, a carga fiscal pode aumentar, embora existam regimes específicos para insumos agrícolas, alimentos. e cestas básicas.

Dependendo de como o IBS e o CBS ausentes em geral forem implementados, a indústria poderá ser uma grande vencedora. Ao garantir todos os empréstimos, sim, o sector será beneficiado.

BNamericas: Um artigo de reforma criticado pela indústria mineira por permitir que os governos estaduais criassem impostos sobre sectores extractivos como a mineração foi mantido numa votação recente pela câmara baixa do Congresso? Que impacto isso terá na indústria?

Castro Jr.: O texto definitivo não foi publicado, mas tudo indica que foi mantido. O impacto será inflacionário, pois a mineração está intimamente ligada a outros setores no Brasil. Isto criará aumentos de preços em cadeia na construção civil, agricultura, indústria, automóveis, etc.

Além disso, devido à competição por minerais estratégicos para a transição energética, a indústria mineira está actualmente a receber incentivos fiscais em todo o mundo, pelo que os investimentos do sector mineiro irão acumular-se. Estamos indo contra a corrente do mundo.