Julho 4, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Provedores de NH estão aprendendo como ajudar melhor os imigrantes brasileiros

New Hampshire é o lar de uma crescente população brasileira, mas alguns advogados e médicos locais dizem que a falta de comunicação e os mal-entendidos culturais dificultam o acesso das pessoas dessa comunidade aos cuidados de saúde.

O treinamento mais recente, fornecido pela Ascentria Care Alliance, uma organização local de apoio à imigração e aos refugiados, busca ajudar os prestadores de serviços médicos de New Hampshire a atender melhor às necessidades de seus pacientes brasileiros.

Webinar Virtual reúne profissionais de saúde brasileiros para tirar dúvidas e dar conselhos sobre como melhorar o relacionamento médico-paciente: superar as barreiras linguísticas, ter mais tempo para aprender sobre os pacientes durante as consultas médicas e entender melhor as barreiras de acesso. Saúde.

Como consta nele Conselho Brasileiro de New Hampshire, A maior parte da comunidade brasileira no estado está concentrada em Nashua. Todos os três treinadores são dessa cidade.

“Muitos brasileiros temem que os médicos não os entendam”, disse Sylvia Bedak, agente comunitária de saúde da Nashua Public Health and Community Services. “Precisamos de tradutores brasileiros que entendam o idioma e a cultura.”

Vatila Burby, Um terapeuta brasileiro No Centro Psiquiátrico Greater Nashua, os paramédicos acreditam que os brasileiros falam espanhol – quando na verdade falam português.

“Faz uma grande diferença quando você tenta se comunicar com seu provedor”, disse Burby.

Mas a linguagem é um dos fatores que cria desconforto para os pacientes brasileiros locais, disse Burby. Ele explicou que a imigração pode ser traumática, levando à solidão e à depressão. Pode ser difícil fazer com que os médicos entendam essa experiência.

Profissionais em formação, os brasileiros procuram alguém para conversar sobre seus sentimentos, mas os médicos geralmente não se apressam e aproveitam para conversar com eles sobre o dia a dia – isso pode fazer uma grande diferença para ganhar sua confiança.

READ  Em todo o mundo: coisas favoritas do designer de joias brasileiro Fernando Jorge

“Este [behavior] Isso diminui a autoestima e aumenta o isolamento”, disse Burby.

O estigma em torno da saúde mental também pode ser um desafio, “especialmente a população masculina”, disse Burby. Muitos brasileiros não querem que ninguém saiba que têm um problema de saúde mental porque têm medo de não serem mais convidados para eventos sociais.

Como os provedores explicaram durante este treinamento, para muitos brasileiros a socialização e estar cercado por familiares e amigos é uma alta prioridade. O mesmo vale para demonstrar amor: alguns brasileiros podem abraçar e beijar outros, inclusive seus médicos.

Se necessário, os profissionais podem explicar que não se sentem à vontade com esses tipos de cumprimentos, mas também devem observar como eles rejeitam esses contatos porque podem não parecer suficientes para seus pacientes.

Mas para muitos brasileiros locais, obter tratamento médico em primeiro lugar é o maior desafio. De acordo com advogados locais, muitos estão lutando para pagar o seguro de saúde e os custos médicos mais altos os impedem de retornar às consultas.

Bruno de Brito, fundador do Conselho Brasileiro de New Hampshire, disse: “Precisamos de manutenção acessível e serviços adicionais para pessoas de baixa renda”.

D’Brito disse que sua experiência trabalhando com uma comunidade brasileira local, não um advogado ou médico, mostrou a ele como questões de imigração, por exemplo, podem afetar a saúde mental de uma pessoa.

“A impossibilidade de tirar a carteira de motorista quando não têm o documento ou a carteira profissional os afeta quando chegam”, disse. “Eles podem se sentir sobrecarregados.”

Petuck, um agente comunitário de saúde, disse que muitos brasileiros que vivem em New Hampshire já trabalharam como advogados, psicólogos ou engenheiros, mas não encontraram trabalho local nesses campos. Em vez disso, disse ele, alguns deles trabalham em trabalhos de limpeza doméstica ou em empregos fora do local onde são treinados. Essa separação também pode contribuir para a depressão, disse ele.

READ  O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salas, está renunciando ao cargo em meio a uma investigação de registro ilegal

Os membros da equipe decidiram que mais atividades médicas, como campanhas médicas, serviços de tradução e treinamento em outros idiomas, ainda eram necessárias em New Hampshire. Eles disseram que o treinamento cultural é importante para entender melhor a diáspora em rápido crescimento e servir melhor as pessoas que podem se sentir marginalizadas.