Maio 24, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Enquanto Danelo Cavalcante retorna à prisão, o assassinato no Brasil permanece sem solução

Enquanto Danelo Cavalcante retorna à prisão, o assassinato no Brasil permanece sem solução

Danelo Cavalconte supostamente matou um homem em frente a um restaurante em Figueroapolis, uma pequena cidade rural de cerca de 5.200 habitantes no estado de Dogantes, no interior do Brasil. (Matt Rourke/Associated Press)

RIO DE JANEIRO (AP) – Quando o promotor brasileiro encarregado do caso de assassinato direcionado contra Danelo Cavalconte, 34, viu uma filmagem dele saindo de uma prisão nos EUA no mês passado, ele pensou que o fugitivo poderia tentar voltar para casa. Ele receberia uma sentença significativamente mais leve.

Ele fugiu do Brasil em 2018 e, meses depois, familiares do homem disseram que lhe deviam dinheiro. Hoje, Cavalcante enfrenta prisão perpétua em uma prisão nos EUA pelo brutal assassinato de sua namorada.

“Achei que ele tivesse que fugir para o Brasil”, disse Rafael Pinto Alami, promotor público de Docantins, à Associated Press na quinta-feira. “Ele tem que cumprir as regras da prisão aqui, que são muito brandas”.

Uma audiência no caso do assassinato de Cavalcante no Brasil está marcada para 11 de outubro. O caso deverá chegar a um júri, provavelmente no próximo ano, disse o advogado de Alamy e Cavalcante à AP.

O Brasil não impõe penas de prisão perpétua. Embora Cavalcante tenha sido condenado a no máximo 30 anos de prisão, Alami disse que ele poderia ter saído em liberdade após 12 anos com redução por bom comportamento.

Pouco depois da meia-noite de 5 de novembro de 2017, Cavalcante supostamente matou um homem do lado de fora de um restaurante em Figueroapolis, uma pequena cidade rural com cerca de 5.200 habitantes no estado de Dogantes, no interior do Brasil.

READ  Estranhos desenhos pré-históricos encontrados perto de pegadas de dinossauros no Brasil

A vítima de 20 anos, Walter Jr. Moreira dos Reyes, foi baleada cinco vezes, segundo boletim de ocorrência visto pela AP. Mais tarde, sua irmã disse às autoridades que pensava que Cavalconte atacou seu irmão por causa de uma dívida relacionada a danos no carro, disse o relatório.

Uma testemunha ocular disse às autoridades que Cavalant correu para seu carro e fugiu do local.

As autoridades do Brasil iniciaram uma investigação e, dentro de uma semana, um juiz ordenou sua prisão preventiva, mostram os documentos. A polícia não conseguiu localizar Cavalconte, que é da região.

De acordo com o programa de TV investigativo brasileiro Fantástico, Cavalcante conseguiu viajar para a capital Brasília em janeiro de 2018. Não está claro se ele viajou com documentos falsos, mas só foi adicionado ao Sistema Nacional de Informação de Mandados em junho daquele ano. O promotor disse a Andhra.

Embora viajasse com identidade própria, ele era apenas um fugitivo no estado do Tocantins, disse Alami.

A prisão de Cavalcante nos Estados Unidos foi, nesta quarta-feira, primeira página de vários jornais brasileiros. A cobertura da caça ao homem foi espalhada ao longo dos seus 14 dias nos jornais e na televisão, apesar de o país estar relativamente habituado a penas de prisão e a fugitivos, por vezes libertados temporariamente da prisão e recusando-se a regressar.

O advogado de Cavalcante, Magnus Lourenço, disse não ter a certeza de que o seu cliente seria notificado a tempo da audiência de Outubro e que esta poderia ser adiada.

Enquanto isso, os entes queridos da vítima no Brasil expressaram conforto pelo fato de Cavalcante começar a pagar pelos seus crimes novamente, embora em um país diferente.

READ  Lula visita área atingida por desastres enquanto o número de mortos em enchentes aumenta no Brasil

“Estamos felizes (por ele ter sido preso), mas meu irmão no Brasil não recebeu justiça. A justiça é muito lenta”, disse a irmã da vítima, Dayane Moreira dos Reis, ao jornal Folha de S. Paulo. “Passamos sete anos sem nenhuma resposta. Ele está na prisão pela pena completa. Nós (agora) acreditamos que haverá.