Agosto 16, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Olimpíada de Xadrez: dupla indiana de GMs no comando das equipes do Brasil | Notícias de xadrez

Imagem representativa (Foto da Reuters)

Chenai: Nome Brasil Apaixonado por milhões de fãs de futebol ao redor do mundo. Os gigantes sul-americanos são favoritos para a Copa do Mundo da FIFA no Catar no final deste ano, mas o Brasil não é um troféu nas 64 praças.
Equipes do Brasil que participam das Olimpíadas Mahabalipuram Há alguns jogadores fortes nas divisões Aberta e Feminina este mês.
Na tentativa de causar impacto no evento, o Brasil Xadrez Priyadarshan Kannappan e dois Grandes Mestres Indianos se juntaram à Federação Ankit RajparaComo capitães e treinadores de equipes.
Enquanto Priyadarshan, de Tamil Nadu, liderará a equipe do Open, Ankit, de Gujarat, será responsável pela divisão feminina. Curiosamente, Priyadarshan, com sede em Madurai, 44º Grande Mestre da Índia, foi indicado para o cargo principal por seu ex-colega de faculdade, Andre Diamant, que faz parte da equipe Open.
“Andre é meu veterano da Webster University nos EUA e nos conhecemos há muito tempo. Quando Andre me pediu para fazer parte da equipe, fiquei mais do que feliz em fazê-lo. Tenho certeza de que o Brasil tem uma incrível line-up de jogadores que ajudarão muitas equipes durante o torneio”, disse Priyadarshan ao TOI.
Quando Priyadarshan entrou a bordo, ele também vestiu o manto. Enquanto Priyadarshan treinou a equipe sub-júnior da Índia em 2019, Ankit até agora treinou apenas jogadores individuais.
“Treinar uma equipe é uma experiência completamente diferente”, disse Ankit ao TOI.
O Brasil tem uma rica história no jogo de xadrez, começando com o primeiro grande mestre do país, Henrique Costa McGinn. McGing vem do Brasil e é um dos melhores do mundo, classificado em 3º lugar em janeiro de 1978, atrás dos lendários Anatoly Karpov e Viktor Korchnoi.
Se olharmos para a equipe do Aberto do Brasil, todos os olhos estarão em Luis Paulo Subi, que derrotou Magnus Carlsen em apenas 18 lances em um jogo online em maio de 2020.
“A epidemia fez com que os jogadores de xadrez se tornassem populares no Brasil e milhões de pessoas assistem às suas partidas”, destacou André.
A seleção aberta do Brasil está em 28º lugar, enquanto a seleção feminina está em 36º lugar.
O 36º GM da Índia, Ankit, acredita que a equipe feminina é subestimada e pode surpreender no evento.
“Temos ativistas experientes como Therao Juliana Sayumi. “Ninguém vai tomar a equipe feminina como garantida”, disse Ankit.
Tanto Priyadarshan quanto Ankit estão treinando uma equipe internacional pela primeira vez.
Para um país com o futebol como seu coração, a Olimpíada oferece uma oportunidade para o xadrez reunir seguidores leais.
“Já existe muito interesse pelo esporte nas escolas ou entre os jovens. Temos 6.000 jogadores registrados e esse número aumentará no futuro. Mas para que isso aconteça, precisamos fazer um bom show na Olimpíada. Boas atuações em grandes torneios despertam automaticamente o interesse dos jovens”, disse André.
Ambos os treinadores estão realizando treinamento online.
Macedo Máximo, presidente da Federação Brasileira de Xadrez, tem vontade de conviver por muito tempo com Igor, Priyadarshan e Ankit.
“O Brasil tem muito talento. Queremos continuar essa parceria e estamos ansiosos para ver o xadrez se desenvolver em nosso país”, disse Macedo.