Maio 24, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

A precisão do novo programa de TV brasileiro sobre o herói do período do Holocausto foi questionada

JDA – Uma série dramática histórica que estreou no Brasil no domingo, tardiamente reconhece uma mulher apelidada de “Anjo de Hamburgo” por suas ações durante o Holocausto.

Intitulado “Passaportes para a Liberdade”, produzido pela empresa de mídia sul-americana Globo e Sony Pictures, ampliou a história pouco conhecida de Arasi de Carvalho, o orgulhoso salvador de muitos judeus enquanto trabalhava na embaixada brasileira em Hamburgo até 1942.

Mas dois respeitados historiadores brasileiros consideram a história um exagero, argumentando que ele seguiu ordens enquanto de Carvalho estava na embaixada e que não havia risco pessoal na emissão de vistos permanentes para judeus alemães fugitivos.

Como trabalhador consular, de Carvalho ajudou pelo menos cinco famílias judias a fugir em 1938-1939, facilitando sua partida para o Brasil, de acordo com seu arquivo no Museu do Holocausto Yacht Washem, em Israel. Em 1982, o museu a reconheceu como um homem justo entre as nações – um título para não judeus que arriscaram suas vidas para salvar judeus. Ela morreu em 2011.

Os historiadores Fábio Koifman e Rui Afonso contestaram sua afirmação em um livro publicado este ano intitulado “Judeus no Brasil: História e História”.

Em entrevistas nos dias que antecederam o lançamento da série, o casal gerou um debate na mídia brasileira sobre o legado dela. De Carvalho não falou muito sobre o que fez na vida, mas tem ganhado um reconhecimento cada vez maior nos últimos anos.

“As evidências mostram que não há heroína nesta história”, disse Koefmann à versão em português do site da BBC nesta semana. A polêmica em torno das ações de Carvalho foi parte da “criação de um mito”, disse Koifman ao site de notícias OUL.

READ  Fortes chuvas no sudeste do Brasil obrigaram mineradoras a suspender operações

Coifman disse à BBC que de Carvalho não tinha autoridade para emitir vistos, que não incluíssem seu nome ou assinatura. As publicações não apresentaram indícios de falsificação e foram entregues de acordo com a política oficial brasileira. Todos os vistos foram assinados pelo cônsul Joaquim Antonio de Souza Ribeiro ou pela sua mulher, João Guimares Rosa, que conheceu de Carvalho na embaixada e depois se casou com ele.

Os historiadores escrevem que todos os vistos foram emitidos de acordo com a política de vistos regulamentar do governo brasileiro.

Em 19 de abril de 2020, um guarda-costas de Yat Washem no salão vazio dos nomes no Museu Memorial do Holocausto de Yat Washhem em Jerusalém. (Jonathan Sindel / Flash 90)

Como muitos outros países, o Brasil introduziu restrições à imigração, destinadas a impedir o influxo de refugiados judeus da Europa. De acordo com alguns historiadores, as autoridades no Brasil eram particularmente discriminatórias contra os futuros imigrantes judeus.

Na década de 1930, o governo brasileiro exigiu que os requerentes depositassem uma quantia substancial em seu banco nacional. Expulsou muitos judeus alemães de judeus da Europa Oriental atingidos pela pobreza e de bens já roubados pelos nazistas.

De Carvalho estava envolvido na obtenção de vários vistos de turista para judeus que saíam da Alemanha. Os vistos foram fundamentais para seus aviões de fuga, mas os historiadores argumentam que de Carvalho agiu como seu governo esperava e representou pouco risco pessoal.

Notícias agendadas a laser para Yom Hashova ou Holocaust Memorial Day em 11 de abril de 2018 nos edifícios do Congresso Nacional em Brasília, Brasil. (Fotos Publicas de Roque de Sá / Agência Senado)

“Pode-se dizer que houve boa vontade ou outro motivo para a emissão desses vistos, mas não há evidências de que assim seja”, escreveram Kaifman e Afonso em seu livro.

READ  Brasil quer avançar com concessões de irrigação

Apenas os boatos de que Carvalho havia retirado a letra J dos passaportes alemães dos requerentes foram escritos por historiadores. “Jay estava em todos os passaportes”, disse Koefman à BBC.

Muitas das pessoas que ajudaram de Carvalho testemunharam sobre suas ações para Yat Vashem, que confiou nesses testemunhos e a reconheceu como justa nas nações. Mas os historiadores escrevem que os vistos emitidos para essas pessoas, incluindo uma mulher chamada Margaret Levy, mencionada no dossiê do Yat Washem sobre de Carvalho, não apresentavam irregularidades por parte da embaixada. Eles chamam de “um erro” o reconhecimento de Yat Vazquez de Carvalho de ser um homem justo entre a nação.

“Essas situações em que os mitos são criados ocorrem quando a memória não está associada à história”, escreveram eles em seu livro.

Os criadores do show defenderam sua história.

“Abordamos os incontáveis ​​testemunhos de sobreviventes que falaram com grande emoção sobre o que ouviram de seus pais, avós e bisavós”, disse Mario Dixiera à OUL. Ele citou “a pesquisa mais aprofundada” feita por Yat Washem.

Yad Vashem não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre as questões levantadas por Koifman e Afonso.

Você é serio. Nos agradecemos!

É por isso que trabalhamos todos os dias – para fornecer a leitores exigentes como você notícias sobre Israel e o mundo judaico.

Então agora temos um pedido. Como outros meios de comunicação, não aceitamos Pay. Mas, como o jornal que fazemos é tão caro, convidamos os leitores que se tornaram importantes para o Times of Israel a se associarem. The Times of Israel Community.

READ  Retomada da partida entre Brasil e Argentina: final da Copa América no sábado Por que assistir Neymar x Messi TV

Enquanto desfruta do The Times of Israel, você pode ajudar nossa revista de qualidade por US $ 6 por mês Livre de publicidade, Bem como acesso a conteúdo exclusivo disponível apenas para membros da comunidade do Times of Israel.

Junte-se a nossa comunidade

Junte-se a nossa comunidade

já é um membro? Faça login para parar de assistir