Maio 22, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Mais dinheiro, menos responsabilidade – DW – 06/07/2023

Mais dinheiro, menos responsabilidade – DW – 06/07/2023

Dayana Santos, 29 anos, natural do Rio de Janeiro, percebeu no início da carreira que não queria mais trabalhar como enfermeira em seu país de origem. Brasil. “Por razões financeiras, às vezes trabalhei em dois ou três hospitais”, disse ele à DW.

Mesmo assim, ela não conseguia ganhar dinheiro nem para sair de férias. “Eu estava sobrecarregado, cansado, trabalhando apenas para pagar minhas contas”, disse ele. Mas depois de conversar com amigos que trabalham na Alemanha, ela decidiu Siga o exemplo deles e migre.

É uma situação familiar para Jacqueline Piccoli Korb. Ela também trabalhou como enfermeira na cidade de Ijuí, no sul do Brasil, por quatro anos, até que decidiu se mudar para a Alemanha. “Eu ainda era jovem, não estava satisfeito com meu trabalho e queria ganhar mais experiência de vida”, disse ele.

Após se formar em enfermagem, enfermeira brasileira Luisa Moraes rumou direto para a AlemanhaFoto: Luisa Moraes

Luisa Moraes nunca imaginou trabalhar no Brasil depois de se formar em enfermagem. Depois de se formar, ele imediatamente começou a procurar trabalho na Alemanha.

“Sempre quis ir para o exterior”, disse Moraes, que acabou conseguindo um emprego por meio de uma agência de empregos. Ele trabalha no Hospital Universitário Schleswig-Holstein, na cidade de Kiel, no noroeste, desde outubro de 2020.

Agências ajudam a recrutar enfermeiras do exterior

Algumas clínicas alemãs trabalham com agências Recrute enfermeiros treinados no exterior. Essas agências gerenciam todo o processo, desde o recrutamento de enfermeiras até o transporte para a Alemanha. Isso inclui a organização de aulas de idiomas no Brasil e assistência com pedidos de visto. As agências são pagas pelos hospitais.

Para Santos, o processo de recrutamento levou um total de dois anos para ser concluído. No entanto, Korp encontrou seu emprego no Brasil depois de conhecer Michael Stolf, diretor médico da clínica alemã Helios Mittelweiser.

READ  Bolsonaro é hospitalizado para fazer ‘testes de rotina’

Stolp estabeleceu uma colaboração com um hospital em Ijuí, que segundo ele “abriu a oportunidade de recrutar especialistas do sul do Brasil por meio de contato pessoal e colaboração”.

Cuidador de idosos alemão está em suporte de vida

Este navegador não suporta o elemento de vídeo.

‘No começo foi difícil’

Depois de chegar à Alemanha, as enfermeiras brasileiras fazem um curso que inclui disciplinas adicionais de alemão. Na Helios Clinics, uma equipe de coordenação também está envolvida no processo. Ao final do curso, os brasileiros devem passar por uma prova oral e escrita. Se o fizerem, são certificados como profissionais de saúde e enfermagem na Alemanha.

Ainda bem que Korp veio para a Alemanha há dois anos. “Inicialmente foi difícil, não conseguia entender tudo, mas agora está muito melhor e consigo conversar facilmente com os pacientes”, disse o homem de 30 anos, acrescentando que foi muito bem recebido.

Santos também se adaptou bem e encontrou seu próprio apartamento em Berlim, depois de morar em acomodações fornecidas pelo Hospital Protestante Rainha Elizabeth Herzberg, onde trabalhava.

Enfermeiros têm menos poder do que no Brasil

O Santos tem algumas coisas para se acostumar na Alemanha. Por exemplo, para se tornar uma enfermeira no Brasil, é preciso obter um diploma universitário; Na Alemanha, os enfermeiros devem concluir o treinamento.

Antes de vir para a Alemanha, as três enfermeiras haviam se formado em enfermagem em universidades brasileiras. No Brasil, ao contrário da Alemanha, disse Santos, não era função da enfermeira preparar ou administrar remédios ou lavar pacientes – essas tarefas eram feitas por outras pessoas.

Enfermeiras em hospitais brasileiros tendem a carregar mais responsabilidades do que suas contrapartes alemãsImagem: Erica Martin/TheNEWS2 via ZUMA Press/Picture Alliance/dpa

Na universidade, as enfermeiras brasileiras são treinadas para serem gerentes de enfermaria. “Temos mais poder e mais liberdade”, disse Santos. É por isso que, depois de vir para a Alemanha, ela se sentiu frustrada no começo. Disse ainda que tinha medo de errar, pois “o que é certo no Brasil pode ser errado aqui”.

READ  UCI MTB World Cup Petrópolis: Schurter vence a rodada de abertura no Brasil

Ainda assim, ela não quer voltar para o Brasil. “A qualidade de vida na Alemanha é ótima, tenho lazer, posso sair de férias e aproveitar meu tempo livre”, disse. Ele acrescentou que, ao contrário da Alemanha, muitas vezes tem medo de andar pelas ruas sozinho no Brasil.

Moraes também não tem planos de voltar ao Brasil. O jovem de 27 anos está atualmente realizando treinamento adicional para trabalhar e apoiar cuidadores internacionais.

“Na Alemanha, eu queria ter uma perspectiva de carreira e segurança no emprego, então era uma situação perfeita”, disse ele à DW. Apesar de sentir saudades da família, Moraes fez amigos e conhece muitas pessoas na Alemanha, o que facilita seu dia a dia.

Enfermeiras ucranianas em hospitais alemães

Este navegador não suporta o elemento de vídeo.

Todos os três saúdam os planos do governo alemão de trazer mais enfermeiras brasileiras para a Alemanha. No entanto, Santos disse que é importante apoiá-los na busca de um lugar para morar.

Ela também quer que as enfermeiras brasileiras tenham mais reconhecimento na Alemanha. Ele acha que isso pode ser alcançado educando melhor a equipe clínica alemã sobre como eles são treinados e como é a vida cotidiana no Brasil.

Moraes concorda amplamente. Inicialmente, disse ela, mal-entendidos muitas vezes resultaram de barreiras linguísticas porque as enfermeiras brasileiras não foram treinadas para fazer algo.

Este artigo foi traduzido do alemão.