Outubro 17, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

O relatório sugere carnaval choroso para a Prefeitura do Rio de Janeiro no Brasil em 2022: sem certificado de vacina, sem abrigo

RIO DE JANEIRO, Brasil – Em uma cidade repleta de corrupção e acordos de bastidores, crianças são mortas por artefatos explosivos improvisados, militantes controlam vastas áreas e torres de telefonia celular não podem ser consertadas e atualizadas sem sua permissão, e apenas 14% dos assassinatos são detectados, e o carnaval “mais seguro” do mundo deve acontecer agora.

Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio, maior fabricante de vacinas de feijão-caupi do Brasil, apresentaram uma proposta a Hermano Castro e Roberto Metronho (UFRJ), reitor especial da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Comissão de Carnaval da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, Torcio Motta. O relatório também foi enviado à comissão de ciências da cidade.

Segundo Motta, o mais importante é que o índice de cobertura vacinal não é alto apenas na capital, o Rio. “Como o carnaval é um evento que atrai muitos turistas à cidade, temos que estar com 80% de vacinação no estado e em todo o país”, afirmou. O índice indica duas doses completas ou uma única dose.

Irmão Castro.  (Reprodução de fotos na Internet)
Irmão Castro. (Reprodução de fotos na Internet)

Não mencionado nas afirmações do relatório, um novo estudo científico em grande escala mostra uma falta de correlação entre a porcentagem da população totalmente vacinada e os novos casos de Govt-19.

A vacinação não é permitida sem passaporte

Os autores também sugeriram rastrear turistas. Por exemplo, no caso da rede hoteleira, antes e depois do carnaval, recomenda-se que os hotéis cobrem dos hóspedes os passaportes vacinados.

“Se você tem carteira de vacinação de outro país, de outro estado ou de outro município do Rio de Janeiro, você só pode se hospedar em hotel, pousada ou airbnb.

O relatório descreve outras ações que as autoridades precisam tomar. Dentre eles, a necessidade de passaporte vacinado em espaços fechados como câmaras, boates, bares e casas de festas é uma forma de proteção e apropriação coletiva da saúde pública.

READ  Os verdadeiros escorregões do Brasil na política dos mercados emergentes pesam as preocupações da China

A taxa de proteção da vacinação no Rio atualmente está em torno de 60%. Hermano Castro espera chegar a 65% em novembro e 80% até dezembro. “Como é um festival de fevereiro, acho que podemos atingir esses níveis.”

No Brasil, a taxa de proteção da vacina é cerca de 46% menor. Mas com a primeira dose, o percentual de brasileiros chega a 70%.

Maior fabricante da vacina Covit-19 no Brasil

Ressalta-se que a Fiocruz, impulsionadora e coautora deste relatório, tem grande interesse em garantir que as vacinas Govit-19 continuem disponíveis no Rio de Janeiro e no Brasil.

A Fiocruz estará na vanguarda para se beneficiar plenamente do interminável fim dos bilhões de gastos com vacinas. No final de maio de 2021, a Fiocruz havia ultrapassado a São Paulo’s Button para se tornar a maior fornecedora de vacinas contra Covit-19 no Brasil.

A empresa firmou acordo com a Oxford University e a farmacêutica britânica Astrogeneka para fabricar a vacina Covshield no Brasil.

A fabricante de vacinas Fiocruz iniciou a produção em massa da vacina Govt em março de 2021. Sua produção acontece no Friocross ou Bio-Mangoinhoes do Instituto de Tecnologia de Imunobiológicos do Rio de Janeiro.

Além disso, seu Instituto de Biotecnologia Imunológica (Bio-Manguinhos / Fiocruz) foi eleito pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como centro de desenvolvimento e produção de vacinas com RNA embaixador na América Latina (21 de setembro).