Novembro 28, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

The Big Brazil Frost – Relatório Global do Café

As áreas produtoras de café em todo o Brasil foram duramente atingidas pela pior geada que atingiu as fazendas de café em 40 a 50 anos. Maja Wallengren explica quantos problemas causam uma escassez sem precedentes do equilíbrio entre oferta e demanda e por que o café está acabando rapidamente.

Os campos verdes brilhantes e férteis exuberantes normalmente cobrem o centro da área de produção de café do Brasil no sul de Minas, em vez de um tapete de cafeeiros murchas e mortos que se estende até onde a vista alcança. Os 200 mil hectares de terras cultivadas com café foram severamente afetados pelas quatro geadas redondas que atingiram o Brasil no final de junho e julho, de forma que apenas folhas secas e marrons permaneceram nos caules, um tom dourado, marrom vivo comumente associado. A mudança da cor das folhas no final do outono. Essas árvores não têm prosperidade para se recuperar e, tendo viajado pelo mundo por mais de 27 anos, este repórter nunca teve uma cena triste de café.

A evidência de danos é enorme. Da Serra Negro no estado de São Paulo às mundialmente conhecidas cidades cafeeiras de Quakupe, Nova Resente, Moçambique, Cabo Verde e Albanas no sul de Minas, até Franca e Petregulio na região da Alta Mogiana, e até agora como a Safra Patrocinio E a gravidade do impacto não pode ser ignorada.

“Estou cultivando café desde que assumi a fazenda da família de meu pai em 54 anos. É a geada mais forte que já vi. Relatório Global do Café Quando sua fazenda Fasenta se mudou para Santa Helena em Nova Resente em agosto. Ele primeiro vira os olhos para a esquerda e, em seguida, 360 graus ao redor, aponta para uma fileira de cafeeiros completamente queimados: ele corta um galho de uma árvore, dizendo: “Este está morto, olhe para isto.” “Simplesmente veio ao nosso conhecimento então. Já se foi tudo ”, diz Rocha, que perdeu de 80 a 90% de toda a área cultivada.

Espera-se que a safra de 2022 do Brasil perca pelo menos 10 a 12 milhões de sacas de café danificado congelado.

Em outra parte de Nova Resente, o pequeno cafeicultor George Palino Silva fez uma pose heróica ao receber a rápida queda de árvores mortas e murchas em sua fazenda. Mas quando seus olhos caíram sobre toda a terra de pequenos cafezinhos frescos plantados no campo no início deste ano, eles estavam todos mortos, e sua voz às vezes explodia levemente. “Minha vida inteira foi dedicada ao cultivo de café. Pelo que me lembro, eu tomei café e sempre tivemos queimaduras de frio, mas não é assim, não é assim ”, diz Silva, quebrando a voz.

Não há fim para a história dos danos e destruição dos campos de café nas profundezas das estradas montanhosas de Noah. De áreas produtivas totalmente queimadas a fazendas onde as árvores são queimadas de forma desigual, a parte superior está completamente murcha, mas parte dos galhos inferiores ainda mostram sinais de vida, enquanto outros congelam cada fileira de árvores ao meio para um lado. Verde e outro completamente murcho. Embora a neve tenha causado uma média de 20 a 30 por cento de danos na maioria das fazendas no sul de Minas, a recuperação das fazendas deve ser de 30 a 50 por cento da área total. Poda ou replantio para garantir um ciclo de colheita uniforme.

READ  Cutrale suspendeu relatório de exportação dos EUA

“A quantidade de danos causados ​​pela geada combinada com a seca é o problema mais sério que vimos há muitos anos na indústria do café no Brasil, e nossos produtores estão lutando”, diz Evir de Melo, senador do Esprito Santo, o segundo maior em desenvolvimento Estado. Ele voou por mais de 15 horas em áreas afetadas por geadas cobrindo uma área de 180.000 hectares em 90 municípios do sul de São Paulo ao norte de Serrato.

“Só para os danos causados ​​pela geada, podemos esperar uma perda de pelo menos 10 a 12 milhões de sacas até a safra de 2022, mas isso aumentará os danos contínuos da seca”, diz de Mello, que trabalha com um café especial. Comitê de Trabalho do Ministério da Agricultura para lidar com muitos problemas climáticos.

A safra brasileira de 2021 já está prevista para ser significativamente menor este ano, após mais estresse da produção recorde do ano passado, que a empresa oficial de previsão de safra do Brasil disse que atingiu 63 milhões de sacas de 60 quilos. A Konab prevê que a safra de 2021 chegará a 48,8 milhões de sacas mais cedo, já que a produção deve ficar muito aquém da diferença média entre os ciclos com uma safra maior, conhecida como “no ciclo” e “fora do ciclo”. Está se recuperando. Mas um ano depois, após o impacto da seca que atingiu a estação de floração no ano passado, a Konab reduziu sua previsão para a safra de 2021 para 25,7 por cento, uma vez que continua a prejudicar as oportunidades de floração para a próxima safra de 2022. 46,9 milhões de sacas, uma das menores safras em 10 anos do Brasil.

“Como a situação já se agravou devido à falta de chuvas de floração para a próxima safra de 2022, nesta fase estamos calculando um mínimo de 10 a 12 milhões de sacas por ano durante três anos consecutivos de 2022 a 2025. Estão falando de três safras consecutivas, o que é muito pequeno para o Brasil e a produtividade total é de 30 a 36 milhões de sacas. Até que vão se perder ”, diz de Melo.

No centro da Área de Café de Albanas, no sul de Minas, uma fazenda se destaca sozinha. Conforme Ipanema dirige um quilômetro por quilômetro para dentro da propriedade do café, a magnitude dos danos afunda para um nível diferente. Com 3700 hectares de terras cultivadas e em alguns anos a produção subiu para 138 mil sacas, Ipanema é uma das maiores plantações de café do mundo. Vastas áreas da fazenda de café são todas queimadas em preto e marrom, e com o potencial de criar uma demanda mundial de café da manhã de um dia, o suprimento aparente para a primeira xícara de café da manhã está diminuindo rapidamente.

READ  McLaren '36 horas atrasada na produção' devido ao atraso no frete no Brasil

“Pelo menos 30% da área total cultivada com café foi danificada, a severidade da geada foi ruim aqui e tivemos que replantar muito”, diz um agrônomo que trabalha em Ipanema. Ele vai para outra parte da fazenda para calcular os danos.

De Ipanema, no sul de Minas, à região do Serrado, no noroeste do estado de Minas Gerais – o ciclo médio é de 65% do total da safra brasileira de Arábica -, José Carlos Grossi, da fazenda de café Alto Cafesal, já decidiu. Pelo menos 30% da terra total deve ser substituída, o que substitui os grãos do café mais severamente danificado.

“Mais de 40 por cento da área de café está danificada e embora eu possa recuperar uma pequena parte dela com a poda, a maior parte está muito danificada e é muito caro correr o risco financeiro de replantar o café, então já estou arrancando árvores para plantar soja e milho a partir de novembro. Estamos arrebatando ”, disse Crosey.

O impacto do problema do Brasil no mercado não pode ser subestimado. O Brasil vai cultivar de 35 a 40 por cento do café mundial consumido em qualquer ciclo de safra médio, e a demanda está projetada para chegar a 168 a 170 milhões de sacas até 2022. Organização Internacional do Café (ICO) e o Departamento de Agricultura dos EUA. O estoque final para o ciclo 2021-22, mantido nos principais mercados importadores dos Estados Unidos, Japão e União Europeia, é de 22 milhões de sacas, enquanto o estoque nos países produtores é considerado insignificante. Isso se compara ao consumo global total de 79 milhões de sacas no ciclo 1991-92, de acordo com a OIC, e os analistas concordam que a demanda global não mostra sinais de declínio.

Após a confirmação dos danos causados ​​pela geada no Brasil, foi essa presença sutil que empurrou os preços dos Arábicas no mercado de Nova York para uma alta em sete anos de mais de US $ 2,20 por libra. Embora o dano total da geada e da seca não chegue a 10 a 15 por cento, será equivalente ao total da colheita de café da Colômbia no ciclo médio. Mas as perdas podem ser ainda mais exacerbadas, pois as flores novas para a safra de 2022 já perderam suas flores de primeira rodada devido à falta de chuva e muitas áreas reduziram a produção em 30 a 40 por cento, tanto por falta de chuva quanto por chuvas tardias.

READ  Trabalho em Mind Games: Grupo B - Eliminatórias para as Olimpíadas da FIFA divididas na Croácia

“O problema é agravado pela falta de água no solo e nas árvores das áreas afetadas pela seca desde o ano passado, com fortes chuvas entre março e setembro”, diz o economista brasileiro Marco Antonio Jacobs. Trabalha com Analista de Negócios de Café há mais de 40 anos. Agrônomos e especialistas em clima concordam que o déficit hídrico, considerado necessário para garantir uma floração saudável, é inferior a 10 a 20 por cento.

“O que estamos enfrentando agora [whether there] Haverá chuva suficiente para impedir mais safras do que as já dadas ”, disse o meteorologista Mike Palmerino.

As exportações começarão a diminuir à medida que a oferta do Brasil continua diminuindo, e os analistas concordam que a Konap pode cortar as exportações brasileiras em 50 por cento nos próximos 12 meses, de 46,5 milhões de sacas para 23,9 milhões de sacas. 2020-21 anos. Isso levará eventualmente a escalas e outros no comércio a começar a comprar as ações restantes em armazéns portuários nos países importadores. Junto com isso, as safras esperadas de outros importantes países produtores de café, como Vietnã, Colômbia, Honduras e Índia, são menores do que o esperado.

“Vai faltar café no mercado. Onde no mundo podemos encontrar 25,5 milhões de sacas para sustentar a demanda crescente? ”, Questiona Marcelo Fraca Morera, analista e corretor da Archer Consulting em São Paulo, em nota de pesquisa interna. G.C.R.. Só está claro que até que o ciclo produtivo do Brasil comece a se recuperar em 2025, ele não será capaz de ajudar a atender à demanda global.

Sylvia Fonte, dona de 2,2 hectares de café na região montanhosa de Serra Negro, em São Paulo, está decidida a recuperar a produção até que a fazenda da neve fique 100% livre de perdas, mas admite que não será fácil. “Aqui temos infelizmente três quartos das quatro geadas com temperaturas que variam de -2 ° C a -4 ° C. Isso é muito forte”, diz ele, expressando o sentimento que a maioria dos produtores no Brasil experimenta. “Agora temos que estudar as várias opções de financiamento para voltar ao negócio, mas temos que começar de novo.”

As perspectivas eram sombrias, e consumidores e torrefadores deveriam estar preparados para preços mais altos.

Este artigo foi publicado originalmente na edição de novembro / dezembro de 2021 do Global Coffee Report. Consulte Mais informação Aqui.