Maio 23, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Inundações no Brasil: previsão de piora no sul

Inundações no Brasil: previsão de piora no sul

Eldorado do Sul, Brasil (AP) – Fortes chuvas começaram a cair no já inundado estado do Rio Grande do Sul no sábado, deixando muitas das pessoas pobres restantes com menos meios para se deslocarem para áreas menos perigosas.

De acordo com um boletim da tarde de sexta-feira do Instituto Meteorológico Nacional do Brasil, até 15 centímetros (quase seis polegadas) de chuva podem cair no fim de semana e as enchentes podem piorar. Ele também disse que há uma grande chance de os ventos se intensificarem e os níveis de água subirem dentro e ao redor da capital do estado, Porto Alegre, e dentro e ao redor da Lagoa dos Pados.

Moradores descansam em abrigo temporário para pessoas cujas casas foram inundadas pelas fortes chuvas em Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil, quarta-feira, 8 de maio de 2024. (AP Photo/Carlos Macedo)

A partir da tarde de sábado, fortes chuvas atingiram as regiões Norte e Centro do estado e o nível das águas subiu.

Carlos Sambayo, 62 anos, mora em uma comunidade de baixa renda em Porto Alegre, próxima ao estádio do Grêmio. Sua casa de dois andares também funciona como bar de esportes.

Embora o primeiro andar tenha sido inundado, ele disse que não iria embora, temendo saqueadores no bairro de alta criminalidade, onde a polícia carrega rifles de assalto nas ruas inundadas. Mas Sampaio não tem para onde ir, disse ele à Associated Press.

“Analiso o quão seguro estou e sei que meus pertences não estão seguros”, disse Sambayo. “Até que eu lute pelo que é meu, lutarei dentro das minhas capacidades para não me revelar.”

READ  Teresina e Natal, Brasil, locais de templos

Pelo menos 136 pessoas morreram e 125 estão desaparecidas nas inundações que começaram na semana passada, disseram autoridades locais na sexta-feira. As chuvas incessantes deslocaram mais de 400 mil pessoas, das quais 70 mil se abrigaram em ginásios, escolas e outros abrigos temporários.

“Vim aqui na segunda-feira – perdi meu apartamento na enchente”, disse Matthias Vicari, motorista de Uber, de 32 anos, dentro de um abrigo onde está hospedado com seu filho. “Não tenho passado muito tempo aqui. Estou tentando pensar em outra coisa.

Alguns moradores do Rio Grande do Sul encontraram refúgio em segundas residências, incluindo Alexandra Janela, coproprietária de uma agência de conteúdo em Porto Alegre.

Janela e o seu parceiro ofereceram-se como voluntários quando as cheias começaram, mas optaram por partir após frequentes cortes de energia e água. Ele foi até a cidade litorânea de Capão da Canoa – até então não afetada pelas enchentes – onde a família do companheiro tem uma casa de veraneio.

“Andamos com minha cunhada, pegamos nossos dois gatos, minha mãe e a amiga dela e chegamos aqui em segurança. Saímos de Porto Alegre uma bagunça”, disse Janela, 42, à AP por telefone. “Está muito claro que quem tem o privilégio de sair está em uma posição muito segura e quem mora nas áreas mais pobres de Porto Alegre não tem escolha”.

O clima em toda a América do Sul é afetado pelo fenômeno climático El Niño, um fenômeno natural que aquece periodicamente as águas superficiais no Pacífico equatorial. No Brasil, o El Niño causa historicamente secas no norte e chuvas extremas no sul, e este ano os efeitos foram particularmente severos.

Os cientistas dizem que condições meteorológicas extremas são frequentemente causadas por alterações climáticas causadas pela queima de combustíveis fósseis que libertam emissões de gases com efeito de estufa que provocam o aquecimento global, e concordam em grande parte que o mundo deve reduzir drasticamente a queima de carvão, petróleo e gás para conter o aquecimento global. .

Mas também são necessárias respostas de política social, disse Natalie Unterstel, presidente do Talanoa, um think tank de política climática com sede no Rio de Janeiro.

“Uma resposta eficaz às mudanças climáticas no Brasil requer o combate às desigualdades”, disse Unterstel.

No Brasil, os pobres muitas vezes vivem em casas construídas com materiais menos resistentes, como a madeira, e em áreas não controladas e vulneráveis ​​a condições climáticas extremas, como áreas baixas ou encostas íngremes.

“Não podemos dizer que o pior já passou”, disse o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Light, nas redes sociais na sexta-feira. No início do dia, ele estimou que seriam necessários 19 bilhões de reais (3,7 bilhões de dólares) para reconstruir o estado.

A escala do desastre pode ser comparável à do furacão Katrina, que atingiu Nova Orleans em 2005, escreveu Sergio Vale, economista-chefe da MB Associates, em nota na sexta-feira.

O Rio Grande do Sul tem o sexto maior PIB per capita entre os 26 estados e distritos federais do Brasil, segundo o Instituto Nacional de Estatística. A maior parte da população do estado descende de imigrantes italianos e alemães.

“No imaginário popular, o povo do Rio Grande do Sul é visto como branco e rico, mas isso não é verdade”, disse Marilia Clos, pesquisadora do think tank climático CIPO Platform. “Dissipar esta ficção é fundamental porque ela é construída com uma agenda política” para destruir residentes negros e pobres, disse ele.

Em Canoas, um dos municípios mais afetados do estado, a casinha de madeira de Paulo Cesar Wolf, com todos os seus pertences, ficou submersa. O caminhoneiro negro agora mora na traseira de um caminhão emprestado com seus seis vizinhos, que ali cozinham, comem e dormem.

Wolff, 54 anos, queria sair da zona rural onde mora desde criança, mas não tem para onde ir e não quer deixar os filhos de quatro anos para trás.

“É tarde demais para alguém como eu ir para outro lugar”, disse Wolff, enquanto estava em uma rodovia vestindo um moletom doado.

O Departamento Meteorológico prevê que a chegada do ar frio e seco reduzirá as chances de chuva a partir de segunda-feira. Mas na quarta-feira, as temperaturas cairão drasticamente e ficarão congelantes. É úmido e hipotérmico para quem não tem eletricidade.

Celebridades, incluindo a supermodelo gaúcha Gisele Bündchen, estão compartilhando links e informações sobre onde e como doar para ajudar as vítimas das enchentes. Igrejas, empresas, escolas e cidadãos comuns em todo o país estão a unir-se para oferecer apoio.

A Agência das Nações Unidas para os Refugiados distribui cobertores e colchões. Está enviando suprimentos adicionais, como abrigos de emergência, kits de cozinha, cobertores, luz solar e kits de higiene, de seus estoques no norte do Brasil e em outras partes da região.

Na quinta-feira, o governo federal do Brasil anunciou um pacote de 50,9 bilhões de reais (US$ 10 bilhões) para trabalhadores, beneficiários de programas sociais, empresas estaduais e municipais, empresas e produtores rurais do Rio Grande do Sul.

No mesmo dia, a Força Aérea Brasileira lançou de paraquedas mais de duas toneladas de alimentos e água em áreas inacessíveis devido a estradas bloqueadas. A Marinha enviou três navios para socorrer as vítimas, entre eles o porta-aviões multiuso Atlantic, considerado o maior navio de guerra da América Latina. Chegou ao litoral do estado no sábado.

Os Estados Unidos enviaram 20 mil dólares para kits de higiene pessoal e materiais de limpeza e fornecerão mais 100 mil dólares em assistência humanitária através de programas regionais existentes, disse o porta-voz de segurança nacional da Casa Branca, John Kirby, na sexta-feira.

___

Eleanor Hughes reporta do Rio de Janeiro.

___

A cobertura climática e ambiental da Associated Press recebe apoio financeiro de diversas fundações privadas. A AP é a única responsável por todo o conteúdo. Encontre o AP padrões Para trabalhar com filantropos, listas de apoiadores e áreas de cobertura financiadas AP.org.