Maio 23, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Enchentes no Brasil afetaram duramente as exportações

Enchentes no Brasil afetaram duramente as exportações

O Brasil enfrenta ainda mais problemas devido às perspectivas já reduzidas da safra de soja Chuvas fortes e inundações mortais O Rio Grande do Sul é um dos maiores estados produtores do país.

A corretora BRS, sediada em Luxemburgo, revelou em seu último boletim informativo semanal a granel que a empresa brasileira de distribuição nacional Konab estimou que o clima poderia ameaçar 30% da soja não colhida, ou cerca de 7 milhões de toneladas.

Antes das fortes chuvas, a Konab esperava que a produção de soja no Rio Grande do Sul atingisse 21,89 milhões de toneladas, já que a temporada de colheita começou bem para o estado, que tem potencial para se tornar o segundo maior produtor de soja do Brasil.

A BRS acrescentou que ainda há uma quantidade significativa de feijão a colher na região centro – cerca de 40% quando combinada com a região sul – e cerca de 10% na zona norte do país.

A Conab espera revisar sua previsão de produção nacional em meados de maio para uma previsão inicial de 146,5 milhões de toneladas para a temporada 2023-24, queda de 5,2% em relação ao ano anterior. Isso já está abaixo da previsão do USDA de 155 milhões de toneladas, um declínio anual de 4,3% em relação à safra anterior.

O USDA prevê que as exportações de soja do Brasil atingirão 103 milhões de toneladas nesta temporada, um aumento de 7,8% ano a ano. Mas tendo em mente as recentes cheias, os intervenientes no mercado podem ajustar as suas expectativas para o resto da temporada.

A maioria espera que as exportações de soja do Brasil aumentem no segundo semestre de 2024 e criem mais apoio para os navios Panamax e Commermax na região da Costa Leste da América do Sul.

READ  Comissão do Senado brasileiro convoca executivos da Petrobras debate sobre combustível esquenta

“Apesar da interrupção no Brasil, o terceiro trimestre do ano é normalmente o horário de pico de exportação do ano. Portanto, a análise sugere que o principal suporte para as taxas de frete do segmento na região deve vir do lado da tonelagem”, disse BRS. .

O Rio Grande do Sul também é o principal produtor de arroz do Brasil, situação agravada pelas recentes fortes chuvas e inundações que afetaram os produtos agrícolas e o comércio marítimo. A Platts acredita que os exportadores estão optimistas em relação aos restantes 10-15% do arroz que ainda não foi colhido, apesar das cheias.

Embora algumas áreas tenham escapado às cheias, o impacto directo noutras levantou preocupações sobre potenciais perdas e comprometimento da qualidade, deixando incerteza sobre a extensão dos danos, especialmente com relatos de danos no arroz armazenado em covas.

A ANEC, associação que representa os exportadores globais de grãos, disse no início desta semana que o acesso ao porto de Rio Grande – que funciona normalmente desde a paralisação total – foi interrompido depois que uma linha ferroviária local parou de funcionar. Os bloqueios nas estradas obrigam os camiões de cereais a percorrer mais 400 quilómetros através de rotas alternativas para chegar ao porto, aumentando ainda mais os custos de frete.

Os relatórios mais recentes colocam pelo menos 107 pessoas mortas nas cheias, pelo menos 136 ainda desaparecidas e mais de 165 mil deslocados de casas inundadas e resgatados por barcos e helicópteros em cerca de 350 municípios.