Maio 24, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Minha primeira Copa do Mundo: Marina Isidro aos olhos do Brasil na Austrália e Nova Zelândia

Minha primeira Copa do Mundo: Marina Isidro aos olhos do Brasil na Austrália e Nova Zelândia

Quando o assunto é Copa do Mundo, poucos países sofrem a mesma pressão que o Brasil. Apesar da imagem universal de futebol despreocupado e fluido, joca bonito e uma filosofia de beleza em vez de desempenho brutal, vencer é mais importante do que qualquer outra coisa. A jornalista multimídia brasileira Marina Isidro explica: “No Brasil, algumas pessoas sempre esperam que você vença.

Izidro está mais consciente desse nível de expectativa do que a maioria. Ele impressionou a seleção masculina em vários torneios internacionais na última década, incluindo a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos em casa. Embora essas duas experiências tenham sido “mágicas”, Izidro prospera sob a pressão de entregar ao vivo na televisão para milhões, da mesma forma que muitos dos melhores times brasileiros do passado aceitaram a expectativa de entregar em campo.

“Tudo pode acontecer quando você está vivo”, ela admite, depois de dizer que está se afastando de todas as transmissões e poderia ter feito algo melhor. “Você tem que se concentrar ou vai estragar tudo. Mas ao mesmo tempo você tem que seguir o fluxo. Por exemplo, se você está cobrindo uma partida de futebol ao vivo, não pode sintonizar? Há tudo isso emoção ao seu redor, e um de seus trabalhos como repórter é ver o que você está experimentando. Trata-se de mostrar as pessoas em casa porque você é o olhar delas.

Agora nascido em Londres e criado no Rio, Isidro vê semelhanças entre as culturas do futebol na Inglaterra e no Brasil, mas a maneira como ele descreve sua experiência assistindo a bem-sucedida seleção masculina brasileira nos anos 1990 e início dos anos 2000 soa de outro mundo. “Você tem ruas onde as pessoas pintam na calçada e colocam bandeiras e enfeites. Você não trabalha quando o Brasil está jogando, você sai cedo ou chega tarde para ver o jogo da seleção.

Essas experiências formativas desempenharam um papel fundamental na busca de Isidro por uma carreira jornalística, e agora ele está indo para a Austrália e a Nova Zelândia neste verão para cobrir eventos tão importantes e variados como as coroações dos campeonatos de King e Wimbledon. Sua primeira Copa do Mundo Feminina.

READ  Descendentes de escravos no Brasil revivem rituais após hiato da Covid-19

O Brasil ainda não venceu uma Copa do Mundo no futebol feminino e Isidro novamente faz comparações com sua pátria adotiva ao explicar como eles podem desfrutar de sucesso futuro de forma sustentável. “A Inglaterra conseguiu criar uma cultura futebolística no futebol feminino e é incrível o que você vê aqui. Eu vi a final entre Brasil e Inglaterra em Wembley. [in April] Uma atmosfera fantástica com mais de 80.000 pessoas – é isso que o futebol feminino pode alcançar.

“A Inglaterra é um grande exemplo – um grande exemplo – de criar uma cultura de mulheres assistindo futebol, de pessoas indo aos estádios e acompanhando jogadores e jogadoras tornando-se uma inspiração para as mulheres e tendo uma liga nacional profissional muito forte. O Brasil ainda tem um longo caminho ir.

Essa é uma forma clara de Izidro se diferenciar dos brasileiros que valorizam o sucesso dentro de campo acima de tudo. Ela lembra que o futebol feminino não estava na televisão crescendo depois das Copas do Mundo e das Olimpíadas e, embora aceite que houve progresso, ela é realista sobre como será o sucesso neste torneio e além.

“Claro que você quer ganhar [the World Cup], todo mundo quer ganhar”, diz. “Há muito mais no esporte. Acho que precisa haver um ajuste de perspectiva, porque há tantas coisas importantes para falar sobre o futebol feminino e a seleção feminina. Elas são incríveis. São jogadoras incríveis. Mas ainda não temos uma cultura em que as mulheres assistem futebol.

“Os patrocinadores precisam investir no esporte feminino. As emissoras devem exibir as partidas na TV. Vem de todos os lugares; Os políticos, se constroem cidades e infraestrutura, deveriam investir em transporte público para que as pessoas possam ir e voltar dos estádios com segurança. Não é algo que você vai fazer daqui a um ano, e você tem que insistir.

Existem poucos jogadores na história do Brasil que podem afirmar ser tão brilhantes quanto Marta. A jogadora de 37 anos, que disputará sua sexta Copa do Mundo na Austrália e na Nova Zelândia, marcou nas cinco edições anteriores do torneio para manter o recorde de maior artilheira, masculina ou feminina, na história da Copa do Mundo. Enquanto Izidro admira Marta como jogadora, ele parece muito impressionado com a presença dela como um modelo para os outros.

READ  O U-20 dá início à Copa das Revelações da USMNT. Brasil, Colômbia e México

Após a derrota do Brasil nas oitavas de final para a França na última Copa do Mundo, um vídeo choroso de Marta implorando às mulheres brasileiras para seguirem seus passos se tornou viral. “Já tive a experiência de conhecê-la e entrevistá-la algumas vezes e ela sabe muito bem de sua responsabilidade”, diz Isidro, aproveitando a oportunidade para falar sobre a seis vezes Melhor Jogadora do Mundo. “Ela é especial… uma das heroínas do time feminino. Ela merece tudo o que tem. “

Quando a conversa se volta para a forma como Izidro antecipa a sua própria competição, o profissionalismo inconfundível de Izidro surge novamente. Quando está na Austrália ou na Nova Zelândia, ela não tem interesse em passear e não se preocupa em sentir saudades de casa. Sua abordagem para cobrir histórias maiores é experimentada e testada: “É melhor não ter expectativas ao fazer algo como turismo. É um privilégio cobrir esses grandes eventos.”

Uma parte dela ainda fica nervosa ao lidar com as maiores estrelas do esporte e além. “Eu tento disfarçar o máximo possível, porque você tem que ser composto e profissional, mas é claro que você está nervoso”, ela admite. “Eu acho que é bom porque você tem que sentir alguma coisa, certo? Se alguém disser que não, eles estão mentindo. A estrela do esporte que a deixou mais nervosa? “Usain Bolt. Tal aura para ele. Quando ele entra em uma sala, todos ficam chocados ao vê-lo.

Sua saudação não é reservada para quem está no campo ou na pista. Para quem idealizou uma carreira no jornalismo esportivo desde jovem, não é surpresa que Izidro sempre tenha idolatrado tanto na câmera quanto na mídia impressa. “Sempre admirei o Dino Marcos (ex-apresentador do popular jornal esportivo brasileiro Globo Esporte). Tive a oportunidade de trabalhar lado a lado com ele na mesma redação cobrindo jogos. Ele é um dos melhores. Suas dublagens, a maneira como ele escreve…”, ela faz uma pausa, tipicamente Marta. E aparentemente com um senso de reverência reservado para gente como Bolt, “É incrível.

READ  Lula do Brasil deve lançar um contra-plano sobre o acordo comercial do Mercosul em 2-3 semanas

“Eu o conheci em uma partida do Brasil. Eu tinha que fazer uma matéria para a câmera, uma reportagem, e ele estava do meu lado. Eu estava tipo, ‘Oh meu Deus, eu vou fazer isso! Ele vai ver! Ele vai ouvir!’ Já sou muito experiente, então estava tudo bem, mas se eu disser alguma coisa [wrong] Ele vai pensar que é muito ruim? Claro que não. Nunca tive uma experiência ruim e há muito trabalho em equipe no jornalismo. Você tem que confiar um no outro.

Reportar uma Copa do Mundo do outro lado da Copa do Mundo parece a realização de um sonho para alguém tão claramente imerso na vida de jornalista esportivo. Mas Isidro termina nossa conversa contrastando muito claramente a maravilha associada a assistir a Copa do Mundo de casa e estar em campo, trabalhando dia após dia, independentemente de quem ela aborda na zona mista ou compartilha a cabine de imprensa. Jogo após jogo.

“É completamente diferente se você está escondendo alguma coisa”, diz ele. “Você não pode aproveitar totalmente porque está trabalhando, então precisa ter certeza de que está focado e não está ficando empolgado nem nada. Mas, ao mesmo tempo, como jornalista, é um daqueles momentos especiais momentos em sua vida porque você não está em um bar ou com amigos, mas você estar lá e vivenciar isso e ser capaz de contar a história para milhões de pessoas. Talvez observando você ou lendo o que você escreve. Isso é um direito precioso? “