Outubro 17, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

O caçador de asteróides de 8 anos do Brasil é oficialmente o mais jovem astrônomo do mundo

Enquanto Nicole Oliveira estava aprendendo a andar, ela ergueu as mãos para alcançar as estrelas no céu.

Hoje, com apenas oito anos, a brasileira é conhecida como a astrônoma mais jovem do mundo, procurando por asteroides em um programa relacionado à NASA, participando de seminários internacionais e se reunindo com as melhores localizações e figuras científicas de seu país.

No quarto de Oliveira, repleto de cartazes do sistema solar, foguetes em miniatura e bonecos de Star Wars, Nicolinha fazia o trabalho de ler imagens do céu em duas grandes telas de seu computador.

O projeto, é chamado Caçadores de asteróides, Apresentar a ciência aos jovens é dar-lhes a oportunidade de fazer as suas próprias descobertas espaciais.

É alimentado por Colaboração de pesquisa astronômica internacionalUm projeto de ciência cidadã em colaboração com a NASA em colaboração com o Ministério da Ciência do Brasil.

Nicol லின் nha, que brilhava de orgulho, disse à AFP que já havia descoberto 18 asteróides.

“Vou dar nomes de cientistas brasileiros ou de membros da minha família, como minha mãe ou meu pai”, disse a animada mulher de cabelos castanho-escuros e voz aguda.

Se suas descobertas forem certificadas, pode levar anos e Oliveira se tornará a pessoa mais jovem do mundo a quebrar oficialmente o recorde do italiano Luigi Sunino, de 18 anos, e a descobrir oficialmente um asteróide.

“Ela realmente tem um olho. Ela imediatamente encontra pontos em imagens que parecem asteróides e frequentemente instrui seus colegas quando eles não sabem se os descobriram”, disse Heliomargio Rodriguez Morera, professor de astronomia da Olivera em uma escola particular em a cidade. Fortaleza, no Nordeste do Brasil, agradece pela bolsa.

READ  Por que os investidores estão tão otimistas de que o maior uso de água do Brasil será privatizado

“O mais importante é que ela compartilhe seu conhecimento com outras crianças. Ela contribui para a divulgação da ciência”, acrescentou Rodriguez Morera.

Nicole Oliveira trabalha em seu computador em sua casa em Fortaleza, Brasil. (Zarboas Oliveira / AFP)

Interessado em astronomia

Depois de receber uma bolsa para frequentar a prestigiosa escola de Nicolinha, a família de Nicolinha se mudou para Fortaleza no início deste ano de sua cidade natal, Macio, a cerca de 1.000 quilômetros de distância. Seu pai, um cientista da computação, foi autorizado a manter seu trabalho e entrega.

“Quando ela tinha dois anos, ela levantava as mãos para o céu e me perguntava:‘ Mãe, me dê uma estrela ’, disse sua mãe, Jilma Janaka, 43, que trabalha com artesanato.

“Quando ela pediu um telescópio de presente de aniversário quando tinha quatro anos, percebemos que esse interesse pela astronomia era intenso. Eu nem sei o que é um telescópio”, acrescentou Janaka.

Nicolinha estava tão decidida a conseguir um telescópio que disse aos pais que o trocaria nas futuras comemorações de aniversário. Mesmo assim, esse presente era muito caro para a família, e a mulher o recebeu quando ela tinha 7 anos, e todas as suas amigas levantaram dinheiro para comprá-lo, disse sua mãe.

À medida que prosseguia os estudos, Nikolinha matriculou-se em um curso de astronomia, que teve que diminuir o limite de idade para alunos a partir de 12 anos.

Em seu canal no YouTubeNicolinha entrevistou figuras influentes como a astrônoma brasileira Tuilia de Mello, que participou da descoberta da supernova SN 1997D.

No ano passado, Olivera viajou a Brasília para se encontrar com o ministro da Ciência e o astronauta Marcos Pontes.

READ  A artista brasileira recria pinturas de mestres com lixo plástico

Em termos de suas próprias ambições, Nicolinha quer se tornar um engenheiro aeroespacial.

“Quero construir foguetes. Quero ir ao Centro Espacial Kennedy na NASA, na Flórida, para ver seus foguetes”, disse ele.

“Quero que todas as crianças do Brasil tenham acesso à ciência”, diz ele.

Agências Ence France-Press