Setembro 26, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Os varejistas brasileiros estão em busca de fusões e aquisições para competir pelo domínio do comércio eletrônico

4 de agosto (Reuters) – Ozil da Silva Santos precisava de uma nova TV em março do ano passado, mas não sabia como conseguir um homem de 50 anos porque as lojas foram fechadas devido às restrições do Covit-19 na cidade de Belém, no norte do Brasil. Ele ligou para o gerente da loja por meio de um link no site da varejista de móveis Via Varejo (VVAR3.SA).

Na outra ponta da linha estava Railton Sambayo, gerente da maior Via Varejo da cidade. Zambio o ajudou a comprar uma TV online enviando-lhe um link de pagamento via WhatsApp, um processador de mensagens comumente usado.

Santos é um dos milhões de brasileiros que compram pela primeira vez online em decorrência da epidemia de um novo mercado importante para os maiores varejistas do país. As lojas estão adotando suas estratégias – e adotando fusões e aquisições (M&A) para facilitar a transição de clientes inexperientes para as compras pela Internet.

Em quatro meses, Santos realizou mais cinco compras online com a ajuda dos vendedores do Varejo, gerando comissões para os lojistas.

A equipe de vendas da Sambo é um exemplo de como aumentar a receita e atrair novos clientes online para a estratégia digital crescente entre os maiores varejistas do Brasil, depois que a maioria das lojas físicas foram fechadas no início da epidemia.

As vendas do Vare Varejo despencaram 70% em março de 2020, quando as maiores cidades do Brasil forçaram o fechamento de todas as lojas. Quase imediatamente, o varejista começou a vender seus 20.000 vendedores por meio de sites de redes sociais como Facebook e WhatsApp. “O Epidemic acelerou nossa transformação digital e fizemos em poucos meses o que esperávamos por um ano”, disse o CEO do Varejo, Roberto Fulcherberguer.

READ  O iPhone 13 é o mais caro do Brasil, Índia e outros países, e o mais barato dos Estados Unidos

Cada loja abriu uma conta no Facebook, com as primeiras ofertas de marketing dos vendedores para amigos e familiares. A campanha para o apelido brasileiro do popular processador de mensagens WhatsApp “Call on a Job” proporcionou salas de bate-papo online com gerentes de loja.

‘Vencedores e perdedores’

Embora as lojas físicas tenham reaberto nos últimos meses devido ao lançamento nacional da vacina, o Varejo e concorrentes como Louisa SA (MGLU3.SA) e Lojas Americanas SA (LAME3.SA) continuam fazendo vendas online. Por meio do Varejo, 56% da receita vem das vendas online, o que é 30% pré-infecção.

“Os vendedores agora estão interessados ​​em vender online. Recebo boa parte das minhas comissões online”, disse Karina Ferreira Dias, vendedora de uma grande loja da Via Voro na região metropolitana de São Paulo. Ao contrário de outras empresas, a Via Varejo não cortou pessoal, embora a maioria de suas lojas tenha sido fechada.

A Revista Louisa tem uma estratégia semelhante. “Durante as epidemias, os vendedores conseguem vender por meio de um aplicativo. Eles recebem comissões por tudo o que vendem online, no mercado, produtos de terceiros ou pessoalmente”, disse seu vice-presidente, Eduardo Calendernik.

As maiores empresas, Louisa, Via Varejo e a varejista de roupas Lojas Renner, emitiram mais de US $ 3 bilhões em ações e investiram os recursos principalmente em fusões e aquisições.

A estratégia de Fusões e Aquisições da Magazine Louisa e Varejo é aumentar sua presença digital em face da crescente concorrência de uma das empresas mais valiosas da América Latina, Mercadolipray Inc. (MELI.O), Amazon.com Inc. (AMZN.O) e muitas outras. Ali Express. Cada um deles construiu grandes mercados com dezenas de milhares de fornecedores terceirizados.

READ  Vaca Muerta - Brasil negocia com Argentina para construção de gasoduto de Bolsonaro

No mês passado, a Via Varejo adquiriu o Fintech Celer com o objetivo de aprimorar os produtos financeiros oferecidos por seu banco digital e processador de crédito BanQi. Ela adquiriu seis empresas desde o ano passado e criou um fundo de capital de risco que vai investir 200 milhões de riais em startups de tecnologia nos próximos cinco anos.

A Louisa Magazine adquiriu 12 empresas no ano passado, nove das quais eram start-ups de tecnologia. Até o momento, neste ano, a empresa adquiriu 10 empresas, incluindo empresas de entrega, fintechs e empresas de e-commerce especializadas em cosméticos, alimentos e videogames.

A maioria dos negócios promoveu o serviço “Omnisonal” para os consumidores, com os varejistas brasileiros esperando que a combinação de serviços online e offline os ajudasse a competir com empresas maiores de Internet. A Revista Louisa, por exemplo, abriu 23 novas lojas de física no Rio de Janeiro no mês passado e planeja chegar a 50 até o final deste ano.

Alguns varejistas, por falta de fluxo de caixa e estratégia digital durante a epidemia, faliram, como as livrarias Saravai Liveros (SLED3.SA) e a varejista de aparelhos Magvina de Vendas. Os analistas financeiros dizem que agora é menos provável que saiam disso.

“A epidemia dividiu severamente os varejistas e vencedores brasileiros e o que eles fizeram durante este período definirá seu futuro”, disse Ricardo Lazerta, CEO do Investment Bank PR Partners, que aconselhou os maiores varejistas do Brasil.

($ 1 = 5.2128 rias)

Relatório de Tatiana Potser, declaração adicional de Jimin Kang; Edição de Aurora Ellis

Nossos padrões: Políticas da Fundação Thomson Reuters.