Maio 22, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Golfinhos estão morrendo na Amazônia brasileira à medida que a temperatura da água aumenta

Golfinhos estão morrendo na Amazônia brasileira à medida que a temperatura da água aumenta

jogar

Mais de 100 golfinhos foram encontrados mortos na floresta amazônica do Brasil na semana passada, em meio a uma seca severa e temperaturas de água quentes, segundo relatos.

O Instituto Mamirava para o Desenvolvimento Sustentável, financiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil, encontrou golfinhos mortos no Lago Tefé nos últimos sete dias. CNN relatou. De acordo com a CNN, os pesquisadores acreditam que a mortalidade em massa está relacionada à atual seca na Amazônia e ao recente clima de três dígitos.

“Ainda é cedo para determinar a causa deste evento extremo, mas segundo nossos especialistas, está definitivamente ligado ao período de seca e à alta temperatura do Lago Tefé, que em alguns pontos ultrapassou os 39 graus Celsius (102 graus Fahrenheit). )”, disse a agência à agência de notícias.

Além da mortalidade dos golfinhos, Guardião Milhares de peixes também morreram no Lago Tefé.

O Rio Amazonas é a maior hidrovia do mundo e sua bacia está ligada à floresta amazônica, conhecida por sua rica biodiversidade, lar de milhões de espécies.

Mas a actividade humana e as condições meteorológicas extremas na região levantaram preocupações ambientais. O estado do Amazonas declarou uma emergência ambiental em setembro em resposta à seca histórica e lançou um plano de resposta de 20 milhões de dólares.

“O mês passado em Tefé parecia um cenário de ficção científica de mudança climática”, disse Daniel Trejitko, um pesquisador britânico que vive na área, ao The Guardian. “Ver botos cor de rosa regularmente é uma das grandes bênçãos de viver no coração da floresta amazônica. … É triste saber que uma pessoa morreu, mas saber que esta seca matou mais de 100 pessoas e ver as pilhas de cadáveres. Uma tragédia.”

READ  Um plano para perfurar petróleo no estuário do rio Amazonas foi rejeitado pelo regulador ambiental do Brasil

‘Desastre Desastre’: Estudo relaciona mudanças climáticas e inundações devastadoras que mataram milhares de pessoas

Milhões de pessoas podem ser afetadas

Cerca de 500 mil pessoas poderão ser afetadas pela seca até o final do ano, disseram autoridades brasileiras. Muitos residentes e povos indígenas já lutam para ter acesso a bens essenciais, como alimentos e água.

O principal meio de transporte na região são as hidrovias, mas a seca prolongada resultou em níveis historicamente baixos dos rios. A seca também afectou a subsistência de muitas comunidades ribeirinhas através da pesca.

A agência de proteção civil do estado do Amazonas disse num comunicado em setembro que as autoridades distribuiriam alimentos e água e kits de higiene pessoal para ajudar as comunidades. Segundo o governador do Amazonas, Wilson Lima, os diversos níveis de governo apoiarão os municípios afetados.

Na semana passada, 15 municípios estão em estado de emergência e 40 municípios estão em alerta, segundo a Comissão de Defesa Civil.

As alterações climáticas agravam as secas

Segundo a Defesa Civil, a seca deverá ser mais severa e prolongada devido ao fenómeno climático El Niño.

El Niño é um padrão climático natural em que as águas oceânicas do Oceano Pacífico tropical central e oriental são mais quentes do que o normal nesta época do ano. Este fenômeno pode afetar tempestades e padrões climáticos em todo o mundo, inclusive impedindo a formação de nuvens de chuva.

As alterações climáticas e o aquecimento estão a tornar as secas mais frequentes, mais prolongadas e mais severas. O ar mais quente aumenta a evaporação durante a seca, reduzindo as águas superficiais e secando o solo e a vegetação.

Mudanças Climáticas e Educação: Muitas escolas americanas não ensinam sobre as alterações climáticas. Os alunos não ficaram satisfeitos com isso

READ  O filho de Pelé visitou os gigantes do Brasil feridos no hospital com seus netos

Contribuindo: Doyle Rice, USA TODAY; Imprensa Associada