Maio 22, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Biocombustíveis para um futuro comum

Biocombustíveis para um futuro comum

Este artigo foi publicado originalmente no Fórum, The Edge Malaysia Weekly de 23 de outubro de 2023 – 29 de outubro de 2023

O mundo enfrenta uma necessidade urgente de reduzir colectivamente as emissões, à medida que garantimos o acesso à energia para os nossos povos num ambiente de procura crescente. A tarefa é tão complexa e urgente que a única forma de a resolver é através da cooperação. Precisamos de reunir os principais intervenientes e partes interessadas – governos, intervenientes privados, mundo académico. Precisamos trabalhar juntos e pensar juntos.

O Brasil percorre o caminho dos biocombustíveis há quase cinco décadas e acredito que temos uma história para contar, uma experiência para compartilhar. É uma história que pode desempenhar um papel e ajudar no esforço coletivo mundial em direção a um futuro próspero e de baixo carbono.

O Brasil tem um desejo renovado de maior cooperação e diálogo com os estados membros da ASEAN sobre este tema. A recém-criada Parceria de Diálogo Setorial Brasil-ASEAN fornece uma estrutura promissora para fortalecer nossas relações, inclusive no setor de bioenergia.

No nível multilateral, o Brasil também está envolvido em iniciativas importantes, como a Parceria Global de Bioenergia (GBEP) e a Plataforma BioFuture, que ajudam a garantir um lugar para a bioenergia no debate global sobre transições energéticas. Temos orgulho de ser o primeiro país a liderar a Plataforma BioFuture, que agora faz parte do Ministério de Energia Limpa.

O Brasil – junto com Argentina, Bangladesh, Índia, Itália, Ilhas Maurício, Cingapura, Emirados Árabes Unidos e Estados Unidos – é membro fundador da Aliança Global de Biocombustíveis (GBA), que foi lançada durante a cúpula do G20 em Nova Delhi, em setembro. . Acredito que esta iniciativa contribuirá significativamente para o crescimento do mercado global de biocombustíveis. Os países do Sul Global podem desempenhar um papel importante neste mercado promissor. Encorajo os países da ASEAN a considerarem a adesão ao ACP.

READ  Brasil-Argentina sobre a ideia de uma moeda comum

Não existe uma solução única quando se trata de conversão de energia. O Brasil acredita que cada país pode escolher os caminhos tecnológicos que melhor se adequam às prioridades e realidades nacionais em seus esforços para descarbonizar o setor energético e avançar em direção a uma economia de baixo carbono ou neutra em carbono.

No Brasil, mais de 85% da matriz elétrica e 48% da energia total correspondem a uma variedade de fontes limpas e renováveis. Estes resultados foram alcançados através de tecnologias adaptadas autóctone, tirando partido das nossas realidades nacionais.

Tenho orgulho de dizer que os formuladores de políticas energéticas do Brasil nunca negligenciaram a bioenergia. Pelo contrário, a bioenergia moderna e sustentável é a fonte de energia limpa mais importante do nosso país, correspondendo a quase um terço do fornecimento total de energia. A experiência brasileira demonstra que os biocombustíveis modernos e sustentáveis ​​podem ser uma solução competitiva. Graças aos biocombustíveis, o Brasil evitou queimar 2,5 bilhões de barris de petróleo nessas cinco décadas. Graças aos biocombustíveis, o Brasil é o segundo maior produtor de empregos verdes do mundo.

Na nossa experiência, a produção e utilização de biocombustíveis depende fortemente de um ambiente propício – por outras palavras, depende de políticas públicas. Através de um programa de bioenergia inovador e único chamado RENOVABIO, o Brasil adotou uma estrutura legal que criou as condições para metas de redução de emissões e negociou créditos de carbono para mitigar as emissões no setor de mobilidade. Planejamos agora expandir este programa para biocombustíveis de segunda geração, como combustíveis de aviação sustentáveis, biometano, biodiesel, diesel verde e bioquerosene de aviação.

Espero que a troca de experiências nacionais contribua para a produção e utilização de biocombustíveis no Sudeste Asiático. Estamos geograficamente distantes, mas partilhamos muitas características sociais, económicas e ambientais. Graças a estes pontos em comum, acredito que a nossa história sobre biocombustíveis será de interesse para a Malásia. Assim como o Brasil, a Malásia reconhece a importância de desenvolver uma estratégia de bioenergia abrangente, sustentável, inteligente e em grande escala.

READ  Salto Verde, Brasil

Durante a nossa próxima presidência do G20 e como anfitrião do Ministério de Energia Limpa no próximo ano, o Brasil continuará a iluminar este debate. A bioenergia é crucial para os países em desenvolvimento, pois ajuda a criar empregos de alta qualidade, a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, a trazer crescimento às zonas rurais e a aumentar a segurança energética.

Tal como salientam a Agência Internacional de Energias Renováveis ​​e a Agência Internacional de Energia (AIE), sem a utilização da biomassa, o mundo não alcançará os seus objectivos climáticos. O apelo da AIE para que o mundo triplique o seu fornecimento de bioenergia moderna até 2050 é possível desde que existam políticas, estruturas, tecnologia, financiamento e boas práticas adequadas.

O Brasil espera trabalhar com a Malásia nessas questões.


Embaixador Mauro Vieira é Ministro das Relações Exteriores do Brasil

Economize assinando-nos para obter sua cópia impressa e/ou digital.

P/S: Edge também está disponível neste Loja de aplicativos da Apple E Google Play para Android.