Outubro 17, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Vale Menor reduz direitos a terras indígenas no Brasil

A logomarca da mineradora brasileira Vail SA foi encontrada em 29 de janeiro de 2019 em Bromadenho, Brasil.

RIO DE JANEIRO, 22 de setembro (Reuters) – A mineradora brasileira VALE3.SA renunciou a todos os direitos de conceder oportunidades de mineração em terras indígenas no Brasil, reconhecendo que precisam do consentimento das comunidades e da legislação para regulamentar essa atividade. Disse quarta-feira.

Vail disse em um comunicado que desde o ano passado retornou à National Mining Corporation para obter licenças de mineração para 89 licenças e para atividades de mineração em terras que interferem na reserva indígena.

Nos próximos dias, a empresa entrará com saques e descontos para as 15 oportunidades restantes de mineração, incluindo parte da reserva Xikrin Cateté, no estado de Bara, na Mina de Vail, uma das maiores produtoras mundiais de minério de ferro.

Vail disse que o consentimento é fundamental para a autodeterminação dos povos indígenas e a preservação de suas culturas e modo de vida.

A decisão foi tomada enquanto o Supremo Tribunal Federal discutia a validade constitucional de uma data limite para reivindicações de terras tribais, levando o presidente Jair Bolsanaro e o Departamento de Agricultura a fornecer reparação legal aos agricultores em disputas de terra no Centro de Energia Agrícola.

As terras que não eram ocupadas por comunidades indígenas quando o Brasil elaborou a constituição de 1988 não foram reconhecidas como terras reservadas desde 2016, o que o tribunal considera inconstitucional.

Os povos indígenas afirmam que as garantias de terra são importantes para sua sobrevivência e acusam o governo de direita de Bolsonaro de pisar em seus direitos para permitir a mineração comercial e a agricultura nas terras tribais da Amazônia e do Brasil.

READ  Etanol brasileiro é menos poluente do que poluído

Reportagem de Marta Noguira

Nossos padrões: Políticas da Fundação Thomson Reuters.