Março 3, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Ossos de 2.000 anos no Brasil lançam luz sobre a árvore genealógica da sífilis

Ossos de 2.000 anos no Brasil lançam luz sobre a árvore genealógica da sífilis

A origem das doenças treponémicas, um grupo desagradável de doenças que inclui a sífilis e a bouba, tem sido um mistério de longa data que tem sido calorosamente debatido durante décadas. Graças a um novo estudo, quatro corpos humanos pré-históricos descobertos no Brasil adicionaram recentemente uma peça intrigante ao quebra-cabeça.

Cientistas da Universidade de Zurique conseguiram colocar as mãos em genes antigos. Treponema pálido Bactérias de uma coleção de restos humanos pré-históricos encontrados no Brasil. Com cerca de 2.000 anos, são os mais antigos que se sabe terem sido reconstruídos T. pálido cepas por mais de 1.000 anos.

As cepas foram obtidas de restos humanos encontrados em Jabuticabeira II, na região de Laguna, em Santa Catarina, no litoral brasileiro. Entre os muitos corpos encontrados no local, pelo menos quatro indivíduos estavam infectados pela doença treponêmica.

Usando técnicas genéticas avançadas, a equipe conseguiu reunir e reconstruir seus genomas. T. pálido Bactérias que os infectam.

Estas pessoas podem não ter contraído sífilis venérea, uma doença sexualmente transmissível. Existem três subespécies T. pálidoCada um deles causa uma doença diferente: bouba, bejal e sífilis.

A análise dos genomas indica que a bactéria está mais intimamente relacionada com a subespécie moderna que causa Bejal, também conhecida como sífilis endémica não venérea, que causa feridas na pele e nos ossos.

No entanto, esta pesquisa pode lançar alguma luz sobre subespécies T. pálido Bactérias que causam a forma de sífilis sexualmente transmissível.

“Com a datação por relógio molecular, pode-se esclarecer a evolução de uma espécie calculando o tempo que levou para ela divergir completamente. T. pálido Família e subespécies diferenciais. A partir desses cálculos, verifica-se que as cepas causadoras da sífilis venérea evoluíram posteriormente às cepas causadoras de Bejal. Verena Schoonmandisse o autor do estudo do Instituto de Medicina Evolutiva da Universidade de Zurique ao IFLScience.

“Temos agora uma ideia de que as doenças treponémicas existiam na América pré-colombiana e até subespécies podem ser identificadas. Embora ainda não possamos rastrear a origem da subespécie de sífilis venérea, isso mostra que outras subespécies, como as estirpes que causam Bejel, desempenharam um papel papel importante no passado e deve ser integrado a essas teorias”, acrescentou.

Mais importante ainda, o estudo mostra evidências claras de que as doenças treponémicas existiam nas Américas antes da colonização europeia.

No entanto, não está claro como eles chegaram aqui. Talvez T. Pálido Pode ter-se originado aqui nas Américas através de uma propagação zoonótica local ou pode ter sido trazido da Eurásia durante os primeiros assentamentos humanos nas Américas.

Dada a prevalência global da sífilis, a mais conhecida de todas as doenças treponémicas, pensa-se que as tripulações que viajaram com Cristóvão Colombo colonizaram as Américas no final do século XV e “misturaram-se” com as populações locais e trouxeram a bactéria de volta à Europa. . O primeiro surto documentado de sífilis ocorreu em 1495 DC, quando Carlos VIII do exército francês contraiu a doença durante uma invasão de Nápoles.

Embora as evidências da doença treponêmica na América pré-colombiana pareçam apoiar esta teoria, Trabalhos anteriores dos pesquisadores Naquele dia T. pálido As tensões no início da Europa moderna sugerem o oposto: T. Pálido A família pode ter percorrido o mundo antes mesmo de Colombo pôr os pés nas Américas.

“A presença de uma doença treponêmica na América do Sul pré-histórica e a consequente datação do relógio molecular em tempo divergente Treponema pálido família (12.000-550 aC) sugere que a família bacteriana já havia se espalhado globalmente ou surgido nas Américas em tempos pré-contato”, explicou Schoonman.

READ  West Ham paga 40 milhões verbalmente por 'revelação' brasileira, sua posição

“Não podemos apoiar uma das duas opções com base nestes resultados. No entanto, se levarmos em conta estudos anteriores, existem três heterogeneidades principais diferentes. T. Pálido As linhagens que encontramos na Europa dos séculos XV-XVII parecem provavelmente ser da família bacteriana. [was] Já era difundido em todo o mundo antes mesmo de Colombo navegar para as Américas”, concluiu.

O estudo está publicado na revista Natureza.