Maio 21, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

O Brasil está contrariando a tendência dos VEs ao mudar para biocombustíveis

O Brasil está contrariando a tendência dos VEs ao mudar para biocombustíveis

Os veículos elétricos estão liderando o caminho na descarbonização da indústria automobilística global, mas o Brasil está defendendo fortemente o bioetanol. Alguns dos maiores nomes do ramo estão aderindo.

“Abasteci com etanol”, diz um motorista com quem conversamos em um posto de gasolina em São Paulo no início de outubro. “Eu adoro porque é derivado de plantas, ecológico e fácil de guardar.”

O Brasil tem campos da commodity em todos os lugares – combustível derivado da cana-de-açúcar.

Além do mais, este ingrediente possui excelentes credenciais verdes. Os carros movidos a bioetanol emitem dióxido de carbono, que é então absorvido pela cana-de-açúcar que o recebe.

O etanol está em segundo lugar na lista de um posto de gasolina em São Paulo.

Muito mais barato que o gás

A partir de 5 de outubro, um litro de gasolina no Brasil custava 6,3 reais, ou cerca de US$ 1,25. Mas o bioetanol custa cerca de 40% menos, pouco mais de 75 centavos.

O Brasil fez sua primeira incursão no bioetanol durante a crise do petróleo da década de 1970. O país dependia fortemente de combustíveis importados e cambaleava sob o peso do aumento dos preços.

Em meados da década, o governo lançou uma campanha “pró-álcool” com o objetivo de aumentar a produção de fontes energéticas nacionais. Mas no final dos anos 90, a situação mudou quando uma grande quantidade de campos de petróleo foi descoberta na costa do país.

O bioetanol aparentemente teve o seu dia, mas em 2003 começou um renascimento com os chamados carros flex. Estes veículos funcionam com gasolina e bioetanol ou uma mistura de ambos.

Desde então a procura aumentou. Atualmente, os veículos movidos exclusivamente a gasolina representam apenas 2% do mercado brasileiro. A participação dos carros flex é de 77%.

READ  Final da turnê de celebração de Madonna na praia de Copacabana, Brasil
Uma usina de etanol no estado de São Paulo

Gigantes automobilísticos migraram para o mercado

Esses números não passam despercebidos por algumas das maiores montadoras do mundo.

Em março de 2023, a Stellandis, empresa europeia proprietária de marcas como Fiat e Peugeot, anunciou planos para uma estratégia de bioetanol no Brasil.

Stellandis anunciou planos para uma nova estratégia de bioetanol em março.

Em julho, a alemã Volkswagen deu continuidade ao plano de investir cerca de um bilhão de dólares até 2026 para desenvolver novos modelos Flex para o mercado sul-americano.

Os grandes rebatedores do Japão também estão interessados.

A Honda Motor fabrica atualmente três carros Flex no Brasil. A empresa introduziu pela primeira vez a tecnologia de biocombustível em seus modelos Civic e Fit no país em 2006.

Um dos novos modelos flex da Honda é o HR-V

Desde 2019, a japonesa Toyota Motor produz o veículo “Flex Hybrid” em uma fábrica perto de São Paulo. As vendas aumentaram cinco vezes nos quatro anos desde o lançamento do carro, e a empresa planeja adicionar outro modelo no próximo ano.

Inoue Masahiro, gerente geral da Toyota na América Latina, conversa com a NHK.

“Introduzimos um sistema híbrido que melhora a eficiência de combustível em 30 a 40 por cento, e os clientes brasileiros o aceitaram além das expectativas”, diz Inoue Masahiro, gerente geral da divisão latino-americana da Toyota.

A fabricante japonesa Nissan também está desenvolvendo um veículo com célula de combustível que gera eletricidade a partir do etanol. As autoridades dizem que o limite de viagens é equivalente ao dos carros movidos a gasolina.

Ricardo Abe, chefe de tecnologia da Nissan no Brasil, está otimista com as perspectivas de expansão. “Todo posto aqui tem etanol”, diz. “Os EUA, a Tailândia e a Índia também são grandes produtores, por isso esta tecnologia tem um enorme potencial global.”

Protótipo de veículo com célula de combustível e-bio da Nissan Motor

Ambientalistas estão preocupados

Mas alguns grupos ambientalistas estão a levantar questões sobre a sustentabilidade. Eles salientam que a produção de bioetanol consome grandes quantidades de água e descarrega o excesso de fertilizante na terra e no mar.

READ  Eletrobras do Brasil registra queda de 45% no lucro líquido do 2º trimestre

Temem que o aumento da produção conduza a uma redução da área cultivada com milho e outras culturas, e a um aumento dos preços dos alimentos.

Autoridades do governo brasileiro querem dissipar essas preocupações. O cultivo da cana-de-açúcar representa menos de um por cento da vasta área terrestre do Brasil, dizem eles. Eles também introduziram restrições de zoneamento, incluindo a proibição da floresta amazônica.

O especialista em veículos flexíveis Erwin Franik fala com a NHK.

O Brasil é uma exceção na mudança global para veículos elétricos, e alguns especialistas dizem que isso se deve ao tamanho do país. Em suma, a instalação de estações de carregamento de veículos elétricos suficientes pode custar uma fortuna – e isso só aumenta o apelo do bioetanol.

“Os biocombustíveis são para o Brasil o que o petróleo é para a Arábia Saudita”, diz Erwin Franieck, presidente da organização sem fins lucrativos SAE4Mobility da indústria de mobilidade. “A produção pode ser triplicada ou quadruplicada em poucos anos, não só para o mercado interno, mas também para exportação”.

Para isso, as sementes já estão sendo plantadas. Na cimeira do G20, em Setembro, o Brasil, os Estados Unidos e a Índia anunciaram uma importante aliança de biocombustíveis envolvendo 19 países. O grupo pretende promover a produção sustentável nos próximos anos.