Setembro 27, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

O jogo exclusivo está acessível?

Lemur, Califórnia. (Abi) – Ítalo Ferreira cresceu sem fazer nada em uma cidade pequena.

O rumo de sua vida começou a mudar quando ele descobriu que surfava melhor com tampa cooler do pai, que vendia peixes na nativa Bana Formosa, no nordeste do Brasil.

Agora, o mestre do surf aéreo de 27 anos está vindo para ver o campeão mundial nas Olimpíadas de Tóquio.

“Comecei a navegar com a tampa de isopor da caixa que meu pai usava para congelar o peixe”, disse Ferreira em português. “Eu naveguei porque ele poderia flutuar e me pegar por alguns segundos em uma onda. Isso é o que me deixava feliz quando meu pai estava trabalhando.”

Este ano, Ferreira e o também brasileiro Gabriel Medina, de 27 anos, devem dominar a competição masculina na tão esperada estreia do surfe como esporte olímpico em Tóquio.

A legítima plataforma olímpica e a inesperada ascensão da dupla – apelidada de “Tempestade Brasileira” – ilustram como tem sido difícil tentar atrair um grande público para um esporte exclusivo na última década.

Enquanto a comunidade do surf há muito promete que o mar é para todos, as equipes profissionais de elite mostram um esporte uniforme, caro e inacessível. Os esforços recentes da indústria para ajudar a próxima geração de noivos fora dos hotspots regulares do Havaí, Califórnia e Austrália reconhecem implicitamente os atuais desequilíbrios em seu banco de talentos.

Gigi Lucas, fundadora da Surfnegra, uma organização sem fins lucrativos que financia e fornece campos de treinamento de surf para mulheres negras, disse que o básico custa aos recém-chegados cerca de US $ 1.000: prancha, roupa de neoprene, guia e aulas em grupo de uma semana.

READ  Azul do Brasil entra em táxis elétricos

No entanto, esta é a geografia, que é um aspecto fundamental do problema de acesso porque está integrada ao jogo de perseguição de ondas, pois depende das condições de surf em mudança sazonal de região para região.

Ele vem com bairros costeiros mais caros e viagens e transporte de áreas distantes ou mais urbanas. Depois, há a questão de ter interesse e expressão no jogo.

“Ainda existem barreiras invisíveis para tornar a navegação igual”, disse Lucas.

Por um lado, muitos negros estão isolados do mar porque foram proibidos em grande parte das praias públicas até o movimento pelos direitos civis na década de 1960. O legado do racismo formal é que algumas mulheres chegam ao seu projeto sem saber o básico de natação ou oceanografia.

Lucas, também conhecido como Black, disse que queria compartilhar seu amor pelo surf, mas não incentivou as mulheres a se profissionalizarem, lembrando que Black não tinha vantagem na primeira divisão da Liga Mundial de Surf. Em vez disso, ele incentiva as meninas a listar sua própria influência no esporte e encontrar interesses alinhados, como biologia marinha ou engenharia.

Cerca de 70% da equipe de desenvolvimento da USA Surfing hoje é da Califórnia, e quase todos os jovens surfistas são brancos. Greg Cruise, CEO da USA Surfing, disse que espera que a popularidade crescente das piscinas naturais ajudem a fechar algumas lacunas de acesso.

“Quando o surf está apenas nas fronteiras do continente, é um imóvel caro, que não é excluído pelo design, mas é excluído pela geografia”, disse Cruz.

As Olimpíadas também desafiam essa posição geográfica, já que apenas dois surfistas masculinos e duas femininas são permitidos em cada seleção de seleções. Isso cria pressão sobre a indústria para recrutar futuros de tantos países quanto possível para fortalecer e expandir a lista olímpica – e manter os padrões consistentes em todo o mundo.

READ  Uma espécie de fóssil foi salvo durante uma batida policial brasileira

A International Surfing Association, órgão regulador olímpico do surfe que representa 109 países, disse que priorizará o crescimento nos mercados emergentes para atrair uma plataforma esportiva global.

“Eu queria justiça, eu queria oportunidades iguais”, disse o presidente do ISA, Fernando Aguirre. “No que diz respeito aos jogos, esta forma os conecta se você é um surfista rico ou um surfista ruim.”

Johanne Defoe, 27, da França, não se considera uma surfista pobre – seu pai, um médico, e a mega marca de surfe Roxy começaram a financiá-lo quando ele tinha 12 anos, o que incluiu oportunidades de treinamento na Austrália e no Havaí.

Mas sua história original é uma história de alerta sobre a complexidade dos patrocínios que fazem ou quebram atletas emergentes.

“Se este é o seu sonho, você arrisca”, disse Defay.

O nativo da Ilha da Reunião lembra como sua vida foi devastadora quando o contrato de patrocínio terminou antes de ele chegar ao campeonato profissional da WSL em 2014. Só a viagem de temporada de nove meses custa US $ 80.000.

O custo de se tornar profissional não é o mesmo de outros esportes pessoais, como tênis e golfe, mas o surfe depende da localização. Superando algumas dessas pressões, a WSL começou a organizar eventos regionais este ano para que os próximos surfistas estivessem bem perto de casa.

“Muitas pessoas sobrevivem com prêmios em dinheiro”, disse o surfista profissional aposentado Jesse Miley-Dyer, que agora hospeda os eventos de competição da WSL.

Defay disse que foi o surfista profissional Jeremy Flores que ajudou a financiar sua “louca” temporada de estreia. Agora, os dois estão indo para o Japão pela equipe francesa – um azarão que viu uma vitória desagradável na fazenda de surf de alta intensidade no mês passado.

READ  Brasil x Coréia do Sul Voleibol Feminino Transmissão ao vivo grátis (6/8/21): Assista às Olimpíadas de Tóquio 2021 Online | Tempo, TV, canal

Também é importante para Medina avançar. Em 2017, o primeiro campeão brasileiro construiu uma escola de surf em sua casa em São Paulo para apoiar os talentos locais. O programa inclui não apenas treinamento atlético, mas também aulas de informática e idiomas, atendimento médico e odontológico.

Ferreira lamenta o que mais brasileiros podem fazer se um país como a Austrália há muito doa metade do que deu à sua juventude.

“Eles têm uma ótima escola e de fácil acesso, onde você encontra um treinador, fisioterapeuta, massagista, caras que podem te ajudar a qualquer momento com análise de vídeo, pranchas de surfe disponíveis a qualquer hora, piscinas, locais para praticar”, disse Ferreira. . “Se não o fizer (essas condições não existem), coloque os joelhos no chão e ore a Deus para ajudá-lo.”

___

Siga Sally Ho no Twitter em http://twitter.com/_sallyho

___

Mais Jogos Olímpicos AP: https://apnews.com/hub/2020-tokyo-olympics