Maio 22, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Incêndios florestais no Brasil ameaçam onças-pintadas, casas e vegetação nas maiores áreas úmidas tropicais do mundo

Incêndios florestais no Brasil ameaçam onças-pintadas, casas e vegetação nas maiores áreas úmidas tropicais do mundo

Eles falaram muito em breve.

Nas primeiras duas semanas de Novembro, os incêndios alimentados por um clima excepcionalmente seco e quente destruíram quase 770.000 hectares (1,9 milhões de acres) das maiores zonas húmidas tropicais do mundo, mostram números preliminares da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Isso é responsável por 65% dos danos causados ​​​​pelo incêndio na região este ano.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil encontrou 3.380 incêndios no Pantanal nos 17 dias desde novembro, em comparação com apenas 69 no mesmo período do ano anterior.

Segundo o World Wildlife Fund, o Pantanal abriga milhares de espécies de flora e fauna, incluindo 159 mamíferos. Durante a estação chuvosa, os rios transbordam, inundando a terra e tornando-a acessível apenas por barco e avião. Durante a estação seca, os entusiastas da vida selvagem se aglomeram para observar as onças brincando casualmente ao longo das margens dos rios, junto com macacos, jacarés e capivaras.

Grande parte do parque Encodro das Águas, localizado na divisa dos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul – conhecido por sua grande população de onças-pintadas – passou do verde esmeralda para o marrom escuro. Uma equipe de jornalistas da Associated Press que estava no local viu uma grande onça lambendo as patas na margem do rio, deitada em um leito de vegetação carbonizada.

“Se isso continuar todos os anos, não haverá mais (onças), eles desaparecerão, encontrarão uma saída como as pessoas e correrão para a cidade”, disse Leôncio da Silva, de 53 anos. Morador do parque. “Isso vai acabar.”

READ  EXCLUSIVO: EUA pretendem proibir o desmatamento brasileiro, acrescentando força à luta climática

As onças-pintadas do parque, que cobre mais de 1.000 quilômetros quadrados (400 sq mi), acostumaram-se à observação humana e são uma atração popular do ecoturismo há mais de 15 anos. A sua conservação numa região e nos seus habitats naturais é essencial.

Bombeiros, tropas e voluntários trabalham dia e noite para apagar o incêndio, que ameaça não só a rica fauna e flora da região, mas também habitações e pousadas turísticas.

E nenhum alívio a curto prazo da chuva.

“É muito diferente”, disse Renata Liponati, que coordena o sistema de alerta de incêndios do Pantanal da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A temporada de incêndios geralmente termina em outubro, quando o ar fica mais úmido e a chuva começa a cair. “O que estamos vendo é uma extensão da temporada de incêndios”.

Uma onda de calor que atingiu grande parte do Brasil esta semana, combinada com um fenômeno El Niño, levou a altas temperaturas e tempo seco, ambos favoráveis ​​a incêndios, disse Libonati.

Bombeiros e autoridades da região do Pantanal enfrentam um pesadelo logístico.

O estado de Mato Grosso do Sul lançou uma força-tarefa conjunta no dia 14 de novembro, mobilizando toda a frota do estado para ajudar os bombeiros, seja colocando água nas fogueiras ou transportando bombeiros para os locais mais remotos da região. Foi declarado estado de emergência nos quatro municípios mais afetados pelos incêndios florestais, com parques e áreas protegidas particularmente em risco.

READ  Lula criticou o dólar americano e o FMI durante visita à China

O estado vizinho, Mato Grosso, disse que reforçou sua força de trabalho com cerca de 200 bombeiros federais e estaduais. O secretário estadual do Meio Ambiente disse que mais 6,4 milhões de reais (US$ 1,3 milhão) seriam investidos na região.

Incêndios graves foram relatados em torno das principais vias de acesso aos biomas, ou em uma área classificada de acordo com as espécies que vivem naquela área. Vídeos compartilhados nas redes sociais mostraram um carro percorrendo a rodovia BR-262, em chamas de cada lado, como se estivesse passando por um corredor de fogo.

A fumaça espessa do incêndio reduziu a visibilidade nesta semana, a Polícia Rodoviária Federal fechou a BR-262 em determinado momento e um pequeno avião particular caiu, ferindo quatro pessoas. Os bombeiros disseram que os esforços de resgate também foram prejudicados pela falta de visibilidade.

Alguns ficaram frustrados com a resposta aparentemente lenta das autoridades.

Anderson Barretto, um veterinário de 25 anos de Porto Joffre, um pequeno município próximo ao ponto de encontro do Parque das Águas, disse que os pedidos de ajuda dele e de outros colegas semanas atrás ficaram sem resposta até que fosse tarde demais.

“Nós alertamos muitas vezes sobre os incêndios”, disse Barretto, acrescentando que as pessoas disseram que eram muito cautelosas. “Quando o incêndio não era tão grande, deveria ter sido gasta mais energia. Hoje está completamente fora de controle”.

Quando não está resgatando animais de incêndios, Barretto ajuda os bombeiros a apagar incêndios. Os impactos são “imensuráveis”, disse ele.

Incêndios ocorrem com frequência no pantanol e a vegetação pode se regenerar rapidamente com chuvas. Mas quando os incêndios são demasiado intensos ou atingem áreas com florestas mais densas, a vida selvagem sobrevivente fica sem habitat.

READ  BRF propõe aumento de capital de US $ 1,2 bilhão, mercado vê possível movimento da Marfrig

Os incêndios deste ano não foram tão dramáticos como os de 2020, quando as chamas consumiram mais de 3,5 milhões de hectares de zonas húmidas, ou cerca de 30% do pantanol, matando e ferindo inúmeros animais, incluindo onças.

Do seu ponto de vista, Barretto disse que os pequenos répteis e anfíbios foram as principais vítimas da tragédia deste ano.

“São vítimas invisíveis, mas são a base da cadeia para o equilíbrio deste ecossistema”, afirmou o jovem veterinário.

___

Acompanhe a cobertura climática e ambiental da AP em https://apnews.com/hub/climate-and-environment