Novembro 28, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

O Brasil deve aumentar suas metas climáticas na COP26, diz o negociador

Após uma entrevista com a Reuters no Palácio do Itamarati em Brasília, Brasil, em 25 de outubro de 2021, o principal embaixador do Brasil para negociações climáticas, Paulino Franco de Carvalho Neto, tira a foto. Foto tirada em 25 de outubro de 2021. REUTERS / Adriano Machado

BRASÍLIA, 26 de outubro (Reuters) – O Brasil aumentará as metas do Acordo de Paris na COP26, à medida que busca restaurar suas políticas ambientais e a credibilidade da responsabilidade da floresta amazônica, disse em entrevista o principal diplomata do país para negociações climáticas.

“Peço a todos que olhem para o futuro, não para o passado, pelo benefício da dúvida”, disse Palino de Carvalho, secretário de Estado para assuntos políticos multilaterais, à Neto Reuters antes de ir para a Conferência de Mudança Climática da ONU em Glasgow. Domingo.

Ele disse que o Brasil registrará formalmente na Secretaria do Acordo de Paris seu compromisso de atingir a meta de neutralidade de carbono ou emissão líquida zero até 2060-2050.

O ministro do Meio Ambiente, Joachim Leid, que chefia a delegação brasileira, deve elevar a meta de redução de emissões do país de 43% para 45% até 2030, em relação a 2005.

O vice-presidente Hamilton Morrow disse na segunda-feira que o Brasil pretende acabar com o desmatamento ilegal na Amazônia dois ou três anos antes da meta de 2030 prometida pelo presidente Jair Bolzano na cúpula do Dia da Terra realizada pelo presidente dos EUA Joe Biden em abril.

“Houve uma mudança no processo desde abril, não só nas nossas metas, mas também nas nossas ações. Começamos a combater o desmatamento de forma efetiva”, disse Carvalho Neto em entrevista.

READ  Como assistir Brasil x Chile (02/07/2021): quartas de final da Copa América, transmissão ao vivo, canal de TV

O governo aumentou seu orçamento para combater o desmatamento, o que ajudará a atingir as metas climáticas porque o desmatamento, o maior desmatamento tropical do mundo, é um dos principais impulsionadores das emissões de dióxido de carbono do Brasil.

“Se pudermos combater o desmatamento vigorosamente, tanto a meta de neutralização do clima de longo prazo para 2050 quanto nossas (contribuições nacionalmente determinadas) atingirão facilmente as metas do Acordo de Paris”, disse ele, referindo-se às metas pessoais do Brasil de redução de emissões.

Bolsanaro, um suspeito da mudança climática apoiado por poderosos interesses agrícolas, enfrentou críticas de ativistas ambientais e alguns líderes mundiais por aumentar o desmatamento durante sua presidência. Ele continua a pressionar por mais mineração e agricultura comercial na Amazônia, incluindo terras nativas protegidas.

Embora os incêndios florestais na Amazônia tenham sido significativamente reduzidos este ano, há mais desmatamento do que antes de Bolzano tomar posse e enfraquecimento da fiscalização ambiental.

O desmatamento na Amazônia brasileira atingiu o pico em 12 anos, queda de menos de 1% em setembro deste ano em comparação com os primeiros nove meses de 2020. consulte Mais informação

Esse avanço na borda abriu as portas para renovar as negociações climáticas com os Estados Unidos, o que mostra o progresso do Brasil no combate ao desmatamento ilegal. Carvalho Neto se encontrou brevemente com o Embaixador do Clima dos EUA, John Kerry, em uma reunião preparatória para a COP26 em Milão neste mês.

Diplomatas europeus reconheceram a mudança de atitude dos ministros brasileiros envolvidos nas questões das mudanças climáticas e até mesmo nos discursos de Bolsanaro.

“Eles reconhecem que o desmatamento é um problema e que afeta diretamente seus objetivos no combate às mudanças climáticas”, disse Ignacio Ybañez, embaixador da UE em Brasília. “Mas precisamos ver resultados mais concretos. Ainda não chegamos lá.”

READ  Polícia brasileira apreende M 33 milhões em esquema de fraude de criptografia

Carvalho Neto disse que o Brasil terá uma posição construtiva em Glasgow e ao mesmo tempo defenderá seus interesses. Isso inclui fazer com que os países ricos compensem seus esforços para proteger a Amazônia, que é um importante baluarte contra as mudanças climáticas.

O Brasil trabalhará por um acordo sobre a estrutura para o funcionamento efetivo dos mercados de carbono, regulamentando o Artigo 6 do Acordo de Paris, que desempenha um papel fundamental na redução das emissões de gases de efeito estufa.

O Brasil quer ver uma parte da receita gerada com o comércio de créditos de carbono, ajudando os países menos ricos a se adaptarem às mudanças climáticas, disse Carvalho Neto.

Ao reduzir suas metas para 2025 e 2030 em 37% e 43%, os NDCs brasileiros anunciaram em dezembro que reduziriam as emissões em 37% e 43% em relação aos níveis de 2005, trocando os gases básicos anuais em cargas renovadas, associação sem fins lucrativos de monitoramento da ação climática disse.

Carvalho Neto disse que a carga, que reduziu as emissões totais de gases do Brasil de 2,8 bilhões para 2,4 bilhões de gigatoneladas, pode ser “ajustada em termos de números reais oficiais” e “em última instância”.

Relatado por Anthony Boadle; Brad Haynes, Andrea Richie e Lincoln Feast Editing.

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.