Julho 2, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Presidente do Senado brasileiro indica votação de propostas para baixar preços de combustíveis à medida que o petróleo sobe

BRASÍLIA, 2 Mar (Reuters) – O presidente do Senado brasileiro, Rodrigo Pacheco, disse nesta quarta-feira que projetos de lei para conter o aumento dos preços dos combustíveis estarão na mesa na próxima semana em meio a uma pressão renovada sobre os preços após a invasão russa da Ucrânia.

“Mais do que nunca, diante do aumento dos preços do petróleo, precisamos tomar medidas para impedir que os preços dos combustíveis subam”, escreveu ele no Twitter, quando os preços do petróleo passaram de US$ 110 o barril. consulte Mais informação

Um dos projetos citados por Pacheco cria um fundo de estabilização dos preços dos combustíveis, enquanto o outro altera as regras de cálculo do ICMS estadual. Segundo o chefe da Câmara Alta, ambos estarão “na agenda do Senado” na próxima semana.

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

O forte aumento dos preços dos combustíveis contribuiu para a inflação de dois dígitos na maior economia da América Latina. O presidente Jair Bolsonaro, que busca aumentar sua popularidade antes das eleições de outubro, já sinalizou apoio a propostas de redução de impostos sobre combustíveis.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, é contra o fundo de estabilização, mas é favorável a mudanças no cálculo do ICMS. Ele argumentou que as medidas podem sair pela culatra se enfraquecerem a moeda real, o que aumentaria os produtos importados, a inflação e os juros.

No comando de uma das políticas de aperto monetário mais agressivas do mundo, o banco central brasileiro também disse que medidas de curto prazo para combater a inflação podem pressionar os preços a longo prazo.

Reportagem de Maria Carolina Marcello; Texto de Marcela Ayres; Edição por Sandra Maler

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.