Julho 2, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Futebolistas brasileiros falam de ‘terror’ em voo da Ucrânia

Um grupo de futebolistas brasileiros e suas famílias chegaram a São Paulo na terça-feira após uma odisseia de dois dias para escapar da Ucrânia devastada pela guerra, onde jogam futebol de seu clube.

O contingente de 13 brasileiros do Shakhtar Donetsk estava entre as dezenas de pessoas que lotaram um trem e depois um ônibus para uma viagem à Romênia que durou mais de 30 horas.

De lá, eles puderam embarcar em voos de volta à sua terra natal.

“O mais difícil foi tudo o que vimos na estrada: gente morrendo, gente que não tinha nada a ver com essa situação”, disse Pedrinho, atacante de 23 anos, ao chegar ao São Paulo.

“Levei minha filha de quatro meses comigo e tudo que eu queria era que ela ficasse bem. Imagens de terror, cidades destruídas: essas são as coisas que ficam na minha cabeça.

“O que eu mais quero agora é estar com minha família, com meus pais. Eu me despedia deles todas as vezes que conversávamos porque não sabia se seria a última vez que nos falaríamos.”

Quando a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, os brasileiros do Shakhtar e dois jogadores do Dínamo Kyiv – o uruguaio Carlos de Pena e o brasileiro Vitinho – se abrigaram em um hotel com suas famílias enquanto pediam ao governo brasileiro que os ajudasse a deixar o país.

Antes do início da guerra, havia cerca de 500 brasileiros na Ucrânia. Isso caiu para cerca de 100 agora, de acordo com a embaixada brasileira em Kiev.

“Tudo explodiu de um dia para o outro. Na manhã de quinta-feira estávamos em casa quando começamos a ouvir o som das bombas, dos aviões, e foi aí que começou o pesadelo”, disse De Pena à AFP enquanto esperava em São Paulo por um voo para Montevidéu.

READ  Mercedes oferece chassi de ônibus elétrico construído no Brasil

“Não foi fácil coordenar o transporte porque havia muitas pessoas desesperadas, muitas pessoas fugindo, tropas russas se aproximando da capital.”

Agora ele se lembra dos sentimentos de “medo, tristeza e não saber se vamos voltar”.

O brasileiro Marlon Santos, 26, admitiu que era “difícil manter a calma”.

Depois de três dias no hotel, os jogadores embarcaram em uma viagem de trem de 17 horas e depois de 15 horas de ônibus com a ajuda da Uefa, órgão que administra o futebol europeu, para chegar à Romênia.

“Estava muito escuro quando saímos, não sabíamos o que encontraríamos”, disse Maycon, 24 anos, jogador do Shakhtar que saiu com a esposa, dois filhos e pais.

“Só pedi calma para que meus filhos não sentissem o que estávamos sentindo”, disse a esposa de Maycon, Lyarah Vojnovic Barberan.

Mas o alívio de agora estar em um porto seguro é moderado pela preocupação com os companheiros de equipe ucranianos deixados para trás.

“Temos grandes amigos lá, sinto muito por eles e realmente espero que tudo se resolva”, disse Maycon.

raa / ol / bc / st