Novembro 28, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Produtores americanos de carne querem fechar toda carne in natura vinda do Brasil

A maioria dos produtores de gado dos EUA que discorda está pedindo coletivamente uma suspensão imediata de todas as importações de carne bovina fresca do Brasil para os Estados Unidos. Eles dizem que o Brasil, um dos maiores exportadores de carne bovina do mundo, está colocando em risco os consumidores americanos.

Tanto a National Cattlemen’s Beef Association (NCBA), com sede em Denver, quanto a R-CALF USA de Billings, MT, o secretário de Agricultura Tom Wilsock querem a suspensão imediata das importações de carne bovina in natura do Brasil para os Estados Unidos.

O Serviço de Pesquisa e Segurança Alimentar (FSIS) do USDA interrompeu as exportações de carne crua do Brasil pela última vez em 2017. Em 21 de fevereiro de 2020, a suspensão terminou.

O Brasil está sujeito a reinspeção nos portos de entrada dos EUA por analistas de importação do FSIS, conforme exigido para carnes, aves e produtos processados ​​de ovos de outros países.

Em uma carta de 12 de novembro para Wilzack, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) pediu uma nova suspensão até que o USDA conduza uma avaliação de risco completa e uma revisão dos procedimentos usados ​​para diagnosticar doenças e outras ameaças aos consumidores. .

O NCBA instou o USDA a reconsiderar o sistema de laboratório de diagnóstico veterinário no Brasil.

“Até que o USDA confirme que o Brasil atende aos mesmos padrões de consumo e segurança alimentar que aplicamos a todos os nossos parceiros comerciais, é hora de manter a carne bovina brasileira fresca fora deste país”, disse Ethan Lane, vice-presidente de assuntos governamentais da NCBA .

“A NCBA há muito expressa preocupação com a história do Brasil, deixando de relatar em tempo hábil os vários casos de BSE que duraram até 2012. Seu histórico ruim e falta de transparência levantam sérias dúvidas sobre os níveis de produção de carne bovina e bovina do Brasil, bem como o nível de proteção que os produtores americanos têm. “Se não podemos nos reunir, não há lugar para sua produção aqui”, acrescentou Lane.

O Brasil levou mais de oito semanas para relatar dois casos confirmados de encefalopatia espongiforme bovina (BSE), de acordo com relatórios divulgados pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). A OIE declara que os países devem notificar o público em 24 horas sobre qualquer ocorrência de doença animal que possa ser de interesse internacional para emergências de saúde pública.

Após a queda do mercado em 2003, os produtores de gado americanos trabalharam diligentemente para proteger os consumidores e restaurar a confiança no país e no exterior. Agricultores e pecuaristas se beneficiam muito da necessidade da carne bovina, que se baseia na integridade, transparência e nos mais elevados padrões científicos.

De acordo com os produtores de carne bovina americanos, nenhum país deve ser afetado pela confiança do consumidor pela qual nossos produtores trabalharam tanto. As empresas brasileiras de carne bovina precisam provar que são dignas de acesso aos consumidores americanos.

A R-CALF USA escreveu uma carta a Wilsack em 15 de novembro declarando que havia aceitado o pedido da NCBA para suspender todas as importações de carne bovina fresca do Brasil para os Estados Unidos.

A carta da R-CALF USA compartilha das preocupações da NCBA sobre o repetido fracasso do Brasil em fornecer notificação oportuna de surtos de encefalopatia espongiforme (BSE ou doença da vaca louca) em 2012, 2014, 2019 e este ano.

No entanto, ao contrário do pedido da NCBA de uma suspensão aplicável apenas à carne bovina fresca, a demanda do R-CALF USA é tão abrangente que a investigação dos EUA sobre a dieta do Brasil deve interromper imediatamente a importação de todos os produtos bovinos pendentes. Sistema de conservação e seu sistema de laboratório de diagnóstico veterinário.

O comitê agrícola diz que uma suspensão mais abrangente é necessária porque os processos de aquecimento relacionados à carne não podem inativar o príon BSE. O não cumprimento pelo Brasil dos requisitos de relatórios de EEB desencadeou a suspensão. Em uma carta para R-CALF USA, “Todas as importações Tudo A carne bovina sujeita à contaminação com BSE deve ser suspensa.

O comitê agrícola aponta que o caminho para relatar as violações brasileiras revela que as sanções lideradas pelo governo não funcionaram para mudar as práticas do Brasil. Ele recomenda que Wilsock ajude o Congresso a implementar a Rotulagem Obrigatória por País (MCOOL) recentemente introduzida para o projeto de lei da carne bovina (S.2716), que, segundo ele, fornecerá uma abordagem baseada no mercado para a fiscalização que seria mais eficaz para forçar o Brasil. Compatível.

Capacitar os consumidores a escolher se desejam comprar bens em países como o Brasil, ou países que estão envolvidos no desmatamento ao redor do mundo, que visa contornar as expectativas de segurança alimentar dos EUA, só é possível se o S.2716 for promulgado. O comitê insiste.

A carta afirma que o projeto de lei da MCOOL “produzirá carne bovina estrangeira sob os mesmos altos padrões exigidos nos Estados Unidos e capacitará os consumidores a usar a abordagem de mercado que os consumidores americanos esperam”.

Os dois sistemas de carne bovina freqüentemente se opõem em questões. A NCBA representa uma ampla gama de indústrias, de fazendas a grandes marcas de carne bovina, e a R-CALF é uma organização exclusivamente industrial.

(Para se inscrever para uma assinatura gratuita do Food Safety News, Clique aqui.)

READ  Pressão para reduzir o realismo do Brasil até 2022, disse um funcionário do Zenbank