Setembro 27, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Toyota Brasil vai trocar um hilux por sua safra se você for agricultor


A Toyota está expandindo um serviço no Brasil, que permite aos agricultores trocar suas safras por um novo veículo.

O Toyota Border foi apresentado pela primeira vez em 2019 como um projeto piloto por uma montadora japonesa e agora foi expandido para nove estados em todo o Brasil. A montadora afirma que 16% de suas vendas já vêm de clientes do agronegócio, então isso vai ampliar esse número e permitir um melhor atendimento aos clientes.

“O Toyota Border começou como um projeto piloto em 2019, por isso é o primeiro canal de vendas no Brasil a aceitar grãos na compra de automóveis”, disse Jose Luis Rinc ான் n Bruno, gerente de vendas diretas da Toyota no Brasil. “Agora, temos a oportunidade de oficializar essa facilidade para o agronegócio, ampliar a presença da Toyota e contribuir de forma significativa com um dos principais setores econômicos do nosso país”.

Leia também: Não foi possível entregar uma Polestar 1? Eles vão trocar você por uma obra de arte (não, sério)

Os compradores em potencial podem comercializar muitas safras feitas no Brasil, como milho e soja, e agregar valor de mercado a grãos ou leguminosas.

Apenas os compradores do Hilux, SW4 SUV e Corolla Cross estão atualmente trocando veículos. Atualmente, eles estão disponíveis em concessionárias específicas, por meio de equipes especializadas, mas a empresa já disse que quer ampliar ainda mais o serviço.

“O agronegócio é um mercado altamente competitivo e, por meio da Toyota Border, temos sido capazes de fornecer uma instalação única para os fabricantes que sempre veem a Hilux como um objetivo pessoal ou para seus negócios”, disse Fabrizio Masaya, vice-presidente administrativo de negócios e operações, NovaAgry. . “Estamos trabalhando para expandir ainda mais nossa presença no Brasil.”

READ  Análise: O óleo combustível com baixo teor de enxofre do Brasil é maior do que seus equivalentes da Latom na Ásia