Outubro 17, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Protestos em massa no Brasil pedem indiciamento de Bolzano

Dezenas de milhares de manifestantes foram às ruas das maiores cidades do Brasil para exigir a derrubada de Jair Bolsanaro, enquanto uma pesquisa revelou que as avaliações do presidente brasileiro afundaram a novas profundezas.

Multidões se reuniram na cidade do Rio no sábado em resposta à resposta de Bolzano à explosão do governo que matou quase 600.000 pessoas e deu um grande golpe na economia sul-americana.

“Viemos gritar com toda a força: o lugar de Bolzano é atrás das grades”, disse Carlos Lupi, líder do Partido Democrático dos Trabalhadores do Brasil, a milhares de manifestantes agitando bandeiras, reunidos em um almoço em frente à prefeitura do Rio de Janeiro. .

“Esse truque para enganar as pessoas usando a Bíblia … esse verme! Essa vergonha! Ele deveria ir para a cadeia!”

Jandira Fecali, uma congressista do Partido Comunista do Brasil, exortou os oponentes de Bolsanaro a formar uma ampla coalizão entre os partidos contra o governo “fascista” do presidente. “600.000 vidas foram perdidas”, disse Fecali na manifestação. “Não podemos esperar mais. É hora de gritarmos: ‘Bolsanaro fora!’

Manifestantes de todas as classes sociais, da segunda maior cidade do Brasil, marcharam até o centro histórico do Rio de Janeiro.

Renato Pesero de Mello chegou com um grupo de amigos artistas, cada um carregando uma bandeira amarela e verde do Brasil. “Como nos sentimos sobre o estado de nosso país. É distorcido”, disse o artista de 61 anos.

“Ele é um cara mau”, disse de Mello sobre Polsanaro, a quem 58% dos brasileiros agora se opõem Enquete publicada antes do protesto. “Ele é a ponta do iceberg da pior coisa de todos nós.”

READ  Será que o calor do fenômeno da adolescência pode trazer de volta a emoção à superpotência brasileira?

A escritora Antonia Bellegrino, cujo avô foi uma figura chave na luta do Brasil contra a ditadura de 1964-85, disse que participou de seu primeiro comício anti-Bolzano depois de ser vacinado recentemente.

“É emocionante e precisamos estar nas ruas para impedir o processo destrutivo que está varrendo nosso país.”

José Manuel Ferreira Barbosa, decorador da Belfort Roxo, no norte do Rio, acusou Bolzano de ter vindo protestar contra o desemprego, o aumento da inflação e a disseminação da fome.

“O presidente reduziu os impostos sobre armas, mas não sobre alimentos básicos”, disse o homem de 63 anos, “nada de rifles, comida sim.” “Não podemos ficar quietos”, disse Barbosa sobre a catástrofe social no Brasil.

Apesar da crescente oposição a Polsonaro – um extremista de direita que critica o Brasil por destruir a economia, o meio ambiente e seu lugar no mundo – ele mantém a base de apoio incondicional de cerca de 20% do eleitorado.

O filho pródigo pró-Trump também continua a gozar do controle do Congresso, graças a um acordo com uma poderosa e infame coalizão egoísta de partidos de centro-direita conhecida como “Centrio”.

Se as crescentes facções dos oponentes de Bolsanaro não conseguirem destituí-lo do cargo antes da eleição presidencial de outubro próximo, a demissão será uma opção improvável.

Líderes da oposição no sábado fizeram fila para exigir tal unidade.

Ciro Gomez, um ex-ministro de centro-esquerda que deseja concorrer à presidência, disse que a acusação de Bolzano só seria possível se 120 representantes da oposição no Congresso derrotassem aliados conservadores. “Bolsanaro é um assassino em série, ele atacou a democracia e matou centenas de milhares de brasileiros”, disse Gomez, “de Bolzano!”

Enquanto marchava pela cidade do Rio, Alessandro Molen, o líder da oposição na câmara baixa do Congresso, disse que grandes manifestações de rua eram importantes para mostrar que a maioria dos brasileiros agora quer deixar Bolzano. Outro grande desfile está programado para acontecer no dia 15 de novembro.

READ  O banco de investimento brasileiro planeja lançar uma fonte de moeda digital

“Temos que mostrar nas ruas o que as pesquisas já mostram em números – a maioria dos brasileiros não vai mais tolerar o desgoverno que causou 600 mil. [Covid] As mortes destruíram a economia brasileira e a reputação internacional do Brasil ”, disse Mollen.

“Ocupamos as ruas para dar visibilidade à maioria pacífica que não suporta o Bolsanaro”.