Maio 22, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

‘O Brasil continuará a ser um centro global para execução de projetos’

‘O Brasil continuará a ser um centro global para execução de projetos’

Aker Solutions, SLB (anteriormente Schlumberger) e Subsea 7 formaram recentemente uma joint venture para fornecer soluções submarinas integradas para a indústria de petróleo e gás.

Batizada de Onesubea, a nova empresa (70% SLB, 20% Aker Solutions e 10% Subsea 7) é especializada em sistemas de produção submarinos (SPS) e umbilicais, risers e flowlines submarinos (SURF).

Nesta entrevista ao BNamericas, Maria Peralta, VP global de SPS da Onsupsia, enfatiza que a aliança entre os três principais fornecedores do setor permitirá mais agilidade no desenvolvimento de projetos offshore.

Ele também destacou oportunidades no Brasil e nos países vizinhos Guiana e Suriname.

BNamericas: O que motivou a criação de uma joint venture entre Aker Solutions, SLB e Subsea 7?

Peralta: A JV compreende as divisões offshore da Aker Solutions e SLB. Temos um parceiro financeiro, a Subsea 7. A participação deste último é a Subsea Integrated Alliance, uma aliança global não afiliada à Onesubsea, que permitirá à nova empresa oferecer soluções mais integradas, incluindo EPCI. [engineering, procurement, construction and installation].

O objetivo básico é continuar a apoiar os nossos clientes e desenvolver soluções que permitam gerar energia disponível, sustentável e acessível do ponto de vista financeiro.

Ele disse que o desenvolvimento de petróleo e gás deveria ser cada vez mais ativo. Além disso, ao unirmos forças, acreditamos que teremos um portfólio tecnológico que fornecerá aos nossos clientes soluções tecnológicas que os ajudarão a reduzir o tempo de arranque, a produzir de forma eficiente, a reduzir as emissões de CO2 e a apoiá-los na sua transição energética. .

BNamericas: Tanto a Aker Solutions quanto a Onesubse já tinham portfólios de equipamentos offshore muito fortes. Qual o ganho em termos de complementaridade com a formação da JV?

Peralta: A complementaridade é real, e posso citar exemplos como soluções de sistemas tradicionais de produção submarina envolvendo equipamentos como compressão e processamento submarino, umbilicais e árvores de natal molhadas, manifolds.

READ  6 pessoas morreram em enchentes devido ao mau tempo que atinge o Brasil

A Aker Solutions é particularmente eficaz em suas soluções tecnológicas para grandes campos de gás seco quando a compressão submarina é crítica para tornar o gás viável.

Um legado marítimo [the company that existed before the JV, without Aker Solutions] Oferece melhor experiência em campos pequenos e gás úmido.

Em conexão com a SPS, a Aker Solutions desenvolveu tecnologias padrão para árvores de Natal verticais legadas no Mar do Norte e, posteriormente, em todo o mundo. Onesupsee fez algo semelhante para árvores horizontais.

Ao contrário da Acre Solutions, a OneSupsea não possui cordão umbilical.

E a entrada da Subsea 7, através da Subsea Integrated Alliance, automaticamente nos permite oferecer soluções totalmente integradas, incluindo EPCI.

BNamericas: Quais são as oportunidades de negócios no Brasil?

Peralta: O mercado brasileiro é muito estratégico para a Onesubse. Já investe aqui há décadas em duas empresas legadas, a Subsea 7, tanto na fabricação de equipamentos quanto em serviços, além de recursos humanos.

A formação da JV não mudará nosso foco no Brasil. Queremos continuar sendo parceiros de nossos clientes aqui e esperamos crescer no país. Nosso plano é de crescimento.

BNamericas: Você ainda vê potencial no pré-sal, com descobertas levando a campos como Dubeys e Peugeots, apesar das taxas de sucesso geoespacial reduzidas em comparação com aquelas vistas no passado?

Peralta: Certamente continuaremos investindo para atender às demandas dos projetos já sancionados e contratados nos próximos leilões.

Embora ainda não existam novos campos como Tupi e Búzios, temos soluções técnicas que podem apoiar os nossos clientes, não só na fase de exploração, mas também na fase de produção e na manutenção de ativos, garantindo que as reservas estejam disponíveis ao máximo. recuperado.

READ  Por que dois projetos térmicos no Brasil estão sob pressão ambiental

Para a Onsupsia, é importante ressaltar que o Brasil não é o único mercado brasileiro. É também um centro global para os mercados internacionais. Clientes como TotalEnergies, Chevron e BP fazem parte do nosso portfólio, com Equinor e Aker BP operando aqui ou em outros hubs globais. O Brasil continuará a ser um centro global de implementação de programas para o mundo. Também desenvolvemos novas tecnologias aqui.

BNamericas: Quais são os principais mercados da JV na América Latina?

Peralta: O Suriname é certamente muito importante. Temos uma relação de longa data com a TotalEnergies e este é definitivamente um mercado em que apostamos. E com a Onesubea, podemos fazer parceria para apoiar esse cliente. Será necessário um esforço significativo porque é um país em desenvolvimento, mas possui reservas significativas.

BNamericas: E a Guiana?

Peralta: Afinal, a Guiana está com a ExxonMobil. Já fizemos negócios com essa petroleira, basicamente na área de umbilicais e perfuração.

BNamericas: Voltando ao Brasil, quais operadoras além da Petrobras vocês atendem?

Peralta: A Petrobras é o maior cliente e continuará sendo, mas estamos trabalhando com outras operadoras menores e independentes, como TotalEnergies, Enauta e Trident Energy, para fornecer produtos e serviços que garantam que seus projetos maduros continuem a produzir.