Agosto 16, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Presidente do BC diz que pior parte da inflação no Brasil já passou – MercoPress

Líder do BC diz que a pior parte da inflação no Brasil já passou

Terça-feira, 28 de junho de 2022 – 09:31 UTC


“Em última análise, mercados que produzem alimentos e energia”, insistiu Campos Neto

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central do Brasil (BCB), disse nesta segunda-feira que a pior parte da inflação em seu país passou, depois que as ferramentas certas foram tomadas para frear o processo.

A Compos NATO disse aos participantes da Comissão da Ordem Pública Internacional e da Erosão do Futuro, que integra a X Assembleia Legislativa de Lisboa, na capital portuguesa, que “o pior momento da inflação passou”.

Em seu discurso, a Otan lembrou que o Brasil foi um dos poucos países do Produto Interno Bruto (PIB) a ter revisões para cima em meio a esse processo. Ele disse que, graças ao histórico de altas taxas de inflação no Brasil, a Autoridade Monetária Local conseguiu “se apresentar”.

“Nossa última emenda ao banco central também aumentou [the GDP growth forecast] 1,5% a 1,7% [in 2022]. Teremos um PIB forte no segundo trimestre. Aparentemente, em algum momento, tudo o que fizermos criará alguma recessão no segundo semestre. No entanto, o crescimento é muito melhor do que o esperado no início do ciclo”, disse Campos Neto.

“Como nós no Brasil entendemos que isso é um problema de necessidade, o banco central brasileiro avançou um pouco mais cedo do que outros países porque temos uma longa memória de mecanismos de inflação e índices. Muito vivo”, disse.

A Compos OTAN destacou que todos os países estão elevando suas taxas de juros e enquanto alguns países estão na faixa do meio, o Brasil já está muito perto de fazer todo o trabalho. “Ainda veremos alguns países aumentarem demais as taxas de juros”, enfatizou.

READ  Brasil bate recorde 'preocupante' de desmatamento na Amazônia | Notícias do meio ambiente

O Brasil ainda é “um componente da aceleração da inflação; temos algumas medidas desenhadas pelo governo, ainda precisamos entender o impacto delas no processo inflacionário, ainda não está claro, mas o Brasil fez o processo esperado, e esperamos que nosso instrumento é eficiente e vai controlar o processo inflacionário.”, continuou Campos Neto.

Ele acredita que os índices de inflação registrados em muitos países são derivados da “desconexão entre preços e investimento” além do petróleo, incluindo alimentos.

“Os governos estão enfrentando um dilema para garantir energia e segurança alimentar para as pessoas”, disse ele. Nesse sentido, “muitos países estão adotando medidas protecionistas que irão poluir o resto da cadeia inflacionária devido à guerra” e enquanto os governos anseiam por desenvolver a segurança alimentar e energética, tudo está sendo feito de forma descoordenada. Cria uma queda no investimento”, explicou o responsável brasileiro.

Para ele, a falta de coordenação reduz o investimento tanto em energia quanto em alimentos. “Precisamos entender que os produtores de alimentos e energia são o setor privado, não o governo.

(Fonte: Agência Brasil)