Setembro 16, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Latum substituirá o Airbus A350 brasileiro por um Boeing 787 registrado no Chile

Em abril, o Grupo LATAM anunciou a aposentadoria de suas aeronaves Airbus A350-900, operadas exclusivamente no Brasil, reforçando sua vasta frota de Boeing 767, 787 e 777.

No entanto, a saída da Airbus causou uma lacuna significativa na capacidade da subsidiária brasileira.

Boeing 767-300ERs com capacidade de 221 assentos, Boeing 787-8 e -9s com capacidade de 247 e 313 assentos, respectivamente, operam no Peru, Chile e Colômbia. Essa opção de capacidade permite que você tenha uma ampla rede de longa distância conforme necessário.

O Brasil é um grande mercado regional, e a LATAM o utiliza estrategicamente como elo da América do Sul com a África, Ásia e Europa, embora tenha uma boa presença com os Estados Unidos.

A aposentadoria dos Airbus A350 reduzirá o vôo em sua frota de 32 para 19, o que afetará significativamente as frequências e trajetórias que a empresa operava antes do surto. Existem apenas Boeing 767 com capacidade para 221 passageiros e Boeing 777-300ER com 410 lugares.

O grupo tem tempo suficiente para fazer as mudanças necessárias porque é um dos países com mais controles de outros países, o que pode atrasar a recuperação do mercado internacional no Brasil.

Solução: Usar aeronave Boeing 787 da subsidiária chilena

Mesmo que seja esperado que aconteça, o problema será o processo de certificação. Essas aeronaves estão registradas no Chile, portanto não serão operadas pela empresa sul-americana até que sejam editadas pela ANAC Brasil.

De acordo com a mídia de nosso parceiro, Heroína, O piloto-chefe da LATAM Brasil Alexandre Giannini conduz as primeiras operações de certificação do Dreamliner no país.

“O processo de certificação junto à ANAC do JJ-Lattom Marinha do Brasil B787, além da motivação da equipe e oportunidades de carreira, é um passo importante para o desempenho e sustentabilidade da empresa. Motivação adequada na indústria aeronáutica no Brasil”, disse Giannini.

READ  Brasil vê geração de energia em novembro por conta da seca

Imagem: Alexandre Giannini

Por outro lado, os pilotos brasileiros são treinados e qualificados no Simulador CAE em Santiago, Chile.

Posteriormente, os voos começarão no Brasil, mas o voo não será transferido para a divisão brasileira. Isso possibilita um acordo entre seu representante chileno ANAC e a DGAC para permitir a troca de aeronaves do mesmo grupo, que operarão a partir daquele local em área com pilotos nacionais.

Nessas circunstâncias, o Grupo LATAM Airlines terá que distribuir 10 aeronaves Boeing 787-8 e 15 Boeing 787-9 em quatro países. Atualmente os voos de São Paulo (GRU) a Madrid (MAT) e Paris (CDG) operam com o Dreamliner, mas com tripulação chilena. Na Colômbia tem voos de Bogotá a Miami, mas como o voo vem do Chile eles usam o Fifth Independence.

Vai para locações regulares do Boeing 787 em Lima, Peru, Santiago no Chile e, futuramente, em São Paulo.

Surpreendentemente, Chile e Peru respondem pela maioria das operações do B787 do grupo.

Possíveis rotas do Boeing 787 no Brasil

Como mencionamos anteriormente este modelo é usado para Madrid e Paris com a seleção chilena, eles serão os primeiros a operar com a seleção brasileira após a certificação.

Antes do surto, Frankfurt na Alemanha; Orlando, Miami e Nova York nos Estados Unidos e Joanesburgo na África do Sul foram locais comuns para o Airbus A350, que poderiam ser os próximos futuros locais do modelo americano.