Julho 2, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Política de floresta tropical no Brasil e no Congo

Após a destruição de uma floresta tropical que foi importante para os esforços de prevenção do aquecimento global, meu colega Dion Cierce fez uma viagem pelo rio Congo, que expôs a vasta indústria madeireira, a maioria ilegal.

O artigo descrevia problemas semelhantes aos que vi na floresta amazônica no Brasil: desmatamento generalizado, a história de uma comunidade ocupacional ilegal e liderança corrupta.

Há uma diferença importante embora.

Com o presidente brasileiro Jair Bolsanaro se recusando a reconhecer o problema e prejudicando seriamente as políticas de proteção ambiental, Felix Shisekedi, presidente da República Democrática do Congo, quer que seu país seja um líder climático.

O Congo e o Brasil abrigam duas das maiores florestas tropicais do mundo. Suas políticas governamentais moldarão o potencial dessas florestas para se tornarem poderosos sumidouros e abrigos de carbono. Quase a metade Espécies do mundo.

Conversei com Dion para entender as semelhanças e diferenças entre os dois países.

Manoel: As florestas do Brasil e da República Democrática do Congo parecem enfrentar desafios semelhantes. Mas a resposta do presidente Jair Bolzano foi cega ao crime ambiental. Como a atual liderança do Congo vê esses problemas?

Dion: Os que estão no poder agora expressam cada vez mais o desejo de conservar os recursos da nação e viajar para conferências climáticas globais e estão ansiosos para obter a atenção e os recursos necessários para proteger suas florestas com o presidente Biden e outros líderes ocidentais. Oficiais congoleses foram recentemente recrutados Um ativista da DC Enfatizar o apoio às questões climáticas, entre outras questões econômicas.

Quando me encontrei com o presidente CZEC no ano passado, ele disse: “Temos uma energia incrível para energia renovável, seja por meio de nossos metais estratégicos ou por meio de nossos rios”, disse ele, referindo-se tanto à mineração quanto à energia hidrelétrica. “Nossa ideia é, como podemos tornar este recurso maravilhoso disponível para o mundo, mas primeiro garantir que ele beneficie o povo do Congo e que beneficie os africanos?”

Dion: O presidente da Tchecoslováquia foi deposto em uma eleição controversa após décadas de líderes corruptos. Os Estados Unidos e outras nações ocidentais tentaram derrubar seu antecessor, o ex-presidente Joseph Kapila, do poder, de modo que o presidente da Tchecoslováquia tem forte apoio dos EUA – e os ouvidos dos diplomatas americanos que apresentam a agenda climática. Mas depois de empregar os primeiros anos de seu mandato em apoio à sua liderança no país, ele não teve tempo de estimular os esforços climáticos e agora enfrenta a reeleição e as tensões políticas com o vizinho Ruanda.

Manoel: Autoridades da República Democrática do Congo disseram a vocês que todos os envolvidos na extração de madeira estão de alguma forma violando a lei e que isso está acontecendo visualmente. No Brasil, descobrimos que muitas cidades amazônicas têm apropriação ilegal de terras, mineração ou extração de madeira no centro de sua economia. Quais são as forças motrizes por trás desta realidade na RDC?

Dion: Muitas pessoas que vivem nas selvas do Congo estão tentando sobreviver. A floresta é frequentemente cortada para que eles possam cultivar ou cozinhar carvão, mas a extração de madeira industrial e artesanal (ou em pequena escala) também desempenha um papel no desmatamento. No Congo, muitas forças estão em jogo, começando há muitas gerações e terminando com o colonialismo, dificultando a substituição de sistemas quebrados. O país enfrentou guerras e tem uma linhagem de líderes corruptos que usaram os ricos recursos naturais do país como seu cofrinho. Esses tipos de problemas estruturais não são facilmente evitados. E o colapso do governo em geral leva a faisões em áreas remotas da floresta.

Manoel: Muitos observadores sugeriram o fracasso das políticas de segurança sob a atual administração do Brasil em se concentrar na criação de empregos em indústrias não destrutivas. A liderança no Congo está pensando em parte desse problema?

READ  Relatório de Oportunidades de Investimento e Mercados Financeiros Incorporados do Brasil 2022: Espera-se que o mercado cresça 45,3% para atingir US $ 3,74 bilhões em 2022 - Previsões para 2029

Dion: Esta conversa é o tema de intermináveis ​​seminários educacionais e reuniões governamentais no Congo e em todo o mundo. Muitas empresas estão tentando projetos em pequenas áreas, mas ninguém parece ter uma solução mágica ainda. O Banco Mundial começou a financiar há alguns anos Um projeto de sustentabilidade na província de Mai Ndombe, Os moradores da terra em ruínas podem pagar por mudas de acácia que podem ser cultivadas e depois usadas para carvão e construção. As empresas madeireiras precisam tecnicamente colocar projetos comunitários em suas comunidades madeireiras. Mas os moradores dizem que esses acordos nem sempre estão sendo cumpridos.

Manoel: O que mais me impressiona na crise ambiental na Amazônia é que muitos produtos que são colhidos de forma destrutiva, como couro e ouro, são vendidos a preços baixos para países ricos e depois se tornam mais rentáveis ​​na produção. Produtos. Como o povo da Bacia do Congo vê essa desigualdade?

Dion: As pessoas que conheci no Congo durante a reportagem sobre importantes recursos naturais globais – cobalto e árvores – foram devastadas por esses desequilíbrios. Alguns gravadores que conheci ganham US$ 6 por dia para levar seus discos ao mercado, o que é um trabalho perigoso e arriscado. Quando relatei uma série sobre cobalto metálico usado em baterias de veículos elétricos e iPhone, muitos mineiros que trabalham em condições horríveis não tinham ideia de onde o cobalto estava indo. Eles ficaram com o coração partido quando eu disse a eles.


De 30 de junho a 2 de julho, você pode passar três dias conosco em ciência, cultura, política e debate. Entenda quais ações foram tomadas após a COP26 em Glasgow e qual urgência é necessária. Registre-se aqui Participe online, em tempo real ou sob demanda.



Problemas nucleares: Enquanto a Europa luta para romper os laços com o petróleo e o gás da Rússia, uma crise forçou a França, outro importante exportador de energia, a desconectar metade de suas instalações nucleares.

De volta ao carvão: A Alemanha vai reabrir usinas a carvão para evitar escassez após a Rússia, reagir a sanções e suspender o fornecimento de gás para vários países europeus.

A ciência está à beira da extinção: Um incêndio florestal no Arizona destruiu quatro edifícios no Observatório Nacional Kid Peak. Ninguém ficou ferido e as autoridades disseram que os binóculos estavam seguros.

Tudo isso está ligado a: Jovens ativistas na Europa Oriental estão associando a ação antiguerra à luta contra as mudanças climáticas. Dizem que os combustíveis fósseis são comuns.

Avanço: A ambientalista Francia Marquez será a primeira vice-presidente negra da Colômbia. O país também elegeu seu primeiro presidente de esquerda no domingo.


‘Trabalhar juntos ou separados:’ O conselho editorial escreve que a única maneira no mundo de combater as mudanças climáticas, a crise alimentar e a inflação é unir esforços.

As nozes convertem a urina humana em composto. Isso parece divertido, Porque é. Mas é sério. A invasão da Ucrânia pela Rússia desencadeou uma escassez de fertilizantes que ameaça o abastecimento de alimentos em todo o mundo. Mas isso não é tudo. Os fertilizantes químicos geralmente vêm de combustíveis fósseis, que contribuem para o aquecimento global. Transformar urina em composto pode começar a enfrentar esses desafios – e também economizar água que é descartada no vaso sanitário. As brincadeiras são apenas um bônus.


Obrigado por ler. Volte na sexta.

Manuela Andreoni, Claire O’Neill e Sarah Graham contribuíram para Climate Forward.

Entre em contato conosco em ClimateForwardnytimes.com. Lemos todas as mensagens e respondemos a muitas outras!