Maio 21, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

A poeira das colheitas será erradicada no Brasil, que é rico em pesticidas?

A poeira das colheitas será erradicada no Brasil, que é rico em pesticidas?

A utilização de pó agrícola no Brasil – o maior consumidor mundial de pesticidas – ajudou a alimentar a enorme indústria agrícola que sustenta a maior economia da América Latina. Mas com as crescentes preocupações de saúde pública, o futuro da prática está em dúvida.

À medida que os setores industriais e as comunidades locais se expandem até quase colidirem, os residentes são expostos a produtos químicos agressivos pulverizados pelo ar nas plantas.

“Quando os aviões sobrevoam nossas casas, sentimos os efeitos em nossa saúde: irritação nos olhos, alergias na pele, tosse”, disse Diógenes Rabello, chefe da seção paulista do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, uma organização de reforma agrária.

Os críticos do método – oficialmente conhecido como fumigação aérea – obtiveram uma vitória em maio, quando o Supremo Tribunal Federal decidiu a favor da proibição de 2019 no estado de Sierra, no nordeste do país. Outros estados estão considerando seguir o exemplo.

Mas a decisão provocou ondas de choque no gigantesco setor do agronegócio brasileiro, que consumiu quase 720 mil toneladas métricas de pesticidas em 2021, ou 20% do total global, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.

Para manter rendimentos elevados, o agronegócio – o motor da economia brasileira – depende do uso intensivo de pesticidas, especialmente aqueles administrados de cima. Os proponentes gostam de chamar os compostos de “protetores agrícolas” ou “produtos fitofarmacêuticos”.

A situação é delicada: o uso intenso de pesticidas é um dos principais argumentos apontados pelos opositores europeus nas negociações sobre um acordo de comércio livre entre a UE e o bloco comercial sul-americano do Mercosul.

A Europa proibiu em grande parte a pulverização de culturas desde 2009, citando efeitos negativos na saúde humana e no ambiente.

READ  Brasil x Chile: transmissão ao vivo trimestral da Copa América, canal de TV, como assistir online, notícias, controvérsias, horário

Mas no Brasil, que tem a segunda maior frota agrícola do mundo depois dos Estados Unidos, a pulverização aérea ainda utiliza 25 a 30 por cento de pesticidas, de acordo com a associação nacional de companhias aéreas agrícolas do país.

– ‘Risco Regular’ –

No sudeste do estado de São Paulo – o segundo maior consumidor de pesticidas do país e onde a cana-de-açúcar ocupa cerca de 30% das terras agrícolas – o advogado Gabriel Lino de Paula Pires está investigando o uso de fumigação aérea na região do Pontal do Paranapanema. .

“Em 20 anos, essa cultura expandiu-se significativamente aqui, quase atingindo as fronteiras dos assentamentos (humanos)”, disse Byers à AFP.

A pulverização aérea de pesticidas num raio de 500 metros de cidades e aldeias e num raio de 250 metros de fontes de água é ilegal. Mas a poeira das colheitas “sempre apresenta um risco de (os produtos químicos) se afastarem do alvo pretendido”, disse Byers.

Na verdade, segundo Byers, devido aos padrões climáticos da região, “não é possível espalhar pesticidas (do ar) com segurança”.

Mas segundo Fabio Cagi, da Cintivac, que representa a indústria brasileira de defensivos agrícolas, “entre os métodos de pulverização, a aérea é a mais regulamentada”.

A pulverização de culturas é muito mais rápida do que a pulverização de pesticidas a partir do solo e pode atingir grandes áreas de difícil acesso por trator.

Segundo Kaki, os pilotos de aeronaves agrícolas devem ter licença especial e um engenheiro agrônomo deve estar presente durante os voos. Mas as autoridades públicas “não conseguem” regulamentar tais condições, afirma Byers, o advogado.

– Banido na Europa –

Um estudo da Universidade Federal de Santa Catarina descobriu que cerca de 30% dos pesticidas aéreos usados ​​nas plantações de cana-de-açúcar em cinco regiões de São Paulo em 2019 continham ingredientes ativos que poderiam causar câncer, destacando uma ligação potencial ao câncer acima da média nacional. evento nessas áreas.

READ  Leeds United pronto para reforço de Raphinha após exibição do Brasil

Segundo relatórios analisados ​​pela Defensoria Pública de São Paulo, a açucareira Terios Acucar e Energia Brasil utilizou tiametoxame, princípio ativo do agrotóxico, no Brasil.

O produto químico foi proibido na União Europeia em 2019 devido à sua toxicidade para animais aquáticos e riscos potenciais para a fertilidade humana e para o feto.

As empresas açucareiras brasileiras São Martinho e Usina Pitangueiras usaram um inseticida chamado Opera, de acordo com outros relatórios analisados ​​pela Defensoria Pública. Autoridades de saúde francesas disseram que o ingrediente ativo da ópera é cancerígeno e desregulador hormonal.

Contactado pela AFP, Terios insistiu que utiliza produtos “aprovados pelas autoridades brasileiras” e que “respeita conscientemente todas as suas recomendações de aplicação”.

A São Martinho disse ainda que segue “os regulamentos e orientações das autoridades competentes”, enquanto a Usina Pitangueras não respondeu aos questionamentos da AFP.

Apesar desses desafios em nível estadual para a poeira agrícola, os legisladores federais brasileiros estão atualmente considerando um projeto de lei para facilitar a aprovação de novos pesticidas.

mje/tmo/rsr/caw/jh