Maio 21, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Carnaval conservador do Brasil tenta mostrar coragem na era do ressurgimento da esquerda

Carnaval conservador do Brasil tenta mostrar coragem na era do ressurgimento da esquerda

“Lula, renuncie”, disse o homem vestindo uma camiseta com a mesma mensagem. Depois veio o refrão – “Lula, renuncie!” – As pessoas expressaram seu desdém pelo presidente de esquerda do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva.

O grupo se reuniu em frente a um centro de convenções na cidade de Belo Horizonte, no leste do país, que os organizadores claramente alardeavam como “o maior evento conservador do mundo”.

Conhecida como CPAC – ou Conferência de Ação Política Conservadora – o cenário é uma importação da direita americana, uma mistura das comunidades conservadoras, evangélicas e de extrema direita do Brasil.

Durante a presidência anterior de Jair Bolsonaro, um ex-chefe do Exército que se tornou político populista, o CPAC tornou-se uma espécie de festival para a direita. Em vez de vestidos frágeis e glitter, há bandeiras e camisetas do Brasil. Em vez de samba, há palestras sobre os perigos da ideologia de gênero e a importância de Jesus.

Este ano, porém, toda a excitação pomposa do evento desapareceu. Com Bolsonaro fora do cargo, impedido de concorrer ao cargo, e a esquerda ressurgindo mais uma vez, a sensação de vitória desapareceu. Em seu lugar estavam o medo e o ódio.

“O governo de Lula é marcado pelo ódio, ressentimento e vingança”, disse Julia Zanata, parlamentar federal do Partido Liberal, cada vez mais de extrema direita, de Bolsonaro. “As decisões do Judiciário mostram que tudo vale contra nós, políticos da oposição, de direita e conservadores”.

Jair Bolsonaro discursa na edição americana da conferência CPAC em Maryland, em março ©Al Drago/Bloomberg

Com exceção de Lula – que goza de índices de aprovação modestos, apesar de uma vitória eleitoral estreita no ano passado – grande parte da raiva contra a CPAC foi dirigida ao Supremo Tribunal do Brasil. Nos dias turbulentos antes e depois da votação em Outubro passado, o tribunal tomou uma posição firme na repressão do discurso de ódio e da desinformação, frequentemente disseminados por redes de extrema-direita.

READ  Cinco coisas sobre as urnas eletrônicas do Brasil

Depois, quando milhares de militantes pró-Bolsonaro atacaram e vandalizaram as instituições políticas do país em Janeiro, o sistema judiciário engrenou, prendendo milhares e acusando outras centenas. Uma semana antes do início do CPAC, proferiu a sua primeira sentença severa: 17 anos para um desordeiro apanhado a sabotar o Senado. O tribunal considerou que o motim foi uma tentativa de conspiração.

Embora a rebelião tenha sido amplamente condenada pela sociedade brasileira, a direita populista procurou retratar a resposta do judiciário como uma perseguição política. Uma decisão separada do tribunal eleitoral do Brasil, em junho, de privar Bolsonaro dos seus direitos políticos durante oito anos, depois de ter sido acusado de abuso de poder durante o mandato, alimentou um sentimento de injustiça.

Falando no CPAC no sábado, o legislador estadual Cristiano Caporesso disse: “A cada passo que dou, corro o risco de ser processado. “Na verdade, já recebi uma denúncia de promotores estaduais alegando transfobia pela simples razão de que um homem biológico acredita que é um feminino, em qualquer esporte feminino. Nunca concordarei em competir.”

Durante o fim de semana, vários oradores apelaram à multidão para não entrar em pânico e começar a reconstruir o movimento conservador. Mas a sensação de desconforto era palpável. Muitos participantes expressaram desconforto em divulgar seus nomes e dados pessoais como parte do registro.

Os ingressos custavam inicialmente US$ 50 por pessoa, mas há uma semana os organizadores renunciaram à taxa e a reembolsaram. No entanto, o local de 1.500 lugares nunca ficou mais do que dois terços lotado.

Nos anos anteriores, o evento atraiu oradores da direita americana, incluindo membros republicanos do Congresso e membros do círculo íntimo de Donald Trump. No ano passado, Javier Mille – um dos principais candidatos nas próximas eleições presidenciais da Argentina – foi um convidado importante. Tudo isso ficou evidente este ano.

READ  Leila Oliveira foi promovida a presidente da Warner Music Brasil
Um policial militar cai do cavalo durante confrontos com apoiadores de Bolsonaro depois que uma multidão invadiu o palácio presidencial do Planaldo, em Brasília, em 8 de janeiro.
Um policial militar cai do cavalo durante confrontos com apoiadores de Bolsonaro depois que uma multidão invadiu o palácio presidencial do Planaldo, em Brasília, em 8 de janeiro. © Sergio Lima/AFP via Getty Images

“Temos medo de falar, medo de postar online, medo de dizer o nome dele. . . O nome [supreme court justice] Alexandre de Moraes”, disse Patrícia Schmidt, que viajou da cidade de Curitiba para participar do evento.

Bruno Carazza, analista político e professor da Fundação Dom Cabral em Belo Horizonte, disse que o movimento estava “na defensiva” após a derrota de Bolsonaro e os tumultos de janeiro, que mancharam a reputação da direita populista entre a população em geral.

“É um momento difícil para eles. Eles estão tentando se recompor agora e fazer um plano para os próximos anos.

Na verdade, as eleições municipais do próximo ano e as eleições federais de 2026 pesaram nas mentes dos políticos seniores presentes.

Romeu Zema, governador de direita do estado de Minas Gerais, onde fica Belo Horizonte, subiu ao palco sob aplausos e gritos enquanto seu nome era chamado.

“Temos que participar, temos que lutar. Há eleições municipais no próximo ano, temos que encontrar bons candidatos e fazê-los concorrer”, disse Zema, um ex-empresário polido e articulado que deverá concorrer à presidência em 2026.

No entanto, um questionador criticou os requisitos de vacinação da era pandêmica do estado quando o discurso foi interrompido no meio e Gemma foi forçada a sair do palco. Mesmo nesta reunificação única da direita brasileira, as ideias não estão unificadas.

Reportagem adicional de Emily Costa