Setembro 26, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Brasil enviará tropas de volta à Amazônia para combater o desmatamento

BRASÍLIA, Brasil (AP) – O presidente Jair Bolzano assinou nesta segunda-feira um acordo para enviar soldados brasileiros à Amazônia com o objetivo de conter o aumento do desmatamento.

O despacho, publicado no Diário Oficial do país, prevê que até o final de agosto os jogadores tenham partido para o Pará, Amazonas, Matteo Grosso e Rondônia. Não forneceu detalhes sobre o número de soldados a serem usados ​​ou o custo operacional.

O vice-presidente Hamilton Morrow disse a repórteres no início deste mês que a terra poderia ser estendida para além de dois meses com o advento da estação seca, quando as pessoas queimam florestas para destruir terras.

O desmatamento na Amazônia tem aumentado há muitos anos, mas aumentou desde a eleição de Bolsanaro em 2018., Apelou repetidamente para o desenvolvimento de florestas tropicais. A devastação gerou protestos internacionais e, mais recentemente, o governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, instando o Bolsanaro a reprimir o registro ilegal..

Esta é a terceira vez que Bolzano envia tropas para a Amazônia, após dois desdobramentos da “Operação Brasil Verde”, a mais recente delas encerrada em abril. Milhares de soldados estiveram envolvidos em cada missão. Ainda assim, ambientalistas dizem O exército estava mal preparado e de baixa eficiência.

Segundo dados oficiais, até 2020, o desmatamento na Amazônia brasileira atingiu níveis não vistos desde 2008.

98,9% do desmatamento teve indícios de ilegalidade, realizado próximo a nascentes, em áreas protegidas ou sem a devida autorização, segundo dados divulgados neste mês por uma rede de organizações sem fins lucrativos, universidades e empresas de tecnologia que fazem levantamento do uso do solo brasileiro. O painel concluiu que o órgão regulador ambiental do Brasil impôs multas em 5% dos casos.

Marcio Astrini, secretário executivo do Laboratório do Clima, uma rede de entidades ambientalistas sem fins lucrativos, chamou a recente implantação militar de uma “fumaça” que permitiria ao governo dizer que está combatendo o desmatamento. A iniciativa de sucesso anterior, em grande parte financiada pelos governos norueguês e alemão, foi suspensa desde 2019.

READ  Governo de Mato Grosso no Brasil visa atividades ilegais de mineração

“O governo buscou uma série de medidas que simplesmente destroem a capacidade de vigilância do estado, como impedir as penalidades ambientais”, disse Astrini. Ele também disse que o regulador parou de destruir as máquinas usadas para registros ilegais.

O plano de Bolsanaro de enviar soldados está chegando aos Estados Unidos. A gestão clama pela prevenção do desmatamento na Amazônia para ajudar a prevenir as mudanças climáticas. Embora o país o tenha feito na virada do século, Bolzano disse que o Brasil não tinha recursos para fazê-lo por conta própria.

Os Estados Unidos deixaram claro que só estarão dispostos a contribuir quando o Brasil registrar avanços sólidos, dos quais ainda não há sinais. As negociações entre os Estados Unidos e o Ministério do Meio Ambiente do Brasil foram paralisadas, com três funcionários do governo brasileiro falando anonimamente à Associated Press por falta de autoridade para falar publicamente.

A decisão de enviar tropas é em parte uma prova das boas intenções do governo para os Estados Unidos, acrescentou um funcionário.

Em 23 de junho, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salas, anunciou sua renúncia. Ele renunciou ao cargo em meio a duras críticas à sua posse e duas investigações sobre suas ações em relação às atividades madeireiras ilegais. Ele negou todas as transgressões.