Maio 24, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

CSNU deve ser expandido para incluir Índia e Brasil: Ex-Primeiro Ministro da Bélgica |  Calcutá

CSNU deve ser expandido para incluir Índia e Brasil: Ex-Primeiro Ministro da Bélgica | Calcutá

Calcutá, jan. 14 (PTI) O antigo primeiro-ministro belga Yves Leterme defendeu veementemente a inclusão permanente da Índia no CSNU, sublinhando que tal medida aumentaria a legitimidade e a representatividade do conselho.

Imagem HT

Leterme argumentou que o Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) precisava de se adaptar às realidades do século XXI, exigindo representação para além das estruturas estabelecidas no século XX.

A temporada de vendas da Amazon chegou! Jogue e economize agora! Clique aqui

Elogiando a liderança do primeiro-ministro Narendra Modi por elevar a estatura geopolítica da Índia, Letterme disse que o país conquistou o direito a uma posição muito mais forte na arena multilateral.

Numa entrevista à PTI, Leterme elogiou a nova iniciativa de conectividade Corredor Económico Índia Médio Oriente Europa (IMEC), sublinhando a sua natureza complementar à Iniciativa Cinturão e Rota (BRI) da China.

“Complementa e complementa algo desenhado pelos chineses”, disse ele.

Refletindo as consequências geopolíticas do conflito Ucrânia-Rússia, Leterme defendeu uma distribuição mais equitativa das participações nas instituições multilaterais, apelando particularmente a uma maior participação da Índia, do Brasil e dos países africanos.

Lettermay enfatizou a necessidade de uma redefinição nas instituições multilaterais, sugerindo um reequilíbrio para fazer face à evolução da dinâmica do poder global.

Ele disse: “Todos nós pregamos por uma melhor distribuição de funções. Acho que nossas instituições multilaterais nos serviram bem depois da Segunda Guerra Mundial. Mas há uma necessidade de redefinir, e por redefinir, acho que precisamos nos reequilibrar., para fazer mudanças no equilíbrio de poder.”

Em relação aos países emergentes como a Índia, alguns países africanos e o Brasil, Letterme enfatizou que eles merecem papéis significativos no quadro multilateral.

READ  Governo brasileiro reconhece modelo de privatização da Eletrobras

Destacando a necessidade de a Índia desempenhar um papel fundamental no multilateralismo, Letterme argumentou: “Se o Conselho de Segurança (ONU) desenvolver o P5 com a Índia e o Brasil, a legitimidade do seu trabalho mais representativo será reforçada. Não se pode lidar com os problemas do século XXI”. com sistemas e soluções do século XX.”

Expressando o seu apoio à candidatura da Índia para adesão permanente ao Conselho de Segurança da ONU, Letterum disse: “O Conselho de Segurança da ONU deve ser reestruturado para que a Índia, o Brasil e outros países emergentes tenham o direito de influenciar a tomada de decisões.”

A Índia, um forte candidato à adesão permanente do Conselho de Segurança, expressou descontentamento com a falta de progressos nas discussões sobre a reforma do Conselho de Segurança. Atualmente, o CSNU é composto por cinco membros permanentes e dez membros não permanentes, eleitos pela Assembleia Geral da ONU para mandatos de dois anos.

Os cinco membros permanentes são a Rússia, o Reino Unido, a China, a França e os EUA e estes países podem vetar qualquer resolução importante.

Discutindo a iniciativa do Corredor Económico Índia-Oriente Médio-Europa (IMEC), Letterme descartou a noção de concorrência com a Iniciativa Cinturão e Rota da China, dizendo: “Não vejo isso de um ponto de vista competitivo. A nova iniciativa é demasiado muito. Congratulo-me com isso porque complementa a oferta existente e o que os chineses projetaram.” completa e completa.”

Leterme enfatizou a necessidade de uma melhor integração da União Europeia (UE) com a Ásia, concentrando-se em particular na desconexão entre as economias europeias e a Ásia.

Ele pediu melhores infraestruturas de transporte para melhorar a conectividade.

O antigo primeiro-ministro sublinhou a importância da parceria de conectividade entre a UE e a Índia, propondo investimentos adicionais em ligações de infra-estruturas para o transporte de produtos energéticos e água para fortalecer os laços entre as duas regiões.

READ  Rumores sugerem que Apple TV+ pode olhar para o Brasil para novos conteúdos

Comentando a liderança de Modi, Leterme elogiou o progresso da Índia como um parceiro confiável na geopolítica.

“Penso que existe potencial. É uma nação que está a fazer progressos e a Índia está a emergir como um parceiro confiável na geopolítica. E penso que isso é um dividendo muito importante da formulação de políticas ao longo dos anos.” ele disse.

No que diz respeito ao Acordo de Comércio Livre (ACL) entre a Índia e a UE, Leterme sublinhou o interesse da UE em concluir um ACL com a Índia, que considera a potência do futuro.

“A União Europeia não teve sucesso em fechar acordos comerciais recentemente. É do interesse da UE concluir um acordo de comércio livre com a Índia. A elaboração de um ACL bem equilibrado com a Índia deve ser uma prioridade”, disse ele.

Leterme disse que a UE precisa de investir mais na sua parceria com a Índia.

“Penso que deveríamos trabalhar com a Índia para coordenar melhor a nossa posição no sistema do G20 no quadro multilateral. Portanto, a UE deveria investir mais na sua relação privilegiada com a Índia para sermos aliados nos processos geopolíticos”, disse ele.

Afirmou que era do interesse da UE que a Índia desempenhasse um papel não alinhado, cooperando com todos os estados, em vez de se alinhar exclusivamente com os EUA ou a China.