Julho 2, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Como a homofobia tornou o número 24 um tabu no futebol brasileiro

São Paulo (AFP) – As camisas de futebol estão por toda parte no Brasil louco por futebol, muitas vezes com os números das lendas de todos os tempos do país: 9 de Ronaldo, 10 de Pelé, 11 de Romário.

Mas um número está fora dos limites: 24, o foco de um tabu homofóbico cuja história de origem é uma louca montanha-russa por mais de um século de história brasileira, terminando com o presente – mas lentamente mudando – atitudes anti-gay que grande importância no futebol hoje.

A história do tabu 24 remonta a 1892, quando o fundador do primeiro zoológico do Brasil, Barão João Batista Viana Drummond, inventou uma maneira criativa de consertar suas finanças problemáticas: uma loteria chamada “o jogo do bicho” (o jogo do bicho). ).

Os visitantes do zoológico do Rio de Janeiro recebiam uma estatueta de animal, e todos os dias a equipe do barão selecionava aleatoriamente um dos 25 animais, com prêmio em dinheiro para todos que possuíssem aquela estatueta.

O jogo logo explodiu, quando empreendedores de raciocínio rápido imprimiram cartões de bingo com os 25 animais e começaram a vender tiros em diferentes jackpots.

O jogo foi proibido três anos depois, mas já havia se tornado uma instituição brasileira – e continua sendo hoje, dirigido por uma máfia ligada a alguns dos maiores negócios do Brasil: política, carnaval, música… e futebol.

O 24º quadrado da carta de jogo é um veado, ou “veado” – uma palavra usada como um insulto homofóbico em português, aparentemente porque os veados são vistos como femininos e às vezes se envolvem em relações homossexuais.

E é por isso que os jogadores masculinos do Brasil temem o número 24.

READ  Exposição Nigéria, Brasil, Marcha de Desenvolvimento Cultural | The Guardian Nigéria Notícias

“É uma loucura quando você pensa sobre isso, porque é apenas um número como qualquer outro. Mas definitivamente há um tabu”, disse Bernardo Gonzales, ativista LGBTI e jogador do time de futsal masculino trans Sport Club T Mosqueteiros, em São Paulo.

Ele disse que alguns brasileiros até evitam 24 anos quando escolhem um lugar no cinema, alugam um apartamento ou completam 24 anos – dizendo que são 23 + 1.

“Os jogadores de futebol preferem usar outro número, porque não querem que ninguém questione sua masculinidade”, disse ele à AFP.

‘Aqui não’

Na primeira divisão masculina brasileira, apenas quatro das 20 equipes atualmente têm a camisa 24. Três são jovens jogadores em seus primeiros contratos profissionais.

“Acho importante que todos os clubes incluam (o número)”, disse um deles, Kevin Malthus, meio-campista de 19 anos do Santos.

“É apenas um número que acabou com esse preconceito homofóbico em torno dele. Mas alguns grandes atletas o usaram, como Kobe Bryant”, disse ele ao site de notícias UOL.

O maior nome do futebol brasileiro a usar o número atualmente é Victor Cantillo, meio-campista internacional colombiano que ingressou no Corinthians, clube de São Paulo, em 2020.

Cantillo causou agitação quando chegou ao Brasil ao decidir manter o número 24, que usava em seu clube anterior, o Junior.

“Não 24, não aqui”, disse o então diretor de futebol do Corinthians, Duilio Monteiro Alves.

O comentário desencadeou uma reação generalizada e uma campanha que viu vários jogadores – incluindo uma das maiores estrelas do Brasil, o atacante do Flamengo Gabigol – usar o número para uma partida.

O goleiro Brenno, visto aqui em abril de 2021, é um dos poucos futebolistas brasileiros a vestir a camisa 24 Nathalia Aguilar PISCINA / AFP / Arquivo

Mas a polêmica continua.

READ  Desmatamento no Brasil bate segundo recorde consecutivo

O grupo de direitos LGBTQ Arco-Íris recentemente levou o Flamengo ao tribunal por excluir o camisa 24 de seu elenco para uma copa sub-20 em São Paulo no mês passado.

Os promotores disseram que seria difícil provar um “motivo discriminatório”, e o caso foi arquivado.

Jogador de outro time do torneio, o ala do América Mineiro Jurandir, vestiu o número 24 – e rendeu cânticos homofóbicos.

‘Símbolo de resistência’

“Apesar de todas as críticas e movimentos sociais, não tem sido suficiente” para erradicar o tabu, disse o sociólogo Rodrigo Monteiro, da Universidade Federal Fluminense.

“O futebol ainda é um espaço muito masculino.”

A polêmica poupou em grande parte a seleção brasileira, já que a maioria dos torneios internacionais permite apenas 23 jogadores e exige números sequenciais.

Vestir a camisa 24 pode atrair insultos homofóbicos
Vestir a camisa 24 pode atrair insultos homofóbicos Dhavid NORMANDO AFP / Arquivo

Mas no ano passado, quando o caos do Covid-19 levou os organizadores da Copa América a permitir equipes de 28 jogadores, o Brasil foi o único país a não registrar o número 24.

A Arco-Iris também levou o caso ao tribunal, chamando a medida de “homofóbica”.

A Confederação Brasileira de Futebol disse que a decisão foi baseada em “considerações esportivas” e o caso foi arquivado.

Por outro lado, o número 24 é usado regularmente no futebol feminino brasileiro e muito popular em times LGBTQ.

“É um símbolo de resistência”, disse Gonzales – ele próprio com o número 24.