Novembro 28, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Onde está a carne? Proibição de carne na China deixou autoridades brasileiras confusas

As autoridades brasileiras estão cada vez mais impondo uma proibição chinesa à carne bovina, que já dura mais de um mês e ameaça destruir exportações no valor de cerca de US $ 4 bilhões por ano.

Brasília parou voluntariamente de exportar proteína para a China – seu maior mercado – no início de setembro e confirmou dois casos de “doença estranha” da vaca louca em fábricas de carne individuais em todo o país.

Muitos esperavam que Pequim retomasse as importações em breve, pois nenhum sintoma foi detectado no Brasil. No entanto, a suspensão durou quase seis semanas, gerando um choque crescente entre as autoridades brasileiras e suas grandes empresas de panificação.

“O Brasil está totalmente aberto às autoridades de saúde chinesas. Respondemos prontamente a todos os pedidos de informações que nos foram enviados. Além disso, solicitamos uma reunião técnica ainda não agendada pelas autoridades chinesas para analisar as informações que enviamos”, informou um ministério brasileiro. da Agricultura disse oficial.

“Não podemos definir uma data para a retomada das exportações de carne bovina para a China porque a decisão não depende de nós.”

O Brasil é o maior exportador de carne bovina do mundo e suas empresas de panificação de carne, incluindo JBS e Morphric, obtiveram enormes lucros com o mercado de proteína na China.

Entre janeiro e julho deste ano, as exportações de carne bovina do Brasil para a China alcançaram 490.000 toneladas e vendas de US $ 2,5 bilhões, um aumento de 8,6% e 13,8%, respectivamente. Associação Brasileira da Indústria Exportadora de Carnes.

READ  Rio Grande do Brasil assina memorando de entendimento para ampliar portfólio de renováveis

Um executivo de uma grande empresa de panificação de carnes disse: “É incrível como a suspensão durou tanto tempo, espere uma solução logo, mas não há garantias.”

A Irlanda está monitorando de perto a situação, já que a China ainda não suspendeu a proibição das importações de carne bovina irlandesa após a “estranha” doença da vaca louca do ano passado. Pequim também anunciou a proibição da carne britânica para gado com idade inferior a 29 a 30 meses, após a descoberta de um caso em Somerset no mês passado.

A proibição da carne bovina do Reino Unido pela China é um golpe para os agricultores britânicos que esperavam retomar as exportações de carne bovina ao país, de acordo com o Agriculture and Horticulture Development Board, órgão consultivo agrícola do Reino Unido. Apesar de assinar um acordo ético para suspender sua proibição de longa data à carne bovina do Reino Unido em 2018 e retomar as importações no ano que vem, a China ainda não começou a comprar carne bovina do Reino Unido.

De acordo com o Ministério da Agricultura do Brasil, esses casos são considerados “diferentes”, dizendo “não há perigo para humanos ou animais”.

Nos últimos anos, a China tornou-se mais sensível às questões de segurança alimentar, especialmente no que diz respeito às importações. No ano passado, Pequim suspendeu as importações de várias fábricas de processamento de carne brasileiras, alegando temores de que explosões nas instalações Covit-19 poderiam colocar o vírus de volta no país.

Um consultor veterinário e de carnes australiano disse que a China pode fechar os olhos às importações vindas indiretamente do Vietnã e de Hong Kong e manter uma recente proibição à carne brasileira: “A China precisa de carne, mas também precisa salvar a face. O canal cinza é um dos as únicas opções.

READ  O estudo de Bolsanaro no Brasil oferece conforto para famílias Covid-19

Alguns analistas brasileiros acreditam que seja uma barreira para a China obter vantagem comercial.

“Esse atraso na retomada pode ser uma tática para melhorar os preços e o poder de barganha. Parece muito comercial porque, no que diz respeito à saúde, não há o que discutir”, disse Hyperville Neto, da carnes e consultor da indústria pecuária.

Na China, importadores disseram que a suspensão prolongada da carne bovina brasileira teria o maior impacto considerando o tamanho das exportações, mas a maioria espera que o comércio comece em breve.

“A carne bovina brasileira representa cerca de um terço de nossos negócios. Estamos aumentando nossas importações de outros países do norte da Europa e do Cazaquistão”, disse um gerente da Chengdu Hyundai Trading Company.

Chenzhun Ban, especialista em agricultura chinês do Rabobang, disse esperar que as exportações sejam retomadas “dentro do ano”.

“Atualmente a oferta de carne suína na China é adequada e vai resolver o problema [of protein shortages and substituting Brazilian beef]. A carne bovina não é a principal proteína animal, portanto não é um suprimento estratégico de proteína animal para o governo chinês.

A suspensão deixou o destino de 100 mil toneladas de carne bovina brasileira, certificada antes da paralisação do comércio, mas depois embarcada. Pequim parece estar negando a entrada do produto.

“Parece-me que existem produtos como portos de transbordo ou deixar a China ociosa”, disse um executivo do departamento de resgate do Brasil.

O assessor da indústria australiana disse que o navio seria embarcado via Vietnã ou Hong Kong, mas não poderia ser desviado.

“A vontade de voltar ao Brasil não acontecerá porque aquele mercado está saturado de carne bovina e com o vidro errado não pode ir para os Estados Unidos ou outros mercados, sem certificados sanitários e sem rotulagem da China”.

READ  Elora do Brasil vai investir US $ 790 milhões em renováveis

Relatório adicional de Michael Pooler e Carolina Police Elas Palo e Emma Cho em Pequim