Setembro 26, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

No Brasil, um homem recebe cinco aplicações de vacina em 10 semanas

Um morador da cidade brasileira do Rio de Janeiro deve explicar às autoridades de saúde como ele tomou cinco injeções de várias vacinas contra o novo vírus corona (Covit-19) em 10 semanas, informou a agência de notícias francesa AFP na sexta-feira.

Entre 12 de maio e 21 de julho, o homem recebeu uma dose de cada vacina da Pfizer e do coronavir, e duas doses de um jab astrogênico, segundo a TV Globo, que conseguiu visualizar o cartão digital da vacina. Em um caso, ele foi capaz de receber duas doses em intervalos de 13 dias. Ele foi descoberto em 16 de agosto, quando estava em sua sexta dose.

Em uma carta à AFP na sexta-feira, a Câmara Municipal do Rio disse que as autoridades de saúde o contatariam para que ele explicasse como conseguiu injetar em vários centros de vacinação.

De acordo com o site de informações do G1, a prefeitura disse que o homem foi a três centros diferentes e aproveitou o travamento do computador.

A Secretaria de Saúde, por sua vez, afirmou que “conseguiria identificar esse homem nos prontuários” e que tomaria as “providências necessárias”.

Para se vacinar, o brasileiro deve ser maior de idade correspondente ao calendário anunciado, apresentar carteira de identidade e obter certificado de injeção da primeira dose. Os centros de vacinação não propõem qualquer escolha entre as diferentes vacinas.

A cidade do Rio foi gravemente afetada pelo novo vírus Corona (Govit-19) e teve que interromper a vacinação devido à falta de vacinas. No entanto, centenas de casos de fraude foram relatados, com pessoas viajando para centros em estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais para receber sua vacina preferida ou terceira dose.

READ  O Tribunal Superior do Brasil aprovou um julgamento em Bolsanaro sobre um acordo de vacina

O Brasil tem o segundo maior número de mortes no mundo depois dos Estados Unidos, com mais de 570.000 mortes pelo vírus.

No entanto, ao contrário de muitos outros países, o apoio à vacina é muito alto no Brasil.

Brussels Times