Julho 2, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

VW Brasil enfrenta demandas ditatoriais de escravidão

Postado em: Mudado:

Rio de Janeiro (AFP) – A montadora alemã Volkswagen deve enfrentar na terça-feira os promotores brasileiros por alegações de abusos de direitos humanos, incluindo escravidão e estupro, durante a ditadura militar no Brasil.

Os promotores coletaram 90 páginas de documentos documentando gerentes da Volkswagen e anos de atrocidades cometidas por armas de aluguel em uma fazenda da empresa na floresta amazônica durante os anos 1970 e 1980.

Em uma tentativa recente de trazer justiça aos abusos ocorridos durante o regime militar brasileiro de 1964-1985, a Procuradoria Geral do Trabalho convocou representantes da VW para uma audiência em Brasília para responder a provas de abuso, incluindo tortura e assassinato em propriedade do estado norte. De Faranda, Fasanda Vale do Rio chama-se Cristalino.

“A Volkswagen é diretamente responsável pelas graves e sistemáticas violações de direitos humanos que ocorreram”, disse à AFP o procurador-geral Rafael Garcia.

Os observadores serão a ligação inicial para “ver se uma solução pode ser alcançada” sem iniciar um processo criminal, disse ele.

A Volkswagen se recusou a comentar os detalhes do caso, dizendo que precisava primeiro de “claridade sobre todas as acusações”.

Mas o porta-voz da Volkswagen do Brasil disse à AFP em um e-mail que a empresa estava “determinada a contribuir mais seriamente para a investigação”.

Em 2020, a Volkswagen concordou em pagar a Rice 36 milhões (então US$ 6,4 milhões) em compensação por colaborar com a polícia secreta brasileira para identificar suspeitos de opositores de esquerda e líderes sindicais em sua operação local, após o que foram detidos e torturados.

Sacerdote das Cruzadas

Depois de se mudar para Barão em 1977, Ricardo Resente, um padre católico que compilou evidências dos abusos da Volkswagen na fazenda, ficou preso na imigração por muitos anos depois de ouvir o que ele disse serem histórias horríveis de vítimas.

READ  Votação do Brasil sobre reforma tributária na próxima semana trouxe mudanças nos lucros das empresas

Resente questionou se a empresa poderia levar esse caso em consideração e decidiu compartilhar seus arquivos com os promotores, disse ele à AFP.

O pastor de 70 anos diz: “A tortura não pode ser compensada. O sofrimento das mulheres cujos filhos e maridos não retornam à fazenda – não há cura para essa dor”.

“Mas pode haver uma solução de código. Acho que é necessário.”

As centenas de páginas de depoimentos e outros documentos de Rezende convenceram os advogados a iniciar uma força-tarefa, que coletou provas por três anos – e tudo se resume ao documento que eles agora entregam à VW.

Nele, as vítimas alegam que os investigadores foram enganados por falsas promessas de empregos lucrativos em uma fazenda de 70.000 hectares, o que os obrigou a derrubar a floresta em condições adversas para a fazenda da Volkswagen, a maior do Pará. Tempo.

Os promotores dizem que os trabalhadores foram colocados em “escravidão por dívida”, forçando-os a comprar mais alimentos e suprimentos da fazenda.

Aqueles que tentaram fugir foram espancados, amarrados em árvores e deixados por vários dias por guardas armados, que vigiavam violentamente os trabalhadores.

Em um caso, três testemunhas disseram que homens armados sequestraram a esposa de um trabalhador e a estupraram como punição depois que ela tentou escapar.

Resente, que estima que centenas e milhares de trabalhadores foram basicamente escravizados de 1974 a 1986, disse que “os maiores abusos ocorreram”.

VW na selva?

Qual foi a primeira coisa que uma montadora alemã fez foi criar gado na Amazônia brasileira?

Uma janela para como o regime militar via a floresta amazônica e ajuda a explicar por que a maior floresta tropical do mundo está ameaçada hoje.

READ  A lenda brasileira Pelé foi internado novamente no hospital para tratamento de tumor de cólon

O Brasil pressionou apressadamente pelo desenvolvimento da floresta tropical, que o regime considerava atrasada, atraindo imigrantes com a riqueza prometida e o slogan “Terra sem homens, terra sem terra para homens”.

O governo também atraiu empresas. A Volkswagen se beneficiou do desmatamento para desenvolver uma fazenda por meio de incentivos fiscais e empréstimos com juros negativos, sem mencionar uma relação próxima com o regime, disse Resente.

“Por um lado, a Volkswagen quer ditadura. Por outro, é um negócio muito lucrativo”, disse.

“Ele pode empregar quase 6.000 pessoas gratuitamente.”

Autoridades dizem que tais práticas foram generalizadas na região amazônica mesmo após a ditadura.

Manter outras empresas responsáveis ​​depende da coleta de evidências suficientes, disse Garcia.