Maio 20, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

O Brasil encontrou um desconto maior para cargas de diesel entregues de origem nos EUA em relação à Rússia

Os importadores brasileiros encontraram novamente um desconto de 15-20 centavos/kl no diesel russo e norte-americano em setembro, onde o spread diminuiu semanas depois e os volumes russos vacilaram.

Os compradores brasileiros pediam um desconto de 6 a 8 centavos em meados de agosto, o que não era suficiente para superar sanções ou dificuldades no trato com navios russos. Mas nessa altura os preços globais do gasóleo tinham ultrapassado o limite máximo de 100 dólares por barril nas exportações russas, um reflexo da invasão da Ucrânia por Moscovo em Fevereiro de 2022.

As estimativas futuras líquidas de origem norte-americana para ULSD enviado para Paranaguá subiram para US$ 135,36/b em 25 de agosto, abaixo dos US$ 130,41/b em 1º de setembro em relação a 25 de janeiro, de acordo com a Platts, parte da S&P Global Commodities. Inteligência.

Em 1º de setembro, a Platts apresentou uma nova estimativa de carga TAP de todas as origens para o sul do Brasil, bem como seu diferencial para os futuros ULSD da NYMEX e seu spread para os contratos futuros líquidos de origem dos EUA, o que poderia capturar o desconto cada vez mais evasivo da Rússia para o diesel no aparente Brasil. mercado à vista. A Platts fixou ambos os spreads em menos 16 centavos/kl em 1º de setembro.

“São como mercados paralelos”, disse uma fonte do mercado. “Existe diesel limpo e existe diesel russo. É uma loucura. Compradores e vendedores mudam muito.

Eles disseram que sua previsão antes do recente aumento de preços era que os produtos dos EUA e da Rússia seriam negociados em pé de igualdade até o final do ano. “Há muita demanda por produtos russos. Qualquer um está comprando o máximo possível, então o desconto vai cair”, disse ele, mas disse que o spread aumentou novamente porque “respeitar o teto de preço iria distorcê-lo”.

READ  Fluminense vence o Internacional e avança à final da Copa Libertadores

O Brasil importou grandes volumes de diesel da Rússia em 2023, encontrando um novo lar para as exportações depois que seu escoamento europeu secou.

Grandes e pequenas empresas brasileiras começaram a comprar diesel russo porque o diesel da Costa do Golfo dos EUA, tradicional fonte de abastecimento externo do Brasil, estava fortemente descontado. O desconto é de 25-30 centavos/kl na primavera e cerca de 20 centavos/kl na maior parte do verão.

Dados de embarque da S&P Global Commodities at Sea mostraram que as importações brasileiras de ULSD russo atingiram 21 milhões de barris de janeiro a setembro de 2023, em comparação com 444.000 barris em 2022. As importações de ULSD de origem norte-americana caíram para 18,6 milhões de barris até agora em 2023. milhões por oito meses a partir de 2022.

O Brasil importa 25% do seu diesel e, durante a maior parte do verão, cerca de 80% veio da Rússia, confirmaram fontes. O Brasil é o segundo maior destino atrás da Turquia por carregar mais de 100.000 b/d de gasolina russa – incluindo um recorde de 163.000 b/d em junho – caindo 45.000 b/d a cada semana até 18 de agosto. CAS disse em 28 de agosto. O movimento se recuperou para 102.000 b/d.

O limite de preços global e a política de preços local podem levar à volatilidade
Em maio, a grande petrolífera brasileira Petrobras adotou uma nova política de preços para o diesel e a gasolina nacionais, abandonando a política de paridade de importação que estava em vigor desde 2016. A nova política centra-se no aumento do custo dos melhores fornecimentos alternativos aos clientes, nas margens das empresas e na quota de mercado. Os preços globais do diesel subiram inesperadamente 25,8% em 16 de agosto para fechar os postos domésticos.

READ  Foco em Cuidados com o Cabelo, Cuidados com a Pele, Produtos para Banho e Chuveiro, Produtos de Maquiagem e Cosméticos de Cor, Fragrâncias e Desodorante

Analistas da S&P Global disseram que a Petrobras tentou equilibrar os imperativos políticos e financeiros, mas também manter os preços globais. “Eles teriam um grande golpe e sabiam disso”, disse o analista Felipe Perez.

A ação da Petrobras levou ao dobro da volatilidade, já que o diesel ultrapassou o teto de preço russo, sendo negociado 30 centavos/galão e 7 centavos abaixo dos futuros NYMEX ULSD.

Ao mesmo tempo, o desconto está a diminuir, reduzindo ainda mais os custos adicionais de manuseamento e mistura do diesel russo, e não há benefício, disseram as fontes. Os grandes importadores também se esquivaram ao tentar compreender o sentimento das sanções e os riscos legais.

“Há muitas empresas… que não estão comprando acima da faixa de preço”, disse a fonte do mercado. “Então, o comércio russo diminuiu muito.”

Os analistas da S&P Global prevêem que o spread poderá diminuir até 2023 e que as importações de diesel da Rússia e dos EUA para o Brasil acabarão por se igualar.

Embora a Rússia tenha reivindicado uma quota de mercado significativa, fontes esperam que a América Latina continue a registar fortes exportações de produtos refinados pelo USGC porque é mais acessível e politicamente mais seguro para os países comprarem.

“Acho que há um risco de disponibilidade de diesel russo”, disse Perez, acrescentando que os EUA poderiam facilmente preencher qualquer lacuna. “Com a Rússia, tudo depende das refinarias em funcionamento.”
Fonte: Apartamentos