Maio 22, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Governo do Brasil espera aprovação rápida da Câmara dos Deputados para regulamentação do mercado de carbono

Governo do Brasil espera aprovação rápida da Câmara dos Deputados para regulamentação do mercado de carbono

O Ministro das Relações Industriais do Brasil, Alexandre Padilla, fala durante entrevista coletiva em 20 de abril de 2023 em Brasília, Brasil. REUTERS/Ueslei Marcelino/Foto de arquivo Obtenha direitos de licença

BRASÍLIA (Reuters) – O governo do Brasil pretende acelerar a aprovação pela Câmara dos Deputados depois que um projeto de lei para regular o mercado de carbono recebeu luz verde do Senado, disse o ministro de Relações Industriais, Alexandre Padilla, nesta quarta-feira.

O projeto de lei, considerado uma parte fundamental do plano de reforma ambiental do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, recebeu a aprovação final da comissão de meio ambiente do Senado na manhã de quarta-feira e agora segue para a Câmara dos Deputados.

“Esperamos poder votar o mais rápido possível”, disse Pathila aos repórteres, sem especificar um prazo.

A senadora Leila Barrows, defensora da proposta no Senado, incorporou ao texto algumas das mudanças sugeridas pelo governo, mas deixou de lado outras na tentativa de chegar a um consenso com os colegas senadores, poupando a agricultura e a pecuária das novas regras.

O limite para as empresas que emitem mais de 25 mil toneladas de dióxido de carbono anualmente deverá afetar as empresas de petróleo e gás, frigoríficos e produtores de aço, cimento e alumínio, disse o Ministério das Finanças.

Padilha disse que a exclusão das atividades do agronegócio não enfraqueceria o projeto de lei, acrescentando que nenhum país do mundo impôs regras ao setor, que o Brasil poderia considerar “num estágio posterior”.

Reportagem de Marcela Ayers; Edição de Philippa Fletcher

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba